Você está aqui:
Iphan-PR lança concurso nacional de arquitetura para ampliação do Museu Casa Lacerda

Os três primeiros colocados receberão premiação nos valores de R$ 20, R$ 10 e R$ 5 mil, respectivamente 

Sala de visitas, Casa Lacerda, Lapa (PR)O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Paraná (Iphan-PR), em parceria com o Departamento do Estado do Paraná do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/PR), está com inscrições abertas, até o dia 4 de dezembro, para o Concurso Público Nacional de Estudo Preliminar para Edifício Anexo e Agenciamento Externo do Museu Casa Lacerda, edificação de características coloniais situada no Centro Histórico da Lapa (PR).

O objetivo do concurso é ampliar o espaço físico do Museu por meio da construção de um edifício anexo e de um projeto paisagístico que integre o novo edifício com os espaços externos do Museu. As inscrições deverão ser feitas exclusivamente por meio do site www.concursoanexocasalacerda.com.

O primeiro lugar receberá a premiação no valor de R$ 20 mil e a assinatura de contrato para o desenvolvimento de todos os projetos executivos no valor de R$ 265 mil. O segundo e o terceiro colocados receberão a premiação no valor de R$ 10 e R$ 5 mil, respectivamente. A nova estrutura irá possibilitar a amplificação das ações de educação patrimonial oferecidas no local, com mais espaços para atividades culturais e exposições. Além disso, por estar dentro de um centro histórico tombado, pretende ainda criar um espaço para atendimento à população lapeana sobre questões relacionadas às intervenções nas edificações do conjunto tombado.

A comissão julgadora do concurso é formada por arquitetos indicados pelo Iphan e pelo IAB/PR. O resultado final será divulgado no dia 18 de dezembro deste ano.

O Museu
A Casa Lacerda é tombada individualmente pelo Iphan e pela Coordenação do Patrimônio Cultural do Paraná e está inserida em área urbana também protegida por tombamento nas duas esferas. Doada ao Iphan na década de 1980, a Casa abriga hoje um Museu que reproduz uma típica residência lapeana, além de funcionar como Casa do Patrimônio, sediando exposições temporárias, cursos e atividades voltadas à população local.

Visita guiada
Os interessados em participar do Concurso Casa Lacerda terão oportunidade de tirar dúvidas e conhecer melhor as regras do edital. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Paraná (Iphan-PR), em parceria com o Departamento do Estado do Paraná do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/PR) e a Prefeitura Municipal da Lapa, irão realizar, na próxima quinta-feira, 14 de novembro, de 9h às 15h, na Casa Lacerda, uma mesa redonda para apresentar o edital. O evento é gratuito e as inscrições podem ser feitas no local.

Confira o edital e o cronograma do concurso. 

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

comunicacao@iphan.gov.br
Clélia Lima – clelia.lima@iphan.gov.br
(61) 2024-5528 – 2024-5527
www.iphan.gov.br
www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr
www.youtube.com/IphanGovBr

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Teatro Amazonas vai receber R$ 2,3 mi do governo federal para medidas de segurança e manutenção predial

Os recursos são do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD), do Ministério da Justiça. Este é o maior investimento público no teatro nos últimos 20 anos

Manaus/AM – Inaugurado em 1896, o Teatro Amazonas, primeiro bem tombado como patrimônio brasileiro no estado do Amazonas, vai receber investimentos para a sua conservação. Serão R$ 2,3 milhões para medidas de segurança e manutenção predial. Os recursos são do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD), do Ministério da Justiça, provenientes de condenações judiciais, multas e indenizações para reparação de danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico.

Segundo o diretor do Teatro Amazonas, Cândido Jeremias, este é o maior investimento no local nas duas últimas décadas. Ele explica a importância do aporte financeiro para manter o prédio histórico em segurança. “Tem mais de 20 anos que não é investido no teatro um recurso como esse do governo federal. E isso vai ser mega, ultraimportante para a gente. Principalmente porque o projeto prevê um sistema de combate a incêndio para deixar o teatro 100% livre de qualquer mal, com alarme, com sistema inteligente. Teremos uma fiscalização importante na revisão elétrica, no sistema de câmeras. Então, esse projeto engloba toda a segurança do prédio e a manutenção, que é muito importante”, afirma.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), vinculado ao Ministério da Cidadania, vai lançar licitação para selecionar as empresas executarão os serviços de elaboração de projetos e construção dos sistemas de detecção e combate a incêndio, de instalações elétricas e de proteção contra descargas atmosféricas. Além da reforma voltada à segurança, a cortina, também conhecida como Pano de Boca do Teatro, será restaurada. Pintada a óleo sobre o tecido, a obra de arte homenageia o encontro das águas dos rios Negro e Solimões.

A intervenção no Pano de Boca está orçada em um R$ 1,8 milhão – sendo R$ 1,5 milhão do Ministério da Cidadania e R$ 400 mil do governo do Amazonas. Para a superintendente do Iphan no estado, Karla Bitar, os investimentos são necessários para salvaguardar um dos mais importantes teatros brasileiros e uma das principais casas de ópera do mundo.

“Além de o prédio ter esse valor excepcional artístico, sua arquitetura, seu estilo eclético, que é característico do período da borracha que tivemos no Amazonas e também no Pará, ele representa uma época em que uma sociedade buscava uma inspiração num cenário europeu e queria uma cidade com um embelezamento a partir de referências monumentais como esta. E, obviamente, era uma sociedade que gostava muito de cultura e de arte”.

Festival Amazonas de Ópera

O Teatro Amazonas é um dos mais ativos no cenário lírico nacional. Todos os anos, recebe o Festival Amazonas de Ópera, que desde 2000 já captou R$ 8,3 milhões pela Lei Federal de Incentivo à Cultura. O maestro adjunto da Orquestra Amazonas Filarmônica, Marcelo de Jesus, relata a emoção de subir ao palco do teatro manauara a cada apresentação. “É uma joia. E a sensação é a mesma, quando a gente entra aqui, estamos em um templo e, realmente, é um agradecimento e uma sensação de gratidão, mesmo, de podemos fazer o nosso trabalho, com uma estrutura muito bem consolidada, com um público que nos prestigia. Então, é uma felicidade e um orgulho muito grandes”, declarou.

A cada ano, o Teatro Amazonas registra aumento no número de visitantes. Segundo dados da Secretaria de Cultura do Amazonas, até agosto de 2019, 73.884 pessoas estiveram no prédio histórico, um crescimento de cerca de 11,7% comparado ao mesmo período do ano passado.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania

Informações para a imprensa:
(61) 2024-2266 / 2412

 

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Secretaria Especial da Cultura e FBB discutem projetos para Estação Cidadania

Ricardo Braga conversou com diretor executivo da Fundação Banco do Brasil sobre projetos de educação para a unidade de Brumadinho (MG)

Da esquerda para a direita, Ricardo Braga, Paulo Nakamura e Rogério Biruel (Foto: Clara Angeleas/Ministério da Cidadania)

Brasília/DF – O Ministério da Cidadania e a Fundação Banco do Brasil vão desenvolver em parceria projetos de educação profissionalizante na Estação Cidadania de Brumadinho, em Minas Gerais. A parceria foi debatida em reunião entre o secretário especial da Cultura, Ricardo Braga, o secretário de Difusão e Infraestrutura Cultural, Paulo Nakamura, e o diretor executivo da fundação, Rogério Biruel.

Localizadas em regiões de alta vulnerabilidade social, as Estações Cidadania reúnem, em um só espaço, ações de cultura, esportes, assistência social e capacitação profissional, além de políticas de prevenção à violência. A unidade do município mineiro possui três mil metros quadrados, nos quais abriga uma praça, um Centro de Referência de Assistência Social (Cras), além de biblioteca, sala de informática, cineteatro e quadra poliesportiva.

A Estação Cidadania de Brumadinho integra o pacote de medidas para recuperação do município, a chamada Aliança por Brumadinho, coordenada pelo Ministério da Cidadania. “São iniciativas que estão ajudando a alavancar novamente Brumadinho e dar uma condição de vida melhor para aquela população. A Estação Cidadania é quase um reflexo do Ministério da Cidadania, porque nós temos agora o Esporte, a Cultura e o Desenvolvimento Social. Hoje, uma Estação Cidadania é uma integração desses principais pilares”, ressalta Nakamura.

Entre as empresas parceiras da Aliança por Brumadinho está a Fundação Banco do Brasil. Na reunião com os secretários do Ministério da Cidadania, realizada na quinta-feira (10), o diretor Rogério Biruel afirmou que a instituição vai contribuir para a recuperação do município, ofertando profissionalização à comunidade que vive no entorno do local. O objetivo, segundo ele, é ampliar as oportunidades da população no mercado de trabalho.

“É um projeto de basicamente disponibilizar cursos de educação profissionalizante para a população que fica na região da Estação Cidadania e tentar contribuir, de alguma maneira, para melhorar as habilidades das pessoas e as oportunidades de empregabilidade”, relata.

Dentro do projeto proposto pela Fundação Banco do Brasil, devem ser ofertados cursos de informática, artesanato, música e educação financeira, entre outros. As aulas serão ministradas na própria Estação Cidadania, localizada no bairro Cohab.

Aliança por Brumadinho – Trata-se de um pacote de medidas que visa a reconstrução do município, a recuperação da atividade econômica e o resgate da autoestima da comunidade, com ações nas áreas de desenvolvimento social, educação, saúde, cultura, esporte, infraestrutura, meio ambiente e segurança.

Por Renata Garcia

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Casa de Anita Garibaldi, na cidade de Laguna (SC), é reaberta ao público após restauração

Cerimônia contou com a presença do ministro da Cidadania, Osmar Terra. Mais de R$ 610 mil foram investidos pelo Ministério da Cidadania

publicado: 30/08/2019 19h00, última modificação: 04/09/2019 15h21
Foto: Rafael Zart/Ministério da Cidadania

Nesta sexta-feira (30), data em que se celebram os 198 anos do nascimento de Anita Garibaldi, a cidade de Laguna, em Santa Catarina, recebeu um presente em homenagem a uma de suas mais célebres cidadãs. A Casa de Anita reabriu as portas, após ser completamente restaurada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia vinculada ao Ministério da Cidadania. Com a restauração, o espaço se consolida como importante equipamento cultural de Laguna, fomentando a economia criativa por meio da valorização do turismo e da memória local.

Presente à cerimônia de reabertura, o ministro da Cidadania, Osmar Terra destacou a importância de se preservar a memória de Anita Garibaldi e de outros brasileiros relevantes para a história do País. “A Anita simboliza muito para os brasileiros, para os italianos. É a heroína dos dois mundos, uma pessoa particularmente extraordinária, que tinha uma vida simples, que foi modificada por um encontro, e que transformou muito a história do Brasil, da Itália e do Uruguai também”, afirmou.

“Nós precisamos contar mais essas histórias, o Brasil tem que ter orgulho, o nosso cinema, a nossa arte tem que estar voltada para as pessoas extraordinárias que nasceram aqui, que construíram este País em que nós vivemos e que contribuíram tanto para o mundo”.

O prefeito de Laguna, Mauro Vargas Candemil, agradeceu o apoio do Ministério da Cidadania na restauração do patrimônio municipal. “Esta obra tem importância bastante significativa, já que aqui é um marco histórico da nossa Laguna. Essa contribuição do Iphan, com recursos do governo federal, vai engrandecer o patrimônio histórico aqui do nosso município e, mais ainda, levar o nome de Anita Garibaldi como heroína de dois mundos”, afirmou.

O Iphan investiu mais de R$ 610 mil na recuperação total do edifício histórico, construído em 1711. Além disso, a Casa de Anita recebeu estrutura para implementação do museu, como condições de acessibilidade, climatização, iluminação e equipamentos multimídia e de comunicação visual, contribuindo para a difusão da história e do legado da heroína catarinense.

Também estiveram presentes ao evento, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, o diretor do Departamento de Projetos Especiais do Iphan, Robson de Almeida, a superintendente do Iphan em Santa Catarina, Liliane Nizzola, além de representantes do Instituto Cultural Anita e de uma comitiva italiana.

Uma casa para celebrar Anita Garibaldi

A Casa de Anita é um dos espaços mais visitados no Centro Histórico de Laguna, protegido pelo Iphan como Patrimônio Cultural Brasileiro. Localizada na Praça Vidal Ramos, a edificação foi residência de várias famílias da cidade catarinense. Entre elas, a família Mendes Braga, que confeccionava vestidos de noiva e emprestava um dos cômodos da casa para que as moças se vestissem para casar na Igreja Matriz de Santo Antônio dos Anjos. Foi o que aconteceu com Ana Maria de Jesus Ribeiro, a Anita, na ocasião de seu primeiro casamento, com Manoel Duarte de Aguiar.

Quatro anos mais tarde, quando completou 18 anos, ela conheceu o italiano Giuseppe Garibaldi, com quem se casou novamente e viveu o resto da vida. Ao lado dele, integrou importantes movimentos políticos, como a Revolução Farroupilha e o processo de unificação da Itália, tornando-se, então, conhecida como Anita Garibaldi, heroína, revolucionária e símbolo de coragem. Anita faleceu em 1849, em Ravenna, na Itália, aos 27 anos. Em 1978, a casa de Laguna foi aberta ao público como Casa de Anita, um pequeno museu com móveis de época e objetos que fizeram parte da história da cidade e da personagem célebre.

Investimentos em Santa Catarina

A intervenção no espaço que honra a memória de Anita é parte de uma série de ações que vêm sendo feitas pelo Ministério da Cidadania em Santa Catarina. Em Laguna, foi entregue ainda este ano a obra de restauração da Casa Candemil, que sedia o Arquivo Público Municipal. Outras seis obras estão em execução: a primeira etapa da requalificação urbanística do Centro Histórico e as restaurações do Clube União Operária, da sede da Sociedade Musical Carlos Gomes e do Clube Blondin, somando investimentos de R$ 12,4 milhões, além do Complexo Ferroviário e do Clube do Congresso Lagunense, que contam com outros R$ 4,41 milhões provenientes do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD). Na cerimônia de entrega da Casa de Anita, também foi assinada a ordem de serviço para início da obra do Complexo Ferroviário, que conta com recursos de R$ 2,4 milhões e será a primeira obra do Ministério da Cidadania com recursos do FDD.

“O Ministério da Cidadania está investindo muito no patrimônio histórico. Só aqui em Santa Catarina, estamos trabalhando com o horizonte de R$ 16 milhões. Estamos com recursos do Fundo de Defesa Direitos Difusos, provenientes de pagamentos de ações judiciais em todo o Brasil. Conseguimos R$ 300 milhões no total e Santa Catarina é, proporcionalmente, o estado que vai ter mais obras. Laguna vai ser um lugar particularmente privilegiado nessa caminhada de recuperação do nosso patrimônio”, destacou Osmar Terra.

Os investimentos do Ministério da Cidadania nos patrimônios da cidade não vão beneficiar apenas os 50 mil habitantes do local. O município é um dos mais importantes polos turísticos do estado, chegando a receber mais de 200 mil turistas durante o período de férias e festas de final de ano. Visitantes de todo o Brasil e também de países como Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile passam por Laguna todos os anos.
As festas religiosas também atraem muitos turistas, como a de Santo Antônio dos Anjos, padroeiro de Laguna.

História

Muito antes de sua fundação oficial, em 1676, Laguna serviu de referência para a assinatura do Tratado de Tordesilhas entre Portugal e Espanha. Os países estabeleceram uma linha imaginaria, 370 léguas a oeste do Arquipélago de Cabo Verde, passando ao Norte por Belém do Pará, e ao Sul por Laguna. As terras situadas a Leste do meridiano ficaram com Portugal.
De acordo com alguns mapas, o território português no Brasil começava próximo onde atualmente se encontra Belém (PA) e descia em linha reta até perto de Laguna (SC).

No século XVIII, a região foi um posto da coroa portuguesa, auxiliando no desbravamento e na defesa do território durante as disputas por terra com a Espanha. Nesse período também ocorre a chegada dos imigrantes açorianos, cujas tradições e cultura são mantidas até hoje entre os lagunenses.

Para conhecer outros investimentos realizados pelo Ministério da Cidadania em museus e patrimônios históricos brasileiros, acesse: cultura.gov.br

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania
Com informações do Iphan

 

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estação Cidadania leva esporte, cultura e assistência social a moradores de Teresina

Foto: Rafael Zart

Teresina, capital do Piauí, ganhou neste sábado (31) uma Estação Cidadania, espaço que integra programas e ações culturais, práticas esportivas e de lazer, formação e qualificação profissional, serviços socioassistenciais e políticas de prevenção à violência. Localizado no Vale do Gavião, região de alta vulnerabilidade econômica e social, o espaço recebeu investimento de R$ 3,7 milhões do governo federal, por meio do Ministério da Cidadania.

Presente à solenidade de inauguração, que contou com a participação maciça de moradores da região, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, destacou que espaços com as Estações Cidadania contribuem para a geração de oportunidades nas áreas do esporte, da cultura e do desenvolvimento social. “A Estação Cidadania garante aos jovens das famílias mais pobres, das periferias, um espaço para praticar atividades esportivas e culturais fora do horário da escola”, afirmou. “Está cheio de talento adormecido que, se não tiver um espaço deste, nunca irá despertar. Além disso, é muito importante para a prevenção da violência e do uso de drogas”, defendeu.

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, comemorou a inauguração do espaço. “É uma alegria muito grande receber esta Estação Cidadania tão bonita, que vai atender todo o Vale do Gavião. Esse equipamento, para nós, é fundamental porque permite que os jovens da comunidade possam ter um espaço para lazer, atividades esportivas e culturais, para que possam completar a educação que já é feita em sala de aula”, destacou. Cerca de 100 mil pessoas vivem no entorno da Estação.

O secretário especial adjunto da Cultura do Ministério da Cidadania, José Paulo Soares Martins, destacou que um dos principais diferenciais das Estações Cidadania é a possibilidade de unir ações de cultura, esportes e assistência social. “É muito importante podermos trabalhar a comunidade de forma integrada em temas que certamente trazem um impacto importante na formação da cidadania, principalmente de crianças e jovens, mas também de outros segmentos da população, inclusive idosos”, afirmou.

Ex-jogador de futebol da seleção brasileira, o secretário nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social do Ministério da Cidadania, Washington Stecanela Cerqueira, ressaltou a importância de as Estações Cidadania estarem localizadas em regiões de alta vulnerabilidade econômica e social. “São exatamente áreas como esta que nós temos de atacar. Dar a oportunidade do esporte para as crianças, tirando das ruas, livrando da drogadição, da bandidagem, é um avanço, tem uma importância muito grande”, comentou.

Estrutura

A Estação Cidadania Professor Carlos Said conta com um ginásio poliesportivo com arquibancada para até 181 lugares e estrutura para prática de esporte de alto rendimento, área de apoio (administração, sala de professores, vestiários, chuveiros, enfermaria, copa, depósito e sanitário público), academia e estruturas de atletismo.

Moradora do Vale do Gavião, Gracilene Santos acredita que a Estação Cidadania trará diversos benefícios para a população. “Vai ser muito proveitoso, vai estimular bastante os jovens. Estávamos precisando de uma estrutura como esta para desenvolver nossas crianças. Aqui não tinha nenhum tipo de atividade para elas, era preciso ir para outro bairro. Então estou muito feliz e agradecida”, afirmou.

Em 2019, além de Teresina, já foram inauguradas 11 Estações Cidadania no país: Araçatuba (SP), Arujá (SP), Brumadinho (MG), Canindé (CE), Canoas (RS), Cariacica (ES), Floriano (PI), Ponta Grossa (PR), Porto Alegre (RS), Tanguá (RJ) e São Vicente (SP). A meta é inaugurar cerca de 60 Estações até o fim do ano.

“A cada inauguração, a gente vê realmente que há um benefício imediato. A curto prazo, já vemos a criançada utilizando mesmo antes da abertura oficial. A médio prazo, temos uma série de iniciativas que o Ministério da Cidadania está trazendo. E, a longo prazo, é possível garantir uma vida melhor, por exemplo, para uma criança que tiramos da rua ou para jovens que participam de programas de empreendedorismo”, destaca o secretário de Difusão e Infraestrutura Cultural do Ministério da Cidadania, Paulo Nakamura.

Centro de Convivência da Pessoa Idosa

Também na capital piauiense, o ministro Osmar Terra participou da inauguração do Centro de Convivência da Pessoa Idosa. A unidade possui laboratório de informática, auditório e refeitório. Localizado no Conjunto Jatobá, o centro, que recebeu investimento de R$ 630 mil do governo federal, vai promover oficinas de artesanato, palestras, rodas de dança e canto, entre outras atividades. Cerca de 80 mil pessoas vivem no entorno do local.

No país, mais de 8 mil Centros de Convivência atendem cerca de dois milhões de pessoas. Desses, mais de 413 mil são idosos, o que representa 19,7% do total. Nesses espaços são ofertados os Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, que trabalham para fortalecer o convívio familiar e comunitário, a melhoria da qualidade de vida das pessoas idosas e sua inclusão social, prevenindo o isolamento e outras situações de risco.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Potencial turístico cultural no Brasil é apontado por escritório da ONU
Diagnóstico prévio foi apresentado pelo coordenador residente do Sistema das Nações Unidas no Brasil, Niky Fabiancic, ao secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires

publicado: 07/08/2019 18h21, última modificação: 07/08/2019 18h22
Foto: Clara Angeleas/Ministério da Cidadania

As atividades do Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS) no Brasil foram apresentadas, na manhã desta quarta-feira (7), para o secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires. Braço operacional da Organização das Nações Unidas (ONU), o escritório está presente no Brasil desde 2012, trabalhando com a formulação e gestão de projetos em diversas instâncias, inclusive culturais, como a restauração, construção e reconstrução de museus e outras instituições.

O Unops foi apresentado pelo coordenador residente do Sistema das Nações Unidas (ONU) no Brasil, Niky Fabiancic. Também participaram do encontro com o secretário Henrique Pires e o secretário de Infraestrutura Cultural do Ministério da Cidadania, Paulo Nakamura, a gerente do Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS) no Brasil, Claudia Valenzuela, o arquiteto do UNOPS, Sylvio Farias, e a coordenadora de Cultura do Escritório da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Isabel de Freitas Paula.

Na avaliação dos representantes da ONU, o Brasil tem grande potencial turístico em razão do número de patrimônios mundiais, o que pode ser incrementado a partir de parcerias que promovem planejamento estratégico. Ainda foi destacada a importância da valorização de atividades culturais e da economia criativa para impulsionar o turismo. Fabiancic defendeu a necessidade de se pensar em planos de sustentabilidade e de manutenção para eventuais edifícios e locais restaurados. Caso contrário, há o risco de deterioração por falta de uso.

O secretário Paulo Nakamura observou que, em reuniões com municípios interessados na construção de equipamentos culturais, tem sido ressaltada a necessidade de manutenção e preservação, com detalhamento dos recursos necessários para esta finalidade.

Investimento do governo federal

Por meio do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD), foram direcionados recursos da ordem de R$ 200 milhões para a restauração e modernização de diversos equipamentos culturais, como as fundações Casa de Rui Barbosa e Biblioteca Nacional – entidades vinculadas ao Ministério da Cidadania –, museus e edifícios tombados.

Ligado ao Ministério da Justiça, o Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD) utiliza os recursos provenientes de condenações judiciais, multas e indenizações para financiar projetos de instâncias federais, estaduais e municipais que visem a reparação de danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico. A seleção de projetos ocorre por meio de edital e é feita pelo Conselho Gestor do FDD.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *