Você está aqui:
MinC divulga organização que vai levar cultura brasileira à Copa

A Brasil Música & Artes foi a organização da sociedade civil (OSC) escolhida pelo Ministério da Cultura (MinC) para levar expressões culturais brasileiras à Rússia durante a Copa do Mundo FIFA 2018, que será realizada de 14 de junho a 15 de julho deste ano. A entidade vencedora ficou com nota 88,50 num total de 100 pontos possíveis no edital de seleção.

A empresa vencedora receberá até R$ 3 milhões do MinC para selecionar e levar para a Rússia atrações em áreas como música e gastronomia.

O objetivo é promover a cultura brasileira no exterior, contribuindo para o intercâmbio e a internacionalização de atividades culturais e de artistas brasileiros. Outra meta é ampliar as oportunidades de inserção de artistas, atividades, bens e serviços culturais brasileiros no mercado internacional, em particular o russo, além de atrair investimentos externos para setores criativos nacionais.

As notas de cada organização participante do edital nos 11 critérios avaliados podem ser conferidas neste link. Das 10 propostas analisadas pela comissão de seleção, quatro foram classificadas e seis, eliminadas. As outras três organizações da sociedade civil classificadas foram: a Associação Raízes da Tradição, em segundo lugar, com nota 83,34; o Instituto Brasileiro de Integração − Cultura, Turismo e Cidadania, em terceiro, com 77,84; e a Associação de Amigos do Balé de Câmara de Barra Mansa, em quarto, com 74,16.

A empresa vencedora tem prazo de 15 dias para apresentar ao Ministério da Cultura (MinC) o plano de trabalho.

Confira o resultado final

Fonte: ASCOM MinC

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MinC assina acordo com Argentina para intercâmbio de artistas

Pablo Avelluto, Sérgio Sá Leitão e Stepan Nercessian assinaram o memorando de entendimento que possibilitará o intercâmbio de artistas entre os dois países (Foto: Ronaldo Caldas/Ascom MinC)

Os Ministérios da Cultura do Brasil e da Argentina vão promover o intercâmbio de artistas entre os dois países. Um memorando de entendimento assinado nesta sexta-feira (9/3) pelos ministros Sérgio Sá Leitão e Pablo Avelluto e pelo presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Stepan Nercessian, prevê o lançamento de editais para programas de intercâmbio de quatro semanas, em atividades de aprimoramento e troca de experiências.

O acordo, assinado na Escola Nacional de Circo, no Rio de Janeiro, estabelece que o intercâmbio poderá beneficiar anualmente até três artistas de cada país, nas áreas de circo, dança, artes visuais, música, teatro e literatura. Neste ano, a ideia é começar pela área de circo. Do lado brasileiro, caberá à Funarte selecionar e enviar os artistas. Na Argentina, a tarefa será desempenhada pela Direção Nacional de Cooperação Internacional do Ministério da Cultura.

“O que nós assinamos aqui tem um sentido simbólico de dar um pontapé inicial em uma importante parceria entre Brasil e Argentina na área da cultura. Uma semente que vai germinar e gerar frutos abundantes para os dois países”, destacou o ministro Sérgio Sá Leitão.

Segundo Sá Leitão, após a definição do orçamento disponível para o intercâmbio, será lançada chamada pública no Brasil e na Argentina para a seleção dos artistas. “Minha expectativa é que possamos concluir o processo até o fim do ano. Queremos chegar ao Micsul (Mercado de Indústrias Culturais do Sul), cuja terceira edição será realizada este ano no Brasil, em novembro, já com tudo definido”, informou.

O ministro da Cultura argentino também destacou a importância da parceria entre os dois países. “Este é um primeiro passo. O que queremos é que nossas políticas culturais sigam em paralelo e que possamos nos integrar cada vez mais. Temos uma dívida com a integração de nossos planos culturais”, afirmou Avelluto.

“É muito bom ver que estamos juntando quem nunca deveria andar separado. Temos muitas afinidades. Tenho certeza de que temos um belo caminho a seguir, que será favorável para o povo, os artistas e os intelectuais brasileiros e argentinos”, destacou o presidente da Funarte, Stepan Nercessian.

A assinatura do memorando de entendimento faz parte de visita oficial de Avelluto ao Rio, acertada durante reunião bilateral realizada em dezembro de 2017, em Buenos Aires. O ministro argentino também visitou a Biblioteca Nacional, instituição vinculada ao MinC, e os museus do Amanhã e de Arte do Rio (MAR). O ministro argentino conheceu de perto experiências exitosas na gestão privada de museus, com ênfase em aspectos como o arcabouço jurídico, a sustentabilidade financeira, as parcerias institucionais e as estratégias de programação e de atração de público.

Em almoço, Sá Leitão e Avelutto trataram também de outros temas da área cultural, como direitos autorais e estruturação dos respectivos Ministérios da Cultura.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Programa Ibermedia abre inscrições para convocatória 2018

O Programa Ibermedia, dedicado ao incentivo à coprodução de filmes de ficção e documentários realizados na comunidade ibero-americana, está com inscrições abertas para solicitações de apoio ao desenvolvimento de projetos de cinema e tevê e à coprodução de filmes ibero-americanos. O prazo para envio de propostas vai até o dia 23 de abril e o processo deve ser realizado por meio do sistema de gestão de convocatórias Ibermedia.

Desenvolvimento de Projetos de Cinema e Televisão

Os projetos inscritos podem ser de ficção, documentário, animação, produções criativas que utilizem novas tecnologias, produções baseadas em material de arquivo ou séries de TV. Os projetos com destinação para as salas de cinema devem ter no mínimo 60 minutos. Projetos voltados para a televisão ou para exploração em plataformas digitais devem ter duração mínima de 24 minutos, no caso de animações; 90 minutos, no caso de projetos de ficção; e 50 minutos, caso seja um projeto documental.

Além das fases de elaboração de roteiro, storyboard, captação de recursos e elaboração dos planos de financiamento e comercialização, os projetos devem prever, também, no caso de animações, pesquisa de referências e realização de um piloto, e a pesquisa de arquivos, caso trate-se de uma produção elaborada para valorizar o patrimônio audiovisual.

Cada proposta de Desenvolvimento de Projetos de Cinema e Televisão selecionada poderá receber até 15 mil dólares, desde que pelo menos 50% do orçamento do desenvolvimento do projeto já esteja garantido.

Para mais informações, acesse o regulamento da linha Desenvolvimento de Projetos de Cinema e Televisão.

Apoio à Coprodução de Filmes Ibero-Americanos

O apoio à coprodução de filmes ibero-americanos pode ser solicitado por empresas independentes de produção cinematográfica, originárias de um mínimo de dois países-membros do Ibermedia. São elegíveis os projetos de filmes de longa-metragem de ficção, de animação e documentário com uma duração mínima de 70 minutos destinados à exploração comercial. Os projetos devem apresentar cooperação artística e técnica dos países-membros do fundo envolvidos.

Para longas de ficção e animação, o valor do empréstimo concedido poderá ser de até 150 mil dólares. Já os documentários podem receber até 100 mil dólares. Projetos que envolvam países integrantes do grupo 3 da CACI (Bolívia, Costa Rica, Cuba, Equador, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Paraguai, República Dominicana e Uruguai) poderão ter acesso a um apoio adicional de distribuição, para tornar a estreia e a exibição em seu país mais efetivas, de acordo com termos específicos do regulamento.

Consulte a íntegra do regulamento da Linha de Apoio à Coprodução de Filmes Ibero-Americanos.

Saiba mais sobre o Programa Ibermedia

O Fundo Ibero-americano de apoio Ibermedia, criado em 1996 e ratificado por 21 países (Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Chile, Equador, Espanha, Guatemala, Itália, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Porto Rico, República Dominicana, Uruguai e Venezuela), estimula a promoção e a distribuição de filmes ibero-americanos. A missão do Programa Ibermedia é trabalhar para a criação de um espaço audiovisual ibero-americano, por meio de apoios financeiros e concursos abertos a todos os produtores de cinema independentes dos países-membros da América Latina, Espanha e Portugal.

O Ibermedia faz parte da política audiovisual da Conferência de Autoridades Cinematográficas Ibero-americanas (CACI), organismo internacional cujo objetivo é o desenvolvimento da cinematografia dentro do espaço audiovisual dos países ibero-americanos e a integração por meio de uma participação equitativa desses países na atividade cinematográfica regional. Além do Ibermedia, a CACI também mantém, entre seus programas, o Ibermedia TV, o DocTV LatinoAmérica e o Observatório Ibero-Americano do Audiovisual.

Clique aqui para acessar o site do Programa Ibermedia. Em caso de problemas técnicos no ato da inscrição, entre em contato com a Unidade Técnica do Programa pelo e-mail info@programaibermedia.com. Para esclarecimento de dúvidas ou pedido de informações adicionais sobre o envio de solicitações de apoio, entre em contato com a Coordenação de Programas Internacionais de Cooperação e Intercâmbio da Agência Nacional do Cinema (Ancine) pelo e-mail programa.ibermedia@ancine.gov.br.

Fonte: Ancine

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MinC participa da 16ª Bienal de Arquitetura de Veneza

Com inauguração em maio de 2018, a participação oficial do Brasil na 16ª Mostra Internacional de Arquitetura – Bienal de Veneza terá curadoria dos arquitetos Gabriel Kozlowski, Laura González Fierro, Marcelo Maia Rosa e Sol Camacho. Selecionado pela Fundação Bienal de São Paulo, o coletivo irá apresentar Muros de Ar, exposição que explora a questão da transposição de fronteiras materiais e imateriais do Brasil e de sua arquitetura.

Da esquerda para a direita, Marcelo Maia Rosa, Laura Gonzalez Fierro, Sol Camacho e Gabriel Kozlowski, curadores da representação brasileira na 16ª Mostra Internacional de Arquitetura – Bienal de Veneza (Foto: Pedro Ivo Trasferetti – Fundação Bienal de São Paulo)

“O tema coloca o muro como um elemento da arquitetura, da cultura e da identidade brasileira e vê no ato de sua transposição um convite ao convívio e à multiplicidade cultural”, explicam os arquitetos curadores. “Desse modo, posiciona-se contrária à homogeneização, intolerância e extremismo provenientes do isolamento e reclusão. É uma proposta que celebra o coabitar e não somente o coexistir”. A mostra, que irá ocupar o pavilhão do Brasil, é uma resposta à curadoria geral da 16ª Bienal de Arquitetura, que nesta edição propõe, sob o título Freespace, uma reflexão sobre a essência espacial da arquitetura e a sua potencialidade de mediar, pela fruição do espaço vazio, a relação entre as pessoas e os edifícios.

Por meio de uma pesquisa coletiva, Muros de Ar se propõe a tornar visível as formas de separação espacial e conceitual resultantes dos processos de urbanização do país. Além de questionar as diferentes formas de muros que constroem, em diversas escalas, o território brasileiro, a proposta pretende repensar as fronteiras da própria arquitetura em relação a outras disciplinas.

O pavilhão apresentará a proposta curatorial Muros de Ar por meio de duas frentes expográficas. A primeira consiste de uma pesquisa realizada em parceria com um grupo de colaboradores e instituições que irá gerar novo conteúdo a ser representado por meio de desenhos cartográficos. A segunda refere-se a uma chamada de projetos aberta aos arquitetos do país, mecanismo inédito no pavilhão brasileiro. O chamamento será anunciado nas ultimas semanas de dezembro.

“Ao selecionar a proposta Muros de Ar para representar o país na Bienal de Arquitetura de Veneza, a Fundação Bienal de São Paulo rearticula, em âmbito internacional, alguns dos debates mais atuais da arquitetura brasileira, e reafirma seu compromisso com o intercâmbio e a promoção cultural do Brasil”, diz o presidente da fundação, João Carlos de Figueiredo Ferraz.

Desde 1995, a organização das representações oficiais do Brasil nas bienais de Arte e Arquitetura de Veneza é uma atribuição conjunta dos Ministérios da Cultura e das Relações Exteriores – responsáveis pela promoção e difusão da cultura brasileira nos âmbitos nacional e internacional, e da Fundação Bienal de São Paulo – responsável pela escolha dos curadores e a produção das mostras.

Sobre os curadores da participação oficial do Brasil na 16ª Mostra Internacional de Arquitetura – Bienal de Veneza:

Gabriel Kozlowski é arquiteto, formado pela PUC-Rio (2011) e mestre em Urbanismo pelo MIT (2015). Atualmente leciona como Teaching Fellow no Departamento de Arquitetura do MIT e trabalha como pesquisador associado no Leventhal Center for Advanced Urbanism. Anteriormente, foi líder de projeto no SENSEable City Lab; pesquisador para o pavilhão dos EUA na 14ª Bienal de Veneza; e co-fundador do coletivo ENTRE. Recebeu entre outros reconhecimentos o Department of Architecture Graduate Fellowship no MIT (2013), o prêmio de melhor tese de mestrado pela mesma Universidade (2015), o MIT-Brazil TVML Seed Fund (2016), e foi selecionado para o Buckminster Fuller Institute’s Catalyst Program (2017).

Laura González Fierro é arquiteta pela Universidade Iberoamericana da Cidade do México (2002) e mestre em arquitetura pela Universidade de Columbia GSAPP (2008). Em 2010, fundou +ADD, atuando em Cidade do México, São Paulo e Nova York nas áreas de projetos de arquitetura, urbanismo, design e consultoria. Seu trabalho foi publicado pela Braun Publishing, LEAF Review, PIN-UP entre outros. Paralelamente à prática fundou o LED [Laboratório Experimental a Distância], uma plataforma dedicada a pesquisa multidisciplinar sobre o ambiente construído e as dinâmicas urbanas.

Marcelo Maia Rosa é arquiteto e sócio do Andrade Morettin Arquitetos Associados (2007), escritório vencedor do concurso para nova sede do IMPA-RJ (2015), onde coordenou o projeto do novo museu do Instituto Moreira Salles (2017), em São Paulo. Marcelo é graduado em arquitetura e urbanismo pela Universidade Mackenzie em São Paulo e TU/e em Eindhoven (2005) – com cursos complementares pela Université Paris Sorbonne (2012) – e pós graduado pela Escola da Cidade (2017), onde atualmente é professor. Foi curador em 2015 do Global Shapers Community Hub São Paulo, iniciativa do World Economic Forum.

Sol Camacho é arquiteta pela Universidade Iberoamericana da Cidade do México e Paris Val de Seine (2004) e mestre em arquitetura e urbanismo pela Universidade de Harvard (2008). Fundou o escritório RADDAR em São Paulo (2011). Recebeu o Premio Lafarge Holcim Awards (2017) pelo projeto PIPA – Conjunto cultural e comercial em Paraisopolis onde tem uma sede do RADDAR desenvolvendo pesquisa sobre o entorno. Entre outros reconhecimentos, Sol foi candidata ao Rolex Mentor and Protégé Arts Initiative (2016) e ganhou duas vezes a bolsa de Pesquisa FONCA (2012, 2014). Atualmente, Sol é diretora Cultural do Instituto Bardi / Casa de Vidro.

Pavilhão do Brasil na 16ª Mostra Internacional de Arquitetura – Bienal de Veneza

Comissário: João Carlos de Figueiredo Ferraz, presidente da Fundação Bienal de São Paulo
Curadoria: Gabriel Kozlowski, Laura González Fierro, Marcelo Maia Rosa e Sol Camacho
Título da exposição: Muros de Ar
Local: Pavilhão do Brasil
Endereço: Giardini Castello, Padiglione Brasile, 30122 Veneza, Itália
Data: 26 de maio a 25 de novembro de 2018

Fonte: ASCOM MinC
Com informações da Fundação Bienal de São Paulo

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ancine apoia participação brasileira em festivais no exterior
Durante o mês de novembro, a Agência Nacional do Cinema (Ancine), instituição vinculada ao Ministério da Cultura, apoiará a participação de 12 obras audiovisuais brasileiras em oito festivais internacionais. A ajuda vem do Programa de Apoio à Participação Brasileira em Festivais, Laboratórios e Workshops Internacionais.
A coprodução Brasil-Canadá-Austrália “Man proposes, god disposes”, de Daniel Leo, abre as participações dos filmes apoiados pela Ancine. O longa-metragem participa da competição internacional de novos realizadores do Festival Internacional Mannheim-Heidelberg, evento que ocorre entre os dias 9 e 19, em Mannheim, na Alemanha. De 10 a 18 de novembro, está sendo realizada na Espanha a 43ª edição do Festival de Cinema Ibero-Americano de Huelva. O festival recebe o curta “O espírito do bosque”, de Carla Saavedra, com o apoio do Programa da Ancine. 
IDFA – Festival Internacional de Documentários de Amsterdã ocorre de 15 a 26 de novembro, na Holanda, e é o evento do mês com maior número de participantes brasileiros apoiados pela agência. “Piripkura”, de Renata Terra, Bruno Jorge e Mariana Oliva, aparece na Competição Primeira Obra; “Boca de fogo”, de Luciano Pérez Fernández, participa da Competição de Curtas Documentários; a coprodução Brasil-Cuba “Soy” será exibida pela Competição de Documentários Estudantis; a coprodução França-Brasil “Híbridos, Os Espíritos do Brasil”, de Vincent Moon e Priscilla Telmon, entra para a competição de Documentários Musicais; e, de Heloisa Azevedo Passos, “Construindo pontes” participa da programação do festival na mostra Panorama.
Na Competição Internacional do Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, na Argentina, será exibida o longa “Invisible”, de Pablo Giorgelli. O evento, que chega a sua 32ª edição, acontece entre os dias 17 e 26 de novembro. O Black Nights Film Festival será realizado de 17 de novembro a 3 de dezembro, em Tallinn, na Estônia, e recebe “Bingo: o rei das manhãs” na competição de primeiros filmes. Já em Turim, na Itália, será realizado de 21 a 26 de novembro o Torino Film Lab, que conta com a presença do projeto “Medusa”, de Anita Rocha da Silveira.
A 39ª edição do Festival dos 3 Continentes está marcada para os dias 21 e 28 de novembro, em Nantes, na França, e recebe em sua mostra não competitiva o longa “As boas maneiras”, de Marco Dutra e Juliana Rojas. Fechando o ciclo de participações apoiadas pela Ancine em eventos internacionais durante o mês de novembro, “Corpo elétrico”, de Marcelo Caetano, será exibido na competição internacional de longas do Festival Internacional de Cinema de Belfort, entre 25 de novembro e 3 de dezembro, também na França.
Fonte: Ancine

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Será realizado em São Paulo maior evento de economia criativa da América do Sul
O Ministério da Cultura (MinC) lança, nesta quarta-feira (25), um portal dedicado ao maior evento multissetorial da economia criativa da América do Sul: o Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul). Nele, é possível encontrar notícias, editais, informações sobre o evento e sobre os países participantes em português, espanhol e inglês. 
Aberto ao público, o evento, que será realizado de 23 a 27 de abril, em São Paulo, busca gerar negócios e investimentos, capacitar empreendedores culturais e internacionalizar bens e serviços culturais. Em 2018, o Micsul vai reunir atores de dez setores da economia criativa: artes cênicas (circo, dança e teatro), audiovisual, animação e jogos eletrônicos, design, música, museus e patrimônio, artes visuais, moda, editorial e gastronomia.
O Ministério da Cultura irá selecionar empreendedores culturais para participar do evento. O edital e todas as informações serão publicadas em breve no portal do MinC.
Histórico
Entre 15 e 18 de maio de 2014, a cidade de Mar del Plata, na Argentina, sediou o primeiro Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsur). Criado com objetivo de promover intercâmbio de conhecimento, produtos e serviços culturais e criativos, o evento reuniu dez países da América do Sul: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.
Os resultados foram positivos e envolveram 800 compradores e vendedores da América do Sul e 80 compradores internacionais de Espanha, Japão, Finlândia, Reino Unido, Estados Unidos e China. Além disso, houve 9 mil rodadas de negócios, 30 apresentações ao vivo, 50 conferências e debates setoriais, oito reuniões institucionais de organismos culturais da América Latina e um desfile de moda. O Brasil levou delegação com 199 empreendedores, sendo 112 deles com algum tipo de apoio do governo.
Entre 17 e 20 de outubro de 2016, foi a vez de Bogotá, na Colômbia, sediar o evento. Ao longo dos três dias, foram 100 horas de programação entre showcases de música, teatro, dança e encontros acadêmicos. Além disso, o Micsul reuniu ainda 500 compradores e vendedores da América do Sul, 60 compradores internacionais da Espanha, Japão, Finlândia, Reino Unido, Estados Unidos e China. Entre os resultados, constam ainda 3,5 mil rodadas de negócios.
Texto e Fonte: Assessoria de Comunicação/Ministério da Cultura

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *