Você está aqui:
Secretaria Especial da Cultura entrega premiações do Edital Funarte de Apoio a Bandas de Música

Evento marca início das entregas de instrumentos do concurso do Projeto Bandas de Música, realizado pela Funarte

A Secretaria Especial da Cultura e a Fundação Nacional de Artes – Funarte, vinculadas ao Ministério do Turismo, realizaram neste 30 de abril um evento de entrega de instrumentos musicais aos contemplados com o Edital Prêmio Funarte de Apoio a Bandas de Música 2020. Na ação, que contempla bandas de música de 22 unidades federativas de todas as cinco regiões do Brasil, foi realizado um investimento de mais de R$ 5 milhões pelo Governo Federal.

O Secretário Especial da Cultura, Mario Frias, realizou a entrega simbólica dos instrumentos de sopro, no Complexo Cultural Funarte – Brasília, no Setor de Divulgação Cultural do Eixo Monumental. O Presidente da Funarte, Tamoio Marcondes, foi representado pelo Coordenador da Funarte Brasília, Diogo Brandão. Na cerimônia, somente as bandas contempladas do Distrito Federal receberam a premiação. Foi realizada uma apresentação da Banda Sinfônica de Sobradinho.

O secretário Mario Frias parabenizou os músicos contemplados e frisou a importância da presença cada vez maior de investimentos como os realizados no edital, para atender a pessoas que não teriam recursos para adquirir tais instrumentos. “Gostaria de agradecer ao nosso Presidente da República Jair Bolsonaro pela a oportunidade de estar servindo ao meu País. Para mim é importância muito grande estar hoje na Funarte fazendo a entrega desses instrumentos e o que eles vão significar na vida das pessoas. Parabenizo a todos os músicos envolvidos neste projeto, parabéns pela vitória de vocês, que esses instrumentos possam ampliar ainda mais essa oportunidade maravilhosa que nos dão de formar essa orquestra. É muito gratificante fazer essa entrega do Edital Prêmio Funarte de Apoio a Banda de Música”, declarou o secretário. “Quero parabenizar o Ministério do Turismo na pessoa do Ministro Gilson Machado, meu amigo, parabenizo a Secretaria Especial da Cultura e a todos os Secretários aqui presentes”, acrescentou.

No Prêmio Funarte de Apoio a Bandas de Música 2020, foram contemplados 373 projetos de bandas. Elas receberão, no total, 790 instrumentos de sopro.

O evento de premiação  contou com a presença de outras autoridades da Secult, como o Chefe de Gabinete da Secretaria Especial da Cultura, Gustavo Silveira; o Secretário de Economia Criativa e Diversidade Cultural, Aldo Valentim; o Secretário de Fomento e Incentivo à Cultura, André Porciúncula.

Foram premiadas mais propostas do que o estabelecido — as que tiveram menor pontuação receberam menos instrumentos e as que tiveram maior pontuação receberam os cinco previsto no edital. Os estados de origem das bandas premiadas são: Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins. O edital é realizado por meio do Centro da Música da Funarte. A ação integra o Projeto Bandas de Música.

Da esq. para dir.: o Coordenador da Funarte Brasília, Diogo Brandão; Secretário Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura, André Porciúncula; Secretário Especial da Cultura, Mario Frias; Chefe de Gabinete da Secretaria Especial da Cultura, Gustavo Silveira; e Secretário Nacional de Economia Criativa e Diversidade Cultural, Aldo Valentim: Foto: Funarte Brasília

Na cerimônia, o coordenador da Funarte Brasília, Diogo Brandão também reforçou o papel que tem o Prêmio no incentivo ainda maior da atividade cultural no País: “É com grande satisfação e orgulho que estamos aqui hoje para celebrar a entrega do Prêmio Funarte de Apoio a Bandas de Música. Eu, Diogo Brandão, em nome do presidente da Funarte, Dr. Tamoio Marcondes, dos diretores dos demais centros, dos servidores e colaboradores e, em especial, do Sr. Bernardo Guerra Duarte, Diretor do Centro de Música desta Fundação, agradeço a presença de todos que vieram prestigiar conosco as bandas premiadas. Este prêmio fomenta ainda mais a importância da cultura para nosso país. Nos dá orgulho e vontade de fazer cada vez mais pela cultura do nosso Brasil. Saúdo e agradeço a todos os artistas inscritos e parabenizo os contemplados”, disse Diogo Brandão, em seu discurso.

As bandas contempladas do Distrito Federal que receberam o material no evento foram: a Banda Sinfônica de Sobradinho e a Banda de Música Musicando no Cerrado. No total, foram entregues seis instrumentos.

Seleção
As propostas inscritas foram selecionadas em três etapas: habilitação dos projetos; avaliação da comissão de seleção; e análise documental. A comissão foi composta por sete membros, com conhecida atuação na área da música.

Entrega
Cada órgão estadual decidirá a melhor maneira de realizar as entregas do instrumental, conforme as medidas relacionadas à pandemia de covid 19 de cada estado. Os contemplados que cumpriram todas as exigências documentais devem aguardar contato para o recebimento do material.

Recursos
Os recursos para a realização do Edital Prêmio Funarte de Apoio a Bandas de Música 2020 são oriundos da Lei Orçamentária Anual (LOA) e do Fundo Nacional de Cultura (FNC) e são designados como “Promoção e Fomento à Cultura Brasileira”.

Mais informações sobre o edital aqui

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Festival on-line Fenapi, de ‘Arte para as Infâncias’, abre chamada para todo o país

Projetos podem ser enviados até 30 de abril

O segundo Festival Nacional de Arte para as Infâncias (Fenapi) está com chamada pública para projetos aberta até dia 30 de abril. A próxima edição terá no formato on-line, em razão da pandemia. São aceitas propostas de artistas brasileiros, nas áreas de música, circo, dança, performance, teatro e artes visuais, adaptadas ou criadas para o ambiente digital. A iniciativa foi concebida e é realizada pela Insensata Cia. de Teatro, de Belo Horizonte (MG).

“Nos últimos seminários que realizamos junto à Insensata Cia. de Teatro, tivemos o privilégio de contar com artistas/pesquisadores dedicados às artes visuais, circo, dança, música e teatro, sendo um representante de cada região do país. Foi muito interessante perceber a riqueza e diversidade existente nas produções artísticas para e com as infâncias em âmbito nacional. Este chamamento para a segunda edição só reforça isso. Neste contexto digital então, as possibilidades de criação foram ainda mais ampliadas. Vamos ter trabalhos conosco que, provavelmente, não seriam possíveis em uma edição presencial”, explica Keu Freire, idealizador do evento.

Além de espetáculos, a programação vai incluir oficinas, seminário, palestras e um painel crítico, que vai reunir textos reflexivos sobre as obras apresentadas. Toda programação será transmitida com acesso gratuito, pelos canais da Insensata Cia. de Teatro, no Facebook, no Instagram e no YouTube.

Inscrição e seleção

As inscrições para a chamada devem ser realizadas por meio de formulário on-line, da “bio” do perfil do evento no Instagram, disponíveis nos links abaixo. Devem ser enviados vídeos dos trabalhos artísticos, estruturados a critério de cada cada artista, produtor ou grupo. Estes podem inscrever mais de uma obra, desde que em formulários separados, como pessoa jurídica, inclusive Microempreendedor Individual (MEI).

Serão selecionadas até três do interior de Minas Gerais; três de Belo Horizonte e Região Metropolitana; e três de qualquer outro estado do Brasil. De preferência, as obras deverão ser inéditas na Capital Mineira. Entre os critérios de escolha dos projetos artísticos, serão considerados: a experiência estética; a valorização crítica da criança; e o diálogo com o contexto de pandemia.

Festival Nacional de Arte para as Infâncias (Fenapi)

2ª edição

Chamada pública para artistas de todo país

Inscrições até dia 30 de abril, sexta-feira
Link de inscrições na chamada pública aqui e na “bio” do perfil do evento no Instagram

Idealização e realização: Insensata Cia. de Teatro (MG)

Programação realizada por meio da Lei Aldir Blanc
Secretaria Especial da Cultura | Ministério do Turismo | Governo Federal/Governo do Estado de Minas Gerais

Fonte- Funarte Com informações da Funarte MG

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Teatro Dulcina é palco das gravações de ‘O Velho da Horta’ e ‘Édipo Unplugged’

A exibição on-line das apresentações teatrais contribuem para o alcance das metas 24 e 25 do PNC.

A Fundação Nacional de Artes – Funarte vem abrindo seus espaços cênicos para gravações de espetáculos. O objetivo é incentivar o trabalho de companhias, diante dos desafios que elas têm enfrentado com a pandemia de covid 19. Vários desses grupos têm encontrado na modalidade virtual uma alternativa para que seus espetáculos cheguem ao público.

O Teatro Dulcina, espaço da Funarte no Centro do Rio de Janeiro, recebeu, em março, os espetáculos teatrais O Velho da Horta, da Cia. PeQuod, e Édipo Unplugged,  encenado pela Cia. F. Privilegiados. Os projetos foram beneficiados pela Lei Aldir Blanc (Secretaria Especial da Cultura – Governo Federal). As montagens estarão disponíveis on-line.

O espetáculo infanto-juvenil O Velho da Horta estreou em 2002 para celebrar os 500 anos da obra do autor português Gil Vicente. Com direção de Miguel Vellinho, a montagem utiliza a técnica de manipulação direta de bonecos e, em 2003, recebeu o Prêmio Maria Clara Machado na categoria Teatro de Animação. Escrita em 1512, a peça é considerada uma das principais farsas vicentinas, destacando-se pela crítica social e pelo humor.

A montagem fica disponível online, gratuitamente, de 20 a 28 de março na Plataforma Sympla. As sessões ocorrem aos sábados e domingos, sempre às 16h.

Nos dias 13 e 14 de março, sábado e domingo, foram realizadas as gravações do espetáculo Édipo Unplugged, encenado pela Cia. F. Privilegiados, com direção de João Fonseca e Paula Sandroni. As datas das transmissões serão divulgadas em breve no Portal www.funarte.gov.br.

As gravações de espetáculos em espaços da Funarte são realizadas por meio da Coordenação de Teatro do Centro de Artes Cênicas da Fundação.

Espetáculo teatral infanto-juvenil

O Velho da Horta

De 20 a 28 de março | Sábados e domingos, às 16h

Com a Cia. PeQuod
Texto: Gil Vicente. Direção: Miguel Vellinho

Acesso e reserva de ingressos pelo site: sympla.com.br/ovelhodahorta.
Acesso gratuito

Reportagem: Sharine Melo
Supervisão: Marcelo Mavignier

Com informações da Coordenação de Teatro e Ópera (Coteatro) | Ceacen
Funarte

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira as novas atrações on-line do Programa Arte de Toda Gente

As atrações on-line do Programa Arte de Toda Gente contribui para o alcance das metas 24 e 25 do PNC

Parceria com orquestra de violões e Oficina de Contrabaixo são alguns dos destaques

A Fundação Nacional de Artes – Funarte e a Universidade Federal do Rio de Janeiro apresentam, na semana de 15 a 19 de março de 2021, alguns destaques da agenda do Arte de Toda Gente, realizado em parceria entre as duas instituições. Ligados a várias linguagens artísticas, os cursos e outras atividades do programa são exibidos em vídeos, no canal youtube.com/artedetodagente e nos sites dos três projetos que integram a iniciativa. O acesso é gratuito. O Arte de Toda Gente conta com a curadoria da Escola de Música da UFRJ. Confira as atrações:

Bossa Criativa – Arte de Toda Gente

Na segunda-feira, dia 15 de março, foi ao ar pelo Bossa Criativa o terceiro dos dez módulos da Oficina de Empreendedorismo em Música, com o músico e professor Eduardo Pereira. Desta vez, o tema é Perspectivas da Administração. Nos vídeos são abordados conceitos, técnicas, conteúdos e ferramentas de auxílio para a gestão da carreira musical. A oficina também mostra os caminhos para a definição de um modelo de negócio, para atuação como pessoa física ou jurídica. Novos vídeos são postados semanalmente.

Na terça-feira, dia 16, às 10h, foram publicadas as nonas aulas dos três módulos da Série Casa do Choro. Na oficina 8 com, Mauricio Carrilho fala sobre o choro Vai ou fica?. Na oficina Furiosa Portátil, é também Mauricio quem comenta sobre o choro Canto do Rio. Já na oficina Princípios do Choro, sobre diversos gêneros, Pedro Aragão aborda a valsa.

Na sexta-feira, dia 19, será lançada a parceria do Bossa Criativa com a Orquestra de Violões do Forte Copacabana. Serão três vídeos, disponibilizados em três sextas-feiras seguidas. O dois primeiros vídeos abordam o afro funk Brasil, gênero musical que deu fama à dupla baiana Antonio Carlos e Jocafi. Os vídeos contam com a participação dos dois, que interpretam algumas de suas músicas em conjunto com a Orquestra, em animados videoclipes. Alguns depoimentos também situam e explicam o afro funk Brasil, entremeados com trechos das canções da dupla. O terceiro vídeo é uma homenagem ao guitarrista, bandolinista, compositor e arranjador Armandinho Macêdo, o criador da guitarra baiana.

Projeto Um Novo Olhar (UNO)

Na segunda-feira, às 10h, foram liberadas os vídeos 5 e 6 da oficina Elaboração de projetos e o uso das leis de incentivo pelo olhar do prestador de contas, com Anacris Monteiro. O vídeo 7 será liberada na quinta, dia 18, no mesmo horário. Na série, Anacris dá dicas valiosas de como formatar e administrar recursos incentivados e conveniados. Os vídeos contam com tradução para libras.

Sistema Nacional de Orquestras Sociais (Sinos)

Já está no ar o vídeo Highlights Fimuca – Melhores Candidatos, que traz um compilado de depoimentos dos 13 candidatos oriundos de projetos sociais do Concurso Sinos Fimuca de Jovens Solistas. Estão no vídeo: Vanniellyson Vilker, trompista, interpretando España For Solo Horn, de V. Bujanovsky; Paulo Felix interpreta ao saxofone Capricho em forma de valsa, de Paul Boneau; Isadora Ferreira, pianista, executa o Ètude Op. 10 No. 4, de Frédéric Chopin; o violoncelista Caio Godoy nos mostra o Concerto N°1 para violoncelo, de Camille Saint Saëns; Paulo Eduardo, ao saxofone, toca Urdimbre, de Rolando Budini; Alana Lana, trompetista, interpreta Intrada. de Arthur Honegger; com sua clarineta, Lucas Ferreira dos Santos nos mostra Pequena Peça Brasileira, de Murillo Santos; Jean Lopes interpreta, ao violão, a Suite Summer Garden, mov. 17 – Remembrance, de Sérgio Assad; Henrique Peixoto Rabelo, pianista, toca a Sonata Op. 2 no 3, 1o mov., de Ludwig van Beethoven; o oboísta Marcelo Vilarta nos apresenta Morceau de Salon, de Johan Kalliwoda; Pedro Henrique Caetano interpreta, ao violão, a Fantasia SulAmérica, de Claudio Santoro; Pedro Henrique Bayer, oboísta, executa o Concerto em Do maior, de W. A. Mozart; e a cantora Maria Flávia Greggio Gattás interpreta Coração Triste, de Alberto Nepomuceno.

Na terça-feira, dia 16, às 10h, foi ao ar a primeira aula da Oficina de Contrabaixo, com Rodrigo Favaro, parte do Curso Pedagogia das Cordas, destinado a professores. O instrutor é solista de contrabaixo da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), membro da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (OSUFRJ) e da orquestra de câmara Johann Sebastian Rio. Bacharel em Contrabaixo pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), ele concluiu duplo mestrado em performance musical com especialização em Repertórios Orquestral e Solista na Haute École de Musique de Genève (Genebra – Suíça), em 2006.

Programa Arte de Toda Gente

Projetos Bossa Criativa, Um Novo Olhar e Sistema Nacional de Orquestras Sociais

Realização
Fundação Nacional de Artes – Funarte | Secretaria Especial da Cultura – Ministério do Turismo
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Curadoria: Escola de Música da UFRJ

Acesse os vídeos no canal do programa: youtube.com/artedetodagente

Leia mais sobre os projetos que compõem a iniciativa, nos sites:

Fonte – Funarte

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Projetos sobre o Patrimônio Cultural terão prioridade na captação de recursos via lei de incentivo fiscal

A priorização das propostas culturais de patrimônio material e imaterial se relacionam com as metas 04, 24 e 25 do PNC.

A previsão foi publicada em Portaria da Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo.

Marabaixo (AP) – Cortejo e Benção da Murta Seafro – Foto: Eduardo Costa

Projetos que visam ao Patrimônio Cultural material e imaterial terão prioridade na captação de recursos via lei de incentivo fiscal, conforme a Portaria nº 24 da Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo. Publicada em dezembro de 2020, a portaria também prioriza propostas referentes à atividade museológica, ações plurianuais e conservação de acervos. O objetivo principal da portaria é instituir metas de análise de propostas culturais.

A portaria trata dos incentivos previstos no Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), instituído pela Lei nº 7.505/1991, tendo como um de seus objetivos a preservação do Patrimônio Cultural. Pela lei, são passíveis de incentivo, projetos que têm como escopo a “construção, formação, organização, manutenção, ampliação e equipamento de museus, bibliotecas, arquivos e outras organizações culturais, bem como coleções e acervos”.

“Priorizar as propostas culturais de patrimônio material e imaterial é uma forma de atendermos à urgência que esse tipo de ação cultural requer”, explicou o secretário Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura da Secretaria Especial de Cultura, André Porciúncula.

Ainda no âmbito do Pronac, estão previstas a conservação e a restauração de “prédios, monumentos, logradouros, sítios e demais espaços, inclusive naturais, tombados pelos Poderes Públicos”. Isso inclui bens tombados pelo Iphan em todo o Brasil, como edificações, centros históricos das cidades e, ainda, bens reconhecidos como Patrimônio Mundial, tal qual o Parque Nacional da Serra da Capivara (PI) e o Parque Nacional do Iguaçu (PR). Atualmente, há 1.266 bens de natureza material tombados pelo Iphan, além de outros 591 bens valorados no âmbito do Patrimônio Ferroviário.

Outro objetivo do incentivo a projetos culturais é a proteção do “folclore, do artesanato e das tradições populares nacionais”. Nesse campo, estão incluídos os 48 bens registrados como Patrimônio Cultural, desde ofícios como o das Baianas do Acarajé e dos Mestres de Capoeira, às celebrações, como a Festa do Senhor Bom Jesus do Bonfim (BA), o Complexo Cultural do Boi Bumbá (AM) e a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis, além das formas de expressão como o Frevo (PE), o Jongo no Sudeste e o Marabaixo (AP).

Para a presidente do Iphan, Larissa Peixoto, a portaria ressalta a relevância do conjunto de bens acautelados pelo Instituto e, mais ainda, a necessidade de realização de projetos que incentivem a preservação e reprodução do Patrimônio Cultural. “O incentivo a esses projetos relativos ao Patrimônio Cultural é fundamental em diversos aspectos, especialmente em duas frentes: o direito à memória e à identidade nos vários estados, mas também o fomento à geração de emprego e renda entre os fazedores de cultura.”

Serra da Capivara - Foto:Joaquim Neto

Serra da Capivara – Foto: Joaquim Neto

 

Metas para prestação de contas

A Portaria da Secretaria de Cultura criou ainda metas para a análise da prestação de contas das propostas culturais beneficiadas pelo programa federal de incentivo. A medida busca evitar o aumento do passivo de prestação de contas da secretaria. De acordo com o documento, devem ser analisados em média seis processos ao dia, totalizando 120 ao mês. A secretaria também determina que deve haver equilíbrio entre as admissões de propostas relativas ao fomento e incentivo cultural e a capacidade operacional de análise das prestações de contas.

Fonte: Iphan

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Viva Ouro Preto VR, arte circense e vídeo-oficinas de regência e afinação são as atrações desta semana

A Fundação Nacional de Artes – Funarte, em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), divulga os destaques desta semana dos projetos Bossa Criativa, Um Novo Olhar (UNO) e Sistema Nacional de Orquestras Sociais (Sinos). O lançamento do projeto Viva Ouro Preto VR, um “pocket show”, uma apresentação circense e vídeo-oficinas de regência e afinação estão na agenda. Todas as ações são gratuitas e fazem parte do Programa Funarte de Toda Gente.

Interessados podem acessar o conteúdo do projeto Bossa Criativa no site bossacriativa.art.br, das ações do Uno no umnovooolhar.art.br e das atividades do Sinos no site sinos.art.br. Todas as atividades estão disponíveis para download e estudo nos sites próprios e também no Portal Funarte desde o lançamento das ações.

Através do Bossa Criativa, o público pode conferir, no dia 26 de agosto, às 19h, mais uma live de lançamento do projeto Viva Ouro Preto VR. A discussão sobre o tema Realidade Virtual e Patrimônio Cultural contará com a participação de especialistas das áreas de patrimônio histórico e cultural, realidade virtual, comunicação e produção cultural. O intuito é debater sobre como a realidade virtual pode ser uma grande aliada para ativar a valorização do patrimônio, além de comentar as escolhas inovadoras aplicadas no projeto.

Já no dia 28, sexta-feira, às 18h, o pocket show Pará Musical reúne os compositores Arthur Nogueira, Márcio Farias e Pedrinho Cavalléro. Além dos músicos, o intérprete Olivar Barreto e o pianista Jacinto Kahwage também participam do show. Os compositores apresentam versões exclusivas de suas obras, entre as quais: Ave do Amor (Arthur Nogueira/Ava Rocha), Maracatu (Márcio Farias) e Pretexto (Pedrinho Cavalléro/Jorge Andrade). Acompanhado pelo pianista Jacinto Kahwage, Olivar Barreto homenageia dois ícones da música do Pará: Walter Freitas, autor de Merenguêra, e o cantor Walter Bandeira, intérprete original da canção Cobrindo o Sol (Guilherme Coutinho/Luiz Otávio Barata)

Por meio do projeto Um Novo Olhar – Uno, já está disponível a vídeo-oficina Estabelecendo a comunicação através do gestual da regência, da professora Danielly Souza. A série visa propor reflexões a respeito de aspectos técnicos básicos sobre o gestual da regência coral, com intuito de aprimorar cada vez mais a comunicação entre o regente e seus cantores.

No dia 28 de agosto, sexta-feira, às 18h, os amantes das artes circenses serão agraciados com a apresentação Circo para Todos!, dos acrobatas Analu Faria e Elder Oliveira. A primeira parte do espetáculo traz Pinduca, uma palhaça atrevida, protagonizada por Analu. Ela decide ocupar seu tempo assistindo a uma apresentação de circo, mas não enxerga o mundo como nós, nem se preocupa muito com isso. Pra ser feliz e se divertir, Pinduca só precisa de um balde de pipoca, um controle remoto e muita imaginação!

Já na segunda parte do show, Analu Faria e Elder Oliveira se encontram para apresentar um duo acrobático de parada de mãos que faz relação com uma bengala para cegos. Ao final das apresentações, os artistas contam um pouco das suas trajetórias nesta arte milenar e ressaltam ao público como o circo pode ser para todos.

No site do Sistema Nacional de Orquestras Sociais – Sinos, o público encontra diversas atividades, como os vídeos de afinação Harmônicos Naturais e Harmônicos Artificiais – Por que ensinar e quando?, com a violinista Luciana Arraes. Na série, a musicista trata dos assuntos referentes à afinação e aos ajustes técnicos possíveis. Luciana ensina os diferentes pizzicatos (técnica em que as cordas são pinçadas com os dedos), articulações na mão esquerda, além de falar de vibrato e harmônicos.

O maestro André Cardoso apresenta a vídeo-oficina Sobre a Regência: Richard Wagner e Felix Weingartner, sexta aula da série História da Regência, no dia 28 de agosto, às 10h. O maestro aborda o desenvolvimento da atividade de direção de conjuntos vocais e instrumentais ao longo do tempo. E, também, como foi formatada a técnica gestual para a transmissão do conteúdo musical de uma partitura. Em seis vídeos, serão apresentados os recursos empregados para a direção de grupos musicais em diferentes contextos e épocas.

Os projetos Bossa Criativa, Uno e Sinos fazem parte do programa Funarte de Toda Gente. Para participar e aproveitar todas as atividades do programa, basta fazer a inscrição e acessar o canal Arte de Toda Gente https://www.youtube.com/c/ArteDeTodaGente

No portal da Funarte (www.funarte.gov.br), o público pode conferir todos os projetos e editais da instituição.

Fonte: Funarte

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *