Você está aqui:
Abertas as inscrições para a 8ª edição do Prêmio Luiz de Castro Faria

Prêmio Luiz de Castro Faria

Estão abertas as inscrições para a 8ª edição do Prêmio Luiz de Castro Faria, que reconhece a pesquisa acadêmica cujo tema seja o Patrimônio Arqueológico Brasileiro. Pesquisadores e estudantes podem se inscrever em quatro categorias: monografia de graduação, dissertação de mestrado, tese de doutorado e artigo científico. Realizada pelo Centro Nacional de Arqueologia (CNA) do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a iniciativa distribuirá premiações que vão de R$ 7 mil a R$ 20 mil. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas, online, até 25 de setembro de 2020. O edital foi publicado nesta segunda-feira, dia 10 de agosto.

Categorias do Prêmio Luiz Castro Faria
Categoria I
– Monografia de Graduação: visa a apresentação de monografia final desenvolvida no âmbito de Cursos de Graduação em Arqueologia (ou com habilitação em Arqueologia reconhecido pelo MEC) e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 10 mil.

Categoria II – Dissertação de Mestrado: visa a apresentação de dissertação de mestrado desenvolvida no âmbito de Cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arqueologia (ou com área de concentração em Arqueologia reconhecida pela Coordenação de Pessoal de Ensino Superior/ CAPES) e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 15 mil.

Categoria III – Tese de Doutorado: visa a apresentação de tese de doutorado desenvolvida no âmbito de Cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arqueologia (ou com área de concentração em Arqueologia reconhecida pela Coordenação de Pessoal de Ensino Superior/CAPES) e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 20 mil.

Categoria IV – Artigo Científico: visa a apresentação de artigo científico inédito que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 7 mil.

Luiz de Castro Faria
Nascido em Niterói (RJ), em 1913, Luiz de Castro Faria construiu uma carreira acadêmica reconhecida em diversas disciplinas das ciências sociais. Como antropólogo e arqueólogo, Luiz de Castro tornou-se pesquisador do Museu Nacional, onde atuou na proteção dos sítios arqueológicos e, em especial, dos sítios sambaquis do litoral.

Seu desempenho com a pesquisa e com o patrimônio cultural o levou a elaborar políticas de preservação na arqueologia, suscitando no seu protagonismo com a elaboração da Lei n° 3.924, de 1961, um marco na proteção do patrimônio arqueológico.

Nos anos seguintes, após a publicação da Lei, Luiz de Castro dedicou-se ao ensino acadêmico universitário. Foi membro de comissões para a criação de cursos de graduação e pós-graduação no país, realizou o levantamento de sítios arqueológicos e etnográficos, ministrou cursos de antropologia, etnologia, arqueologia e evolução humana.

Luiz de Castro morreu em 2004, deixando um importante legado para as ciências humanas e sociais, publicações de artigos e pesquisas na arqueologia, obras de referência para a antropologia e a etnologia brasileira, e imensurável contribuição para a defesa do patrimônio cultural arqueológico.

Serviço:
8ª Edição do Prêmio Luiz de Castro Faria

Inscrições: 28 de agosto de 2019
Edital e ficha de inscrição
Informações sobre a premiação:
Centro Nacional de Arqueologia (CNA/Iphan)

(61) 2024-6300 – premio.cna@iphan.gov.br
Quadra SEPS, 713/913 Bloco D – 3º andar Asa Sul Brasília – DF

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

comunicacao@iphan.gov.br
(61) 2024-5516 – (61) 2024-5526
www.iphan.gov.br

www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr
www.youtube.com/IphanGovBr | www.instagram.com/iphangovbr

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mestrado Profissional do Iphan divulga resultado da seleção da vaga reserva para alunos-bolsistas

Forte de Coimbra - Mato Grosso do Sul (MS)

Está disponível, no site do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o resultado final da seleção de alunos-bolsistas para a vaga reserva da Superintendência do Iphan em Mato Grosso do Sul, para participação no Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural 2020. O candidato aprovado fará parte da 12a turma do Programa de Pós-graduação promovido pelo Instituto, por meio do Centro Lucio Costa (CLC).

O candidato selecionado em primeiro lugar deverá entrar em contato, imediatamente, com a Coordenação do Mestrado pelo e-mail mestrado.clc@iphan.gov.br, para manifestar seu interesse ou não em assumir a vaga. Em caso de desistência, poderá ser convocada a segunda colocada para o preenchimento da vaga.

A data prevista para o início das atividades da 12a turma é 1o de setembro.

Fonte: Iphan

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abertas as inscrições para a 8ª edição do Prêmio Luiz de Castro Faria

Prêmio Luiz de Castro Faria

Estão abertas as inscrições para a 8ª edição do Prêmio Luiz de Castro Faria, que reconhece a pesquisa acadêmica cujo tema seja o Patrimônio Arqueológico Brasileiro. Pesquisadores e estudantes podem se inscrever em quatro categorias: monografia de graduação, dissertação de mestrado, tese de doutorado e artigo científico. Realizada pelo Centro Nacional de Arqueologia (CNA) do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a iniciativa distribuirá premiações que vão de R$ 7 mil a R$ 20 mil. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas, online, até 25 de setembro de 2020. O edital foi publicado nesta segunda-feira, dia 10 de agosto.

Categorias do Prêmio Luiz Castro Faria
Categoria I
– Monografia de Graduação: visa a apresentação de monografia final desenvolvida no âmbito de Cursos de Graduação em Arqueologia (ou com habilitação em Arqueologia reconhecido pelo MEC) e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 10 mil.

Categoria II – Dissertação de Mestrado: visa a apresentação de dissertação de mestrado desenvolvida no âmbito de Cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arqueologia (ou com área de concentração em Arqueologia reconhecida pela Coordenação de Pessoal de Ensino Superior/ CAPES) e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 15 mil.

Categoria III – Tese de Doutorado: visa a apresentação de tese de doutorado desenvolvida no âmbito de Cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arqueologia (ou com área de concentração em Arqueologia reconhecida pela Coordenação de Pessoal de Ensino Superior/CAPES) e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 20 mil.

Categoria IV – Artigo Científico: visa a apresentação de artigo científico inédito que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 7 mil.

Luiz de Castro Faria
Nascido em Niterói (RJ), em 1913, Luiz de Castro Faria construiu uma carreira acadêmica reconhecida em diversas disciplinas das ciências sociais. Como antropólogo e arqueólogo, Luiz de Castro tornou-se pesquisador do Museu Nacional, onde atuou na proteção dos sítios arqueológicos e, em especial, dos sítios sambaquis do litoral.

Seu desempenho com a pesquisa e com o patrimônio cultural o levou a elaborar políticas de preservação na arqueologia, suscitando no seu protagonismo com a elaboração da Lei n° 3.924, de 1961, um marco na proteção do patrimônio arqueológico.

Nos anos seguintes, após a publicação da Lei, Luiz de Castro dedicou-se ao ensino acadêmico universitário. Foi membro de comissões para a criação de cursos de graduação e pós-graduação no país, realizou o levantamento de sítios arqueológicos e etnográficos, ministrou cursos de antropologia, etnologia, arqueologia e evolução humana.

Luiz de Castro morreu em 2004, deixando um importante legado para as ciências humanas e sociais, publicações de artigos e pesquisas na arqueologia, obras de referência para a antropologia e a etnologia brasileira, e imensurável contribuição para a defesa do patrimônio cultural arqueológico.

Serviço:
8ª Edição do Prêmio Luiz de Castro Faria
Inscrições:
28 de agosto de 2019
Edital e ficha de inscrição
Informações sobre a premiação:
Centro Nacional de Arqueologia (CNA/Iphan)

(61) 2024-6300 – premio.cna@iphan.gov.br
Quadra SEPS, 713/913 Bloco D – 3º andar Asa Sul Brasília – DF

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

comunicacao@iphan.gov.br
(61) 2024-5516 – (61) 2024-5526
www.iphan.gov.br
www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr
www.youtube.com/IphanGovBr | www.instagram.com/iphangovbr

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

FCRB lança a versão atualizada do aplicativo online do Vocabulário histórico-cronológico do português
A Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) lança a versão atualizada do aplicativo online do Vocabulário histórico-cronológico do português medieval. O Vocabulário é um instrumento de pesquisa contendo palavras da língua portuguesa usadas na Idade Média que remetem para os vocábulos atuais. A obra conta com 170 mil verbetes da língua utilizada em Portugal e na região espanhola da Galícia entre os séculos 13 e 15, e está disponível em http://www.medieval.rb.gov.br.
Projeto do lexicógrafo Antônio Geraldo da Cunha, o Vocabulário históricocronológico do português medieval (VPM) constitui-se um levantamento de fôlego do léxico da língua portuguesa daqueles séculos. A pesquisa para a localização dos vocábulos foi realizada em textos históricos de alta expressão literária e em obras que mereceram lugar de destaque nas histórias da literatura portuguesa, bem como documentos oriundos de cartórios medievais, textos jurídicos, tratados de higiene, livros de receitas.
Um bom exemplo da importância da obra foi sua utilização, por pesquisadores do Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia e Banco de Dados da Língua Portuguesa, na datação de vocábulos para o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, publicado em 2001.
O trabalho teve início há 41 anos, em 1979, com o lexicógrafo Antônio Geraldo da Cunha – então funcionário do Setor de Filologia da Casa de Rui Barbosa, falecido em 1999 -, e um pequeno grupo de pesquisadores. Os textos medievais selecionados serviram de material para as passagens abonatórias dos vocábulos. Inicialmente, em 1984, foi publicado um fascículo-amostra da obra. O projeto com a informatização do material em fichas de papelão datilografadas prosseguiu, o que permitiu a sua utilização como fonte de pesquisa. O VPM ganhou, assim, visibilidade na comunidade acadêmica e científica nacional e internacional.
Em 2000, foi lançado um CD-ROM em versão preliminar.. As fichas de papelão datilografadas, tão úteis ao longo dos anos a inúmeros pesquisadores da comunidade acadêmica e científica nacional e internacional, foram substituídas por formas rápidas e eficientes de consulta e atualização.
Em 2007, foi lançada uma nova versão do CD-ROM. Em 2014, a FCRB lançou a versão impressa em dois volumes, em um total de 2.850 páginas. A obra não pode ser comercializada, por isso tem sido enviada para universidades, bibliotecas e centros de estudos de línguas neolatinas do Brasil,  Europa, Estados Unidos e África lusófona. Com a disponibilização do aplicativo online, será possível também acolher sugestões e introduzir vocábulos que constam das obras selecionadas, e não foram contempladas no VPM.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Literário Biblioteca Nacional 2020
No dia 22 de julho, a Fundação Biblioteca Nacional abriu inscrições para o seu Prêmio Literário, edição 2020.
As inscrições permanecem abertas até 04 de setembro e devem ser feitas exclusivamente no endereço http://premioliterario.bn.gov.br/

Prêmio Literário 2020

Concedido anualmente, desde 1995, o Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional tem por objetivo reconhecer a qualidade intelectual das obras publicadas no período de 1º de maio de 2019 a 30 de abril de 2020, no Brasil, em língua portuguesa. Em 2020, o Prêmio prevê oito categorias distintas: poesia, romance, conto, ensaio literário, ensaio social, tradução, literatura infantil e literatura juvenil. Cada um dos premiados recebe quantia de R$ 30.000,00 (trinta mil reais).

Em virtude dos efeitos da pandemia de Covid-19, verificou-se a inviabilidade de manter a categoria Projeto Gráfico com a adoção estrita do modelo de inscrição por meio de plataforma eletrônica. A análise das obras nessa categoria requer substancialmente a análise dos livros como produtos físicos, aos quais a comissão julgadora teria acesso apenas por meio postal. Dessa forma, excepcionalmente neste ano, o Prêmio não incluirá a categoria Projeto Gráfico – Prêmio Aloísio Magalhães.

No próximo ano, a categoria será readmitida após o restabelecimento da capacidade operacional para recebimento e encaminhamento dos exemplares físicos.

Para participar, as obras devem preencher as seguintes condições:

  • estar em primeira edição;
  • terem sido publicadas e impressas no período de 1º de maio de 2019 a 30 de abril de 2020;
  • terem sido escritas em língua portuguesa;
  • terem sido publicadas por editoras brasileiras;
  • estar em conformidade com a Lei do Depósito Legal (Lei nº 10.994, de 14 de dezembro de 2004);
  • possuir número de registro ISBN (International Standard Book Number) válido no Brasil;

Leia o Edital do Prêmio Literário no link

Fonte: Fundação Biblioteca Nacional

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ibram e IFRJ firmam parceria para análise físico-químicas de bens culturais

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) firmaram Acordo de Cooperação Técnica visando a análise físico-químicas de bens culturais sob a guarda dos museus Ibram. O extrato do Acordo de Cooperação Técnica foi publicado no Diário Oficial da União no dia 13 de julho de 2020.

A parceria tem como objetivo o promover o intercâmbio de conhecimentos técnicos, científicos e culturais, por meio de projetos de pesquisa que colaborem para a difusão da utilização da Arqueometria, como uma das ferramentas para o processo de preservação de bens culturais, o desenvolvimento de projetos de ensino, de eventos e publicações, além da criação de uma base de dados com os resultados alcançados e demais informações produzidas.

No Acordo, cabe ao IFRJ disponibilizar o laboratório móvel, corpo técnico qualificado e instrumentos para a realização de análises físico-químicas em bens culturais dos museus administrados pelo Ibram. Já a este Instituto, cabe a divulgação dos resultados de modo a incentivar que os demais museus brasileiros a participem de ações específicas do projeto de pesquisa de mapeamento de bens culturais, com vistas a criação do banco nacional de análise físico-químicas.

Entre outras aplicações da pesquisa estão a possibilidade de uma melhor adequação dos procedimentos de conservação-restauração dos acervos, e a comprovação da autenticidade de itens, a partir das informações sobre procedência, origem, época de produção, dentre outros dados que compõem a catalogação dos bens musealizados.

Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD)

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) foi contemplado, no edital do Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (CFDD), com o projeto “Criação de um laboratório móvel para realizar análises físico-químicas em obras de artes de museus brasileiros”, que tem como objetivo implementar um laboratório móvel multiusuários, para serem acessados por museus brasileiros.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *