Você está aqui:
SECULT abre consulta pública para regulamentação do Tratado de Marraqueche.
Aberta consulta pelo prazo de 30 dias.

publicado: 23/04/2020 10h39,
última modificação: 23/04/2020 10h51

A Secretaria Especial da Cultura (SECULT) abriu consulta pública para coleta de informações, sugestões e comentários da sociedade, por 30 dias (um mês), a respeito de minuta de Decreto para a regulamentação do Tratado de Marraqueche.

O Tratado, que foi promulgado no Brasil pelo Decreto nº 9.522, de 8 de outubro de 2018, visa facilitar o acesso a obras publicadas às pessoas cegas, com deficiência visual ou com outras dificuldades para ter acesso ao texto impresso.

Grupo de Trabalho

A proposta de regulamentação do Tratado de Marraqueche, que agora é colocada à disposição de toda a sociedade civil, foi elaborada no âmbito de um Grupo de Trabalho – GT especialmente criado para esta finalidade.

Ao lado da Secretaria Especial da Cultura, por meio da Secretaria de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual (SDAPI), participaram do GT representantes do Ministério da Educação e do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Também contribuíram especialistas nas áreas de acessibilidade, educação, bibliotecas e tecnologia, assim como representantes de associações de pessoas com deficiência e do Ministério Público Federal.

Negociações

O Tratado de Marraqueche, assinado em 2013, é considerado uma conquista no âmbito dos direitos autorais e também dos direitos humanos. Seu objetivo é garantir o acesso de pessoas com deficiência e outras dificuldades às obras intelectuais. Por sua natureza de direitos humanos foi ratificado pelo Brasil com status de emenda constitucional.

É o primeiro acordo internacional destinado à adoção de limitações ou exceções obrigatórias aos direitos autorais. A proposta é criar condições para a disseminação de obras intelectuais em formatos acessíveis, no esforço de combater a carência de livros – e de outras obras – vivenciada pelas pessoas com deficiência em todo o mundo.

O Tratado, além de possibilitar a criação de cópias de obras em formatos acessíveis, permite aos países signatários adotarem o intercâmbio transfronteiriço dessas obras por intermédio de entidades autorizadas.

Implementação

A implementação do Tratado de Marraqueche no Brasil exige a edição de um Decreto regulamentador para garantir a segurança jurídica e contribuir para a efetiva participação das pessoas com deficiência e com outras dificuldades de leitura na cultura, educação e circulação de informações, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, por meio da garantia de acesso a bens culturais em formatos acessíveis.

Como fazer contribuições

As contribuições à consulta pública podem ser feitas por meio de um dos formulários disponíveis nos links abaixo:

  1. https://forms.gle/ddkZKj5rxQNwrt567 (em formato acessível);
  2. http://participa.br/sdapi/consulta-publica-no-012020-minuta-do-decreto-de-regulamentacao-do-tratado-de-marraqueche.

As contribuições são de uso exclusivamente interno da equipe técnica da SDAPI. Os dados pessoais dos participantes da consulta são sigilosos e serão utilizados apenas para identificar os diferentes setores que contribuírem sobre o tema.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Funarte realiza no Teatro Cacilda Becker, no Rio, oficina com foco em acessibilidade

O curso é voltado para pessoas com ou sem deficiência, a partir dos 14 anos de idade

A Fundação Nacional de Artes – Funarte, por meio de sua Coordenação de Dança, realiza, até o dia 23 de dezembro, no Teatro Cacilda Becker, Zona Sul do Rio, uma oficina de dança com foco em acessibilidade. O curso do Projeto Dança e Teatro, da Pulsar Cia. de Dança e do grupo Teatro Novo tem como público-alvo pessoas com ou sem deficiência, a partir dos 14 anos, e se propõe a lançar um novo olhar sobre a questão da deficiência na dança.

A oficina teve início no dia 9 de dezembro. As próximas aulas serão nos dias 16 e 23 de dezembro, sempre às segundas-feiras, das 13h às 18h. O curso é ministrado pela bailarina, coreógrafa e diretora da Pulsar Cia. de Dança, Teresa Taquechel, e pelo psicólogo Rubens Gripp, que também é fundador do Grupo Teatro Novo, composto por atores com Síndrome de Down e outras deficiências intelectuais.

A proposta da oficina é ampliar a atenção sobre as relações internas do corpo e o meio em que está inserido, permitindo assim a expressão do indivíduo através da dança e do teatro. Visa também estimular o desenvolvimento da percepção e da sensibilidade, de forma abrangente, através da pesquisa e enriquecendo o vocabulário corporal individual e a troca com o seu entorno. Dessa forma, o curso espera contribuir, através do fluir estético que envolve a diferença, para a percepção do outro e da multiplicidade do indivíduo.

Conteúdo
A oficina tem como base a consciência através do teatro e da dança contemporânea, estimulando a pesquisa de movimentos e a criação de novos padrões.

Oficina

Projeto Dança e Teatro no Teatro Cacilda Becker
Pulsar Cia. de Dança e Teatro Novo

Com Rubens Gripp e Teresa Taquechel
Dias 9, 16 e 23 de dezembro
Horário: das 13h às 18h

Teatro Cacilda Becker
Rua do Catete, 338 – Catete – Rio de Janeiro (RJ)
(Próximo ao Metrô Largo do Machado)
Telefone: (21) 2265 9933

Mais informações
Coordenação de Dança – Centro de Artes Cênicas – Funarte
danca@funarte.gov.br
Tel. (21) 2279-8014

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Centro Técnico Audiovisual oferece curso a jovens com deficiência intelectual

A iniciativa nasceu da parceria entre o CTAv, vinculado ao Ministério da Cidadania, e o Instituto Municipal Helena Antipoff (IHA)

Rio de Janeiro/RJ – Uma parceria para expandir horizontes, em todos os sentidos. O Centro Técnico Audiovisual (CTAv), vinculado ao Ministério da Cidadania, se uniu ao Instituto Helena Antipoff (IHA), ligado à Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, para ensinar técnicas de animação a pessoas com deficiência intelectual. No início de outubro, cinco alunos do instituto receberam do CTAV uma oficina sobre princípios do gênero audiovisual.

O instrutor do curso, Sérgio Arena, acena que receber estes alunos foi uma experiência nova e enriquecedora. “A oficina também foi inédita para mim, pois já tinha o formato do curso preparado, mas para essa relação com eles eu não tinha. Foi extremamente contagiante, porque eles ficaram muito encantados em entender todo o processo, entender como o movimento se dá, eles ficaram bastante envolvidos e fluiu super bem”, contou Arena.

Para formatar a oficina e adaptá-la às exigências dos alunos, foi preciso que a equipe do CTAv se reunisse com os professores do IHA. “O pessoal do IHA fez a oficina, para que pudessem sentir e pensar de que forma a gente poderia adaptar para os alunos com deficiência. Todo o processo foi feito em conjunto, o que ajudou enormemente”, completou o professor.

No início da oficina, os alunos assistiram a alguns curtas-metragens de animação na sala de cinema do CTAv. Em seguida, Arena mostrou a eles como criar uma animação por meio de desenhos e fotos colocados em sequência e, depois, em movimento. Os alunos fizeram então suas próprias animações, com os instrumentos disponibilizados em sala de aula.

Raissa Baêta, uma das participantes, compôs um pequeno filme em que sua boneca girava sobre um fundo violeta. Apesar do resultado ter impressionado a todos, a técnica é simples: foram feitas várias fotografias da boneca em diferentes posições sucessivas, que foram colocadas em sequência ritmada pelo programa do computador. No fim da oficina, os alunos, seus acompanhantes, os professores e técnicos fizeram uma pequena confraternização para celebrar o encontro.

Transformação e cidadania

Segundo Maria de Lourdes S. Pereira, mãe da participante Monick da Silva Pereira (31), iniciativas deste tipo estimulam a criatividade e ajudam a filha a se expressar melhor, o que foi observado durante e após a oficina. “Ela adorou. Agora ela conta para todos o que aconteceu, e isso é ótimo. Ela fala o que fez, onde foi. Tudo isso é muito gratificante para nós, mães, ver o desenvolvimento deles, ver que o trabalho está dando certo”, destacou.

Professora do IHA, Mônica Muniz de Ruiz acompanhou os alunos durante toda a atividade. Formada em Dança pelo Instituto Angel Vianna, com especialização em Recuperação Motora e Terapia através da Dança e em Fisioterapia, ela leciona para pessoas com deficiência há 22 anos e se encanta com o poder transformar da arte. “A arte transforma pensamentos, faz com que você se sinta mais feliz quando você é capaz de ser ouvido, quando você tem sua expressão valorizada, a arte pode transformar de forma positiva qualquer ser humano. É muito gratificante ver o olhar das famílias quando o aluno se expressa, quando é valorizado e aplaudido. O olhar muda, a família passa a ter autoestima mais positiva, o aluno passa a ter autoestima fortalecida”, contou.

Um dos alunos do IHA que participou do curso oferecido pelo governo federal, Evandro Souza de Nascimento, relatou o quanto é bom aprender coisas novas. “Eu gostei dos movimentos e eu não sabia que, detalhadamente, é trabalho pra caramba”, afirmou. Empolgado com que o aprendeu, Nascimento não descarta a possibilidade de participar de uma produção audiovisual no futuro. “Quem sabe um dia, né, eu possa fazer um filme assim?”, disse, ao final do encontro.

Se depender da equipe do CTAV, não faltarão oportunidades de aprendizado e aprimoramento sobre o universo audiovisual, voltadas a diferentes públicos. Segundo a coordenadora interina do centro, Débora Palmeira, a ideia é seguir fazendo oficinas e ampliar seu alcance.

“Recebemos muitas respostas positivas dos alunos em relação ao conteúdo e a forma como as oficinas são conduzidas. Também já soubemos que alguns jovens que faziam oficinas aqui foram convidados para participar do júri de um festival de curtas aqui no Rio, e eles receberam por isso. Então, é gratificante saber que a capacitação que eles receberam aqui contribuiu para que eles pudessem realizar essa atividade fora”, ressaltou.

Sobre o CTAv

Criado em 1985 a partir de parceria entre a Embrafilme e o National Film Board do Canadá, o CTAv integra, desde 2003, a estrutura da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cidadania. O centro é referência na América Latina em conservação de acervo, sendo responsável pela guarda de mais de 20 mil rolos de película e 4,5 mil arquivos digitais.

O CTAv também presta serviço de mixagem e empréstimo de equipamentos, por meio de chamadas públicas, e de produção e envio de cópias de filmes brasileiros para participar de festivais de cinema nacionais e internacionais. O centro também oferece oficinas e cursos, todos eles gratuitos. A programação pode ser conferida no site do centro, localizado no Rio de Janeiro, em www.ctav.gov.br.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania
Informações para a imprensa:
(61) 2024-2266 / 2412

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil participa de encontro em Acessibilidade Audiovisual

25.10.2018 – 15:15

A Coordenadora de Difusão e Acessibilidade Audiovisual do Ministério da Cultura (MinC), Sylvia Regina Bahiense, participa hoje e amanhã (25 e 26) do 1º Encontro em Acessibilidade Audiovisual do Mercosul em Montevidéu, Uruguai. O encontro é parte do Plano de Acessibilidade Audiovisual da Reunião Especializada de Autoridades Cinematográficas e Audiovisuais do Mercosul (Recam) para pessoas cegas e surdas e tem o objetivo de gerar reflexão e intercâmbio de ideias e boas práticas sobre o tema.

O Encontro ainda integra as atividades do semestre presidido pelo Uruguai no Mercosul e é organizado pelo ICAU Direção de Cinema e Audiovisual Nacional, junto com a Oficina de Gestão Audiovisual da Prefeitura de Montevidéu. A programação do Encontro prevê três mesas redondas compostas por representantes de associações, acadêmicos, funcionários e instituições relacionadas à acessibilidade audiovisual.

Serão abordadas as políticas públicas para o setor e os desafios em relação ao acesso de produtos do audiovisual e à cultura enfrentados por pessoas cegas e surdas.  Um dos pontos altos do programa será a apresentação, na noite desta quinta-feira, do filme uruguaio “Loucura al Aire”, das diretoras Leticia Cuba e Alicia Cano, acessível para portadores de deficiência visual e auditiva. A exibição será na Praça República Espanhola, em frente à sede do Mercosul, aberta ao público.

Outra atração desta quinta é a entrega da premiação do “Concurso de Boas Práticas da Sociedade Civil do Mercosul em Acessibilidade Audiovisual”. As premiações serão entregues para os representantes dos dois projetos vencedores, sendo um deles brasileiro: o Festival Internacional de Cine Surdo da Argentina (FICSor) e o VerOuvindo: Festival de Filmes com Acessibilidade Comunicacional do Recife.

O VerOuvindo é uma mostra competitiva de curtas com audiodescrição e atividades formativas, tais como, oficinas, aulas e debates, com o objetivo de instigar a reflexão sobre a temática. Já o Festival FiCSor é a primeira plataforma de exibição de filmes nacionais e internacionais da Argentina, e a segunda na região sul-americana vinculada à cultura e identidade surda.

Na sexta-feira (26) as atividades terão lugar na Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade da República (UdelaR), com foco em acessibilidade ao patrimônio audiovisual. Na ocasião, também serão exibidos quatro curtas-metragens que tiveram sua versão acessível produzida pela Prefeitura de Montevidéu.

Acesse aqui a programação completa do Encontro.

 

Boas-vindas

Na quarta-feira (23), Sylvia Naves e o Secretário do Audiovisual, Sr. Frederico Maia Mascarenhas, estiveram presentes à XXXI Reunião da Recam, cujo objetivo foi dar as boas-vindas à Presidência pró Tempore do Uruguai à frente do órgão, pelos próximos seis meses.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação / Ministério da Cultura / Com informações da Recam

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Apoio da Lei Rouanet permite reforma de sala de música

25.10.2018 – 10:15

Tombada em 2005 pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) como patrimônio histórico do Rio de Janeiro (RJ), a sala Cecília Meirelles é um dos principais espaços da música clássica da cidade. Entre 2012 e 2015, o edifício passou por ampla reforma, que previu a modernização de todos os espaços. Para tanto, a Associação de Amigos da Sala Cecília Meirelles contou com o apoio da Lei Rouanet, por meio da qual conseguiu captar R$ 20 milhões. Desde sua construção, em 1896, o prédio havia passado apenas por duas grandes reformas, uma em 1939, e outra em 1989, quando um laudo técnico avaliou a necessidade de reforço de toda a estrutura.

Reforma da Sala Cecília Meirelles valorizou a acústica e adequou o espaço para as exigências de segurança. Foto: Divulgação

“Apesar de ter passado por reformas anteriores, a Sala exigia uma revisão em toda a sua estrutura que estava desgastada e certamente ficaria comprometida num futuro próximo. Através das leis de incentivo federal e estadual financiamos cerca de 87% do valor total da obra. A Lei Rouanet foi fundamental para que o BNDES e a Petrobras – maiores patrocinadores da reforma – concretizassem as parcerias que viabilizaram a obra. O Governo do Estado do Rio de Janeiro através de sua Secretaria de Cultural responsabilizou-se pelo restante dos recursos através da compra de material e equipamentos”, afirma João Guilherme Ripper, maestro e diretor da Sala à época da reforma.

O prédio que hoje abriga a Sala teve várias funções. Foi edificado para ser uma confeitaria, o Armazém do Romão, mas logo viria a ser transformado no Hotel do Império, localidade que abrigou hóspedes ilustres, como fazendeiros e políticos da República Velha. Em meados do século passado, despertaria para sua vocação cultural, abrigando o Cine Colonial entre as décadas de 30 e 50. Apenas em 1965, no dia 1º de dezembro, foi inaugurada a Casa Cecília Meirelles, dedicada à música.

A Sala integra o chamado Corredor Cultural do bairro da Lapa, região boêmia do centro da cidade, próximo a outros monumentos históricos como a Fundição Progresso, o Automóvel Club do Brasil e o Lampadário do Largo da Lapa. Dedicado à música de câmara e concertos, e à difusão de todos os estilos musicais, o espaço tem capacidade de 835 lugares. Anexo à Sala Cecília Meireles, o Auditório Guiomar Novaes tem 154 lugares e é utilizado, principalmente, para pequenos recitais e palestras.

De acordo com Nelson Freitas, presidente da Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro (Funarj), responsável pelo espaço, “a sala cumpre um papel único, de formação e informação para o público de música erudita do Rio de Janeiro. A curadoria singular, e vale ressaltar aqui o papel do diretor Miguel Proença, proporciona o acesso do público a jovens concertistas de renome, inclusive internacionais”.

 

Espaço foi adequado para ter mais acessibilidade e comodidade ao público. Foto: Divulgação

Acessibilidade e Acústica 

Nelson Freitas destaca que a acústica da Sala é de altíssima qualidade. Tanto que a Funarj está elaborando projeto, com valor aproximado de R$ 1 milhão, para implantar um sistema de gravação de áudio e vídeo, por meio do Fundo Nacional de Cultura, um dos mecanismos da Lei Rouanet. “A acústica da sala é tão incrível que estamos tentando implantar um sistema de gravação de áudio e vídeo, tanto pela qualidade de seu registro sonoro, quanto visual. Esse é um legado que podemos deixar.”A modernização acústica do ambiente foi o ponto principal da reforma, ao priorizar o uso de materiais e formas que tornassem a Sala a mais adequada possível à escuta musical. Foram retirados os plissados que interferiam no palco e o teto ganhou estruturas de madeira em forma de ondas, para ajudar na amplificação do som. Na avaliação das estruturas propostas, foram feitos diversos testes com músicos da Orquestra Petrobras Sinfônica e com a equipe do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Outro ponto importante da obra foi adaptar as instalações da Sala com itens de acessibilidade. Os três andares ganharam rampas e elevadores e todos os banheiros foram ajustados para cadeirantes. A antiga bomboniére, situada no primeiro andar, e o Café da Sala, transferido para o segundo piso, também foram reformados, para propiciar mais conforto e comodidade ao público.

Foto: Divulgação

Uma das principais marcas do local, o painel modernista que compõe o fundo do palco foi preservado. O foyer recebeu obra do artista plástico Marcos Chaves, que criou uma paisagem montada com fotos do Rio. “Fotografo muito a cidade e criei esta obra especialmente para a Sala, que fica no coração do Rio”, conta o artista.

O prédio anexo à Sala ganhou uma sala multiuso, com o Espaço Guiomar Novaes, com cabine de som e luz, que funciona como auditório para palestras, camarim para orquestras, espaço de ensaio para apresentações, além de também receber recitais de menor porte. A administração da Sala também se encontra neste edifício, que ainda possui uma sala de estudos isolada.

Assim como nas reformas que ocorreram ao longo da história do edifício, a fachada original se manteve preservada, enquanto a fachada lateral, remanescente do Grande Hotel, foi resgatada. Para tanto, um cuidadoso trabalho de restauro ocorreu, para não modificar as características originais do prédio. Um desafio foi a total ausência de registros arquitetônicos da época da construção do edifício.

“Tornamos a Sala mais acessível através da implantação de rampas, pisos táteis e elevadores para portadores de deficiência; ampliamos o hall de entrada que era desproporcional ao número de lugares na plateia; corrigimos alguns parâmetros da acústica – que já era excelente! – tornando a Sala referência em palco para a música de câmara no Brasil”, conclui João Ripper.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação / Ministério da Cultura

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Funarte celebra público que homenageia peças em seus palcos

19.9.2018 – 11:02

No Dia Nacional do Teatro e do Teatro Acessível, celebrado nesta quarta-feira (19), a Fundação Nacional de Artes (Funarte) celebra seu público. Em 2017, 39.648 pessoas foram aos espaços culturais da Funarte em Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. E, até julho deste ano ano, uma plateia de 24 mil assistiu as apresentações em seus palcos. “A presença do público é o mais importante para estimular os eventos e peças”, resume a assessora de Artes Cênicas da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Julia Guedes.

E para facilitar o acesso de um público ainda maior, o governo federal sancionou, em 2017, a criação da efeméride  “Dia Nacional do Teatro Acessível”. A celebração visa incentivar atividades cênicas que ofereçam práticas de acessibilidade física e comunicativa a pessoas com deficiência. A iniciativa surgiu após a campanha Teatro Acessível: Arte, prazer e Direitos, realizada pela ONG Escola de Gente, em 2011. A celebração incentiva atividades cênicas que ofereçam práticas de acessibilidade física e comunicativa a pessoas com deficiência.

Nessa modalidade são incluídos recursos como audiodescrição, atendimento prioritário, reserva de assentos, material em braile, letra ampliada, legendas e até intérpretes de libras. Segundo a criadora da ONG, Cláudia Werneck, a classe artística está mais interessada na acessibilidade e na proposta de liberdade do público em circular por todos os espaços culturais.

“Acessibilidade na cultura é um direito e isso é inegociável. O teatro acessível é livre, porque pratica inclusão, e porque não exclui pessoas por seus modos de ouvir ou não ouvir, enxergar ou não enxergar, andar ou não andar, ter um intelecto que se movimento mais vagarosamente”, pontua Cláudia.

O grupo Os Inclusos e os Sisos, criado em 2003 pela atriz Tatá Werneck, usa mais de 10 tipos de recursos, como língua de sinais desde a fila de entrada, estenotipia, audiodescrição, visita tátil ao cenário, piso tátil, material de comunicação em braile, letra ampliada e formatos digitais em meios físico e online, linguagem simples, além de rampas de acesso e banheiros adaptados. Até mesmo língua de sinais tátil, usada por pessoas surdocegas, é disponibilizado. Mais de 100 mil pessoas de 19 estados já assistiram aos espetáculos do grupo.

 

Teatro

O Ministério da Cultura (MinC)  e suas sete entidades vinculadas vem conduzindo uma série de ações, planos e programas que tratam do tema da acessibilidade, além de buscar que seus próprios equipamentos sejam acessíveis às pessoas com deficiência.

Na unidade da Funarte de São Paulo, há acessibilidade física para cadeirantes no Complexo Cultural e é oferecido cadeira de rodas no Espaço Arena. A unidade da Funarte no Rio de Janeiro, locada no Palácio Capanema, tombado como patrimônio cultural pelo Iphan, está fechada para reformas que devem contemplar pré-requisitos de acessibilidade.  Na unidade da Funarte de BH, há vaga de veículo reservada e sinalizada para cadeirantes, rebaixamento do meio-fio na calçada, o piso é tátil direcional e a bilheteria acessível.

Todos os seis galpões também são adaptados com piso tátil direcional, rampa de acesso à área externa com corrimãos em 2 alturas, banheiros acessíveis e piso tátil. O portal da Funarte www.funarte.gov.br oferece versões acessíveis de vídeos produzidos pelos seus servidores, nos seguintes links: http://www.funarte.gov.br/audio-descricao/http://www.funarte.gov.br/libras/ e http://www.funarte.gov.br/closed-caption/.

Desde 2004, já há legislação que especifica o número de espaços e assentos reservados para pessoas com deficiência em teatros, cinemas, auditórios, estádios, ginásios de esporte, locais de espetáculos e de conferências e similares. O texto determina que 4% dos lugares desses espaços sejam direcionados a pessoas com mobilidade reduzida. Em locais com capacidade acima de mil pessoas, deverão ser garantidos pelo menos 40 espaços.

Além de apresentar a quantidade de lugares por perfil, o texto do Decreto nº 5.296 assegura ainda que 50% dos assentos reservados tenham características dimensionais e estruturais para o uso por pessoa obesa, com a garantia de, no mínimo, um assento. No caso das salas de espetáculo, elas deverão dispor de meios adequados entre as quais estão legenda oculta, audiodescrição, intérprete de Libras e de guias-intérpretes.

 

Grandes talentos

O Dia Nacional do Teatro também é o momento ideal para lembrar e homenagear grandes nomes das artes cênicas. Plínio Marcos, Nelson Rodrigues, Dias Gomes, Ariano Suassuna e Chico Buarque são alguns dos autores mais representativos. O teatro brasileiro celebra talentos de atores e atrizes como Paulo Autran, Bibi Ferreira, Laura Cardoso, Sérgio Britto, Fernanda Montenegro, entre muitos outros.

Segundo a administradora cultural Sharine Melo, da Funarte São Paulo, as salas da instituição contam um pouco da história do teatro brasileiro. “A Sala Guiomar Novaes recebe grande quantidade de grupos jovens, que necessitam de espaço para ensaios e apresentações. Já o Teatro de Arena Eugênio Kusnet foi fundamental para o desenvolvimento da linguagem dramatúrgica nacional. Inúmeros artistas consagrados, como José Renato, Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri, passaram pelo lugar”, recorda.

De 2015 a agosto de 2018, foi captado R$ 1.437 bilhão para eventos relacionados ao teatro pela Lei Rouanet.  Foram 6.465 projetos neste período, sendo mais de R$ 1.108 bilhão destinado a peças de teatro, teatro de bonecos, de formas animadas e teatro musical.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação / Ministério da Cultura

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *