Você está aqui:
Secretário-executivo participa de evento sobre Mapas Culturais

29.03.2017 – 17:20

Gestores municipais e estaduais de Cultura e técnicos da área de Tecnologia da Informação das secretarias municipais e estaduais de Cultura se reúnem em São Paulo, dias 29 e 30 de março, para discutir a plataforma Mapas Culturais. Os desafios, as melhorias e a implementação da plataforma estão sendo debatidos dentro do IV Encontro dos Gestores dos Mapas Culturais e do III Encontro de Desenvolvedores da Plataforma Mapas Culturais.
Na abertura do evento, nesta quarta-feira, o representante do MinC foi o secretário-executivo da pasta, João Batista de Andrade. Segundo ele, o Ministério pretende abrir a possibilidade de tornar a plataforma universal. “Será importante para a política cultural do País permitir que se tenha acesso a todas essas informações”, afirmou.
Resultado da parceria entre o Ministério da Cultura, o Instituto TIM e a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, os dois eventos são fechados e voltado para os dois públicos-alvo convidados: os gestores municipais e estaduais de Cultura e os técnicos da área de Tecnologia da Informação das secretarias municipais e estaduais de Cultura. O objetivo é promover a oportunidade de debates sobre o estado atual da plataforma e suas possibilidades de desenvolvimento futuro.
Mapa colaborativo
Mapas Culturais é um software livre para mapeamento colaborativo e gestão da cultura. Criado pelo Instituto TIM em parceria com a Secretaria de Cultura do Município de São Paulo, o primeiro município a adotar a plataforma, ela é alimentada pelo poder público – que insere informações sobre os equipamentos culturais, programações oficiais, editais, etc.; e pela população em geral, que se cadastra como agente de cultura (individual ou coletivo) e pode divulgar suas próprias programações.
A ferramenta permite organizar em uma só plataforma informações sobre agentes culturais, atividades e locais relacionados à cultura em um município ou região, fazendo um mapeamento dessas informações. “Os benefícios estratégicos para o gestor público são o de modernizar os instrumentos para execução, monitoramento e avaliação de políticas públicas de Cultura, oferecer à população ferramentas para divulgação de serviços e eventos culturais, além de ter custo zero de investimento em TI”, explica o coordenador geral de Estatísticas e Indicadores da Cultura do MinC, Luiz Antônio Gouveia de Oliveira.
Atualmente, além do mapa nacional, sob a supervisão do ministério e do Instituto TIM, há seis estados, o Distrito Federal e nove municípios que já instalaram a ferramenta.
Histórico 
Desde outubro de 2015, o Mapas Culturais foi adotado pelo Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC), do Ministério da Cultura (MinC). Com base neste software, o MinC disponibiliza para os cidadãos quatro plataformas com dados relativos à cultura em todo o Brasil, que está em constante atualização.
As plataformas são as seguintes: Rede Cultura Viva;  Museus BR (maior plataforma de informações sobre os museus do Brasil); Mapa das Bibliotecas e Mapa da Cultura, que integra os dados das três plataformas e do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC).
Texto e Fonte: Assessoria de Comunicação /Ministério da Cultura

Salvar

Trackbacks/Pingbacks

  1. Mapas Culturais são discutidos no Encontro de Gestores e Desenvolvedores promovidos pelo iTIM, MinC e SEC SP – SONAR CULTURAL - […] Veja como esse encontro contribui para a Meta no. 2 do Plano Nacional de Cultura. […]