Você está aqui:
Biblioteca de Sergipe capacita jovens em vulnerabilidade social por meio de projeto inovador

Atualmente, as aulas, com quatro meses de duração, vêm sendo dadas no prédio da Unidade de Semiliberdade da Comunidade de Ação São Francisco de Assis (Case 1), Fundação Renascer (Fotos: Divulgação)

Biblioteca Pública Estadual Epiphanio Dória capacita e reinsere jovens de baixa renda, com dificuldade escolar ou cumprindo medidas socioeducativas por meio de projeto que ensina montagem e manutenção de computadores e educação ambiental, entre outros temas

Com mais de 170 anos de atividades, a Biblioteca Pública Estadual Epiphanio Dória, em Aracaju (SE), está cada vez mais próxima da comunidade. A instituição desenvolve, com jovens carentes da região, principalmente os de baixa renda, com dificuldade escolar ou cumprindo medidas socioeducativas, o projeto Reciclatec, que capacita em técnicas de montagem e manutenção de computadores. Até o momento, 80 alunos de 12 a 21 anos já foram capacitados.

O Reciclatec teve início em abril de 2017 e é realizado em parcerias com órgãos públicos e empresas privadas, que doaram computadores que estavam desuso. Doze profissionais participam da ação, de forma voluntária. Todo o material didático também foi doado por voluntários. Segundo a diretora da biblioteca, Juciene Maria Santos de Jesus, a proposta é que, após o curso, os participantes sejam inseridos em programas de bolsa-estágio, tanto da iniciativa privada quanto da esfera pública. “Além disso, a ideia é que, a cada turma, o projeto seja expandido para outras bibliotecas ou comunidades com associações comunitárias organizadas”, adianta.

Além de servirem como material didático para capacitação, parte dos computadores recuperados serão doados a outras bibliotecas e ONGs para criação de telecentros que possam ser utilizados de maneira gratuita pela comunidade para serviços on-line e também outros cursos. “Esperamos que os jovens que participam do projeto se tornem multiplicadores e instrutores nas comunidades onde serão criados os telecentros”, afirma. “Também pretendemos ampliar o projeto com a criação de pequenas usinas de reciclagem de lixo eletrônico nas comunidades onde o projeto está inserido, de forma a gerar renda aos participantes”, completa Juciene.

Também faz parte do currículo a criação de uma horta orgânica para a prática dos conhecimentos adquiridos nas aulas de educação ambiental

Dentro do projeto, além da capacitação em manutenção de computadores, os jovens também têm aulas de educação ambiental, noções de ética e cidadania e letramento. “Todo o assunto abordado é trabalhado de forma interdisciplinar, facilitando a compreensão sobre os temas tratados”, explica a diretora. Também faz parte do currículo a criação de uma horta orgânica para a prática dos conhecimentos adquiridos nas aulas de educação ambiental. “Pretendemos também, futuramente, implantar uma política de reciclagem do material descartado que não há possibilidade de recuperação”, informa Juciene.

Atualmente, as aulas, com quatro meses de duração, vêm sendo dadas no prédio da Unidade de Semiliberdade da Comunidade de Ação São Francisco de Assis (Case 1), Fundação Renascer, mas deverão voltar a ser na própria biblioteca assim que terminarem algumas reformas que estão sendo realizadas no local. Enquanto o projeto estiver funcionando no Case 1, o trabalho será realizado apenas com os internos de lá. “A proposta é que, com a reinauguração da biblioteca prevista para 14 de junho, possamos abrir outra turma com o público geral”, adianta a diretora.

Experiência inovadora

Esta ação de abertura da biblioteca e integração com a sociedade na oferta de atividades “não convencionais” chamou a atenção da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania, que utilizou este caso de sucesso como exemplo de boas práticas durante evento no fim do mês passado, em Quito, no Equador. Na ocasião, a coordenadora-geral do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP) e presidente do Iberbibliotecas, Ana Maria da Costa Souza, apresentou a experiência sergipana para integrantes dos países participantes do Programa Ibero-americano de Bibliotecas Públicas.

Para Ana Maria, a biblioteca vem conseguindo trabalhar em consonância com a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), que estipula objetivos sustentáveis como a educação de qualidade e preparação para o trabalho. “A biblioteca deixa de ser só um equipamento e se assume como instituição democrática, indo além de suas paredes e atingindo o público fora do próprio equipamento físico. Isso é muito importante e a gente quer caminhar nesta nova linha também”, destaca Ana Maria.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ibram lança edital de reforma elétrica do Museu de São João del-Rei

O pregão eletrônico será realizado no dia 2 de maio, a partir das 10h, no Portal de Compras do Governo Federal

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), instituição vinculada ao Ministério da Cidadania, publicou edital de licitação para a reforma elétrica do Museu Regional de São João del-Rei. A chamada pública, com custo estimado em mais de R$ 937 mil, foi divulgada no Diário Oficial da União em 18 de abril e visa contratar empresa para obras de reparo e reformulação de toda a rede elétrica da instituição.

O pregão eletrônico será realizado no dia 2 de maio, a partir das 10h, no Portal de Compras do Governo Federal. A empresa que ganhar a licitação fica responsável pela execução do projeto luminotécnico, instalações elétricas e de cabeamento estruturado, instalações de segurança-alarme e sistemas de SPDA e sonorização, entre outros encargos.

O edital completo, anexos e as demais informações sobre o processo de licitação podem ser encontrados no site do Ibram, na sessão Acesso à Informação, em Licitações e Contratos.

O Museu

Museu Regional de São João del-Rei (Foto: Ibram)

Aberto à visitação pública a partir de 1963, está localizado na antiga residência do comendador João Antônio da Silva Mourão (1806-1866), importante comerciante da cidade no período final da produção de ouro. Após a conclusão das obras, em 1859, o comendador instalou sua família na mansão, no segundo e terceiro pavimentos, e a loja de secos e molhados ficou no primeiro andar.

O Museu Regional de São João del-Rei apresenta uma exposição de aspectos do cotidiano no comportamento e nos costumes dos séculos XVII ao XX, retratados em móveis, utensílios, meios de transporte, imagens religiosas e pinturas. O objetivo do acervo montado é contar um pouco da intimidade e do modo de vida dos mineiros no período colonial.

Atualmente, parte da sua estrutura está fechada para visitação, mas o Museu mantém atividades voltadas ao público nas áreas que serão afetadas pelas obras.

Instituto Brasileiro de Museus (Ibram)
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscrições abertas para concurso de apoio a bibliotecas públicas

Serão investidos US$ 240 mil em projetos de fortalecimento e ampliação de acesso à leitura em países ibero-americanos

(publicado: 08/02/2019 17h05, última modificação: 08/02/2019 18h27)

Programa Iberbibliotecas vai investir US$ 240 mil em projetos de fortalecimento e ampliação do acesso à informação e à leitura em bibliotecas públicas, comunitárias e populares do Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Espanha, México, Paraguai, Peru e as cidades de Buenos Aires, Medellín e Quito. Até 4 de maio, estão abertas as inscrições para a 7ª edição do Concurso de Ajudas do Programa Ibero-Americano de Bibliotecas Públicas (Iberbibliotecas). O projeto visa trabalhar pela inclusão social, além de contribuir para a qualificação da educação e do desenvolvimento da população.

As propostas vencedoras receberão até US$ 20 mil, no caso do projeto apresentado por uma entidade, ou até US$ 40 mil, se inscrito por instituições de dois ou mais países integrantes do Programa. Podem se inscrever organizações públicas e privadas dos países e cidades membros do Iberbibliotecas. Países não-membros que apresentarem projeto conjunto com países ou cidades-membro, também podem participar. A participação é vetada a entidades anteriormente premiadas nessa convocatória.

O Brasil é um dos países-membro do Iberbibliotecas, e este ano assume a presidência do Programa para o biênio 2019-2021. O País investe, anualmente, US$ 90 mil para a manutenção e financiamento das linhas de ação do Iberbibliotecas. A Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania é a responsável pela coordenação do programa no País.

 

Inscrições

As inscrições podem ser formuladas em português ou espanhol, e devem ser enviadas pelo e-mail iberbibliotecas@cerlalc.org com o assunto “Concurso de ajudas 2019”. Informações sobre a documentação necessária para inscrição podem ser acessadas no site do programa. O Concurso receberá projetos em três categorias:

  1. Para o fortalecimento de redes e sistemas de bibliotecas nacionais, regionais ou de cidades;
  2. Para a elaboração de projetos de planejamento e desenvolvimento de serviços bibliotecários de extensão: bibliotecas móveis;
  3. Para a execução de projetos de bibliotecas públicas ou comunitárias relacionados diretamente ao cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) relacionados ao tema:
    Objetivo 4. Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos.
    Objetivo 5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.
    Objetivo 8. Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todas e todos.
    Objetivo 10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.
    Objetivo 16: Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

 

O Programa

O Iberbibliotecas é um Programa da Secretaria-Geral Ibero-Americana (Segib) e é coordenado pelo Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e Caribe (Cerlalc). Com o objetivo de promover o acesso à leitura e informação para todos os cidadãos da região, tem como meta a criação de uma rede de cooperação ibero-americana no campo das bibliotecas públicas. Atualmente, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Espanha, México, Paraguai e as cidades de Buenos Aires (Argentina), Medellín (Colômbia) e Quito (Equador) integram o Iberbibliotecas.

O Concurso de Ajudas é organizado pelo Iberbibliotecas desde 2013 e já apoiou 62 projetos. A Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania, por meio do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP). O Brasil assumirá a presidência do Programa durante a XX reunião do Conselho Intergovernamental do Iberbibliotecas, que será realizado na cidade de Quito. O País participa da presidência desde 2017, ano em que foi eleito vice-presidente da diretoria, cuja direção ficou a cargo da Costa Rica. O Brasil é representado pela Coordenação-Geral do SNBP no Conselho Intergovernamental.

 

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania
Com informações do Programa Iberbibliotecas

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CEUs promovem cidadania em comunidades carentes pelo Brasil

Centros de Artes e Esportes Unificados contribuem para redução de 16% na taxa de evasão escolar e 8% nas chances de homicídio; melhoria da segurança pública, saúde e infraestrutura local, mostra pesquisa da UFPE

(publicado: 26/02/2019 11h32, última modificação: 01/03/2019 20h24)

Após iniciar atividades físicas no CEU de Ceará-Mirim (RN), Élida de Sena melhorou a saúde e conseguiu engravidar da filha Eloah (Fotos: Clara Angeleas/Ministério da Cidadania)

Há sete anos, Élida Simony Silva de Sena, de Ceará-Mirim (RN), teve uma trombose e ouviu do médico que teria dificuldade em andar e que nunca poderia ser mãe. Sua realidade mudou quando conheceu o Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU) e começou a praticar exercícios por meio do Projeto Viver Bem. “As atividades físicas mudaram muito a minha vida. As dores foram embora. E, ao contrário do que diziam os médicos, consegui engravidar e, graças a Deus, está aqui a Eloah, minha filha, com muita saúde”, comemora.

Assim como aconteceu com Élida, os CEUs estão transformando a realidade e garantindo cidadania a moradores de mais de 180 comunidades carentes distribuídas por todo o Brasil. Pesquisa realizada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) de fevereiro a novembro de 2018 mostra melhorias em indicadores educacionais, de segurança pública e de saúde em comunidades onde já foram inaugurados CEUs. Depoimentos de frequentadores e dirigentes dos centros também revelam aumento da qualidade de vida, aperfeiçoamento da infraestrutura local e mais oportunidades para as regiões atendidas e seus habitantes.

Segundo a pesquisa da UFPE, as escolas localizadas próximas aos CEUs registraram redução média de 16% na taxa de evasão escolar no Ensino Fundamental e de 15% no Ensino Médio e as comunidades onde estão os centros tiveram queda de 8% nas chances de homicídios. Além disso, os CEUs contribuíram para a redução de 1,3 ponto percentual nas internações por hipertensão e infarto.

A pesquisa da UFPE foi feita com base em informações de diversas bases de dados nacionais, como as do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), comparando, por exemplo, municípios com perfis semelhantes e o que mudou desde a entrada dos CEUs nessas localidades. Também foram entrevistados gestores dos CEUs inaugurados. Em uma segunda etapa, serão divulgados indicadores sobre o efeito dos CEUS na inserção dos moradores das regiões atendidas no mercado formal de trabalho e retornos salariais e os reflexos nos indicadores de bem-estar social, como iluminação pública, e crescimento econômico, entre outros.

Vitalidade

“O CEU é a casa acolhedora da família humilde. Mudou a qualidade de vida das pessoas da comunidade. Esta região, antes, era uma zona vermelha, um campo de prática de violência. Hoje, é um lugar onde as crianças vêm, jogam bola, frequentam a biblioteca, pegam gosto pela leitura. Ou seja, aprendem, praticam esporte e não ficam ociosos. O CEU é tudo na vida dessas comunidades”, destaca o coordenador do CEU de Ceará-Mirim (RN), Múcio Vicente de Oliveira.

Os CEUs têm incentivado várias crianças a tomarem gosto pela leitura

Em Breves, na Ilha de Marajó (PA), uma antiga usina, onde tinha muita criminalidade e uso de drogas, deu lugar ao CEU. A mudança na comunidade foi radical. “O centro agregou valores muito importantes à nossa comunidade. Temos neste espaço projetos de saúde, vacinação, atividades culturais, como danças, e esportivas, como caratê, futebol, vôlei e handebol”, destaca Mário Vale, funcionário da prefeitura e frequentador do CEU. “Quando o Estado se faz presente, tudo melhora. Agora temos mais segurança, acesso a serviços sociais por meio do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Até o comércio sentiu a diferença. Tem quiosque com lanche e os supermercados do entorno aumentaram as vendas”, completa.

Também moradora de Breves, a assistente social Marcela do Amaral Farias destaca que o CEU trouxe aos habitantes da cidade oportunidades antes inexistentes. “A gente percebe pessoas que não tinham oportunidade de ter acesso a uma sala de cinema, a uma quadra, a uma arena. E hoje a Praça CEU oferece isso”, afirma. “Muitos grupos culturais, antes sem espaço e sem visibilidade, hoje têm o CEU. A gente realmente precisava muito deste espaço”, ressalta.

O coordenador do CEU de Breves, Portuga Vieira, conta que o centro tem contribuído para a melhoria da saúde e da qualidade de vida dos frequentadores. “Temos pessoas aqui que não estão indo mais ao hospital porque estão praticando exercício. A pessoa vem, caminha, faz esporte, uma aula de dança”, exemplifica. “O CEU é um instrumento de transformação social. Antes havia muitos jovens jogados, no caminho do crime, e agora não mais”, conta.

Em Aparecida de Goiânia (GO), o CEU contribui para a melhoria da infraestrutura da região onde está localizado. “Depois da vinda do CEU, melhorou o comércio, várias lojas abriram em torno da praça. Vários comerciantes dizem que, sem o CEU, o comércio não teria vida”, conta o coordenador do Centro, Washington Arruda. “Até o transporte melhorou. Antes, praticamente não tinha transporte coletivo e agora tem uma linha rápida que passa por aqui e vai cruzando outros bairros. E as avenidas também foram ampliadas”, completa.

Professor voluntário de zumba, um exercício físico aeróbico baseado em movimentos de danças latinas, no CEU de Aparecida de Goiânia, Edson Ferreira conta que o Centro tem possibilitado que os moradores tenham contato, pela primeira vez, com algumas expressões artísticas. “Esta comunidade nunca tinha recebido um cinema. Esses dias a gente fez um festival de cinema ao ar livre. A maior parte das pessoas também nunca tinha assistido a uma peça teatral, e já foram encenadas três peças aqui no CEU. A cultura tem feito as pessoas mudarem os hábitos”, destaca.

CEUs

Construídos por meio de parceria entre o Ministério da Cidadania e prefeituras, os CEUs reúnem, em um só espaço, atividades culturais, esportivas, de lazer, de assistência social e de formação profissional, com foco em comunidades de alta vulnerabilidade econômica e social. Até o momento, foram inaugurados 186 Centros e está prevista a construção de outros 145, totalizando 331, localizados em todas as unidades da Federação. O programa prevê um investimento de R$ 816.794.780,62, sendo R$ 729.066.324,37 do Ministério da Cidadania e R$ 87.728.456,25 de contrapartida dos municípios.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BNDES investe R$ 25 milhões em edital para segurança de acervos

Museus, arquivos e bibliotecas públicos interessadas em participar têm até 28 de fevereiro para se inscreverem

(publicado: 22/01/2019 11h55, última modificação: 22/01/2019 11h55)

Podem participar do edital museus, arquivos e bibliotecas públicos que
guardem acervos memoriais brasileiros (Foto: Ascom)

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) recebe, até 28 de fevereiro, propostas para chamada pública voltada à segurança em instituições culturais públicas de guarda de acervos memoriais. O valor total da seleção é de até R$ 25 milhões em recursos a serem deduzidos por meio da Lei Rouanet.

O edital vai selecionar propostas de projetos de segurança (detecção, prevenção e combate a incêndio e pânico; instalações elétricas; e Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas) em edificações históricas que guardem acervos memoriais brasileiros (museus, arquivos e bibliotecas).

Cada instituição cultural pública de guarda de acervo memorial poderá enviar somente uma proposta. A inscrição é feita por meio de preenchimento do formulário de inscrição online e envio da versão digitalizada da documentação exigida.

 

Para mais detalhes, leia edital, termo de referência e manual de preenchimento.

 

Instituto Brasileiro de Museus (Ibram)
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Museu Regional de São João del-Rei inicia obras de restauração da cobertura

Por conta das obras, que têm duração prevista de 120 dias, museu ficará fechado à visitação durante o período

(publicado: 22/01/2019 11h39, última modificação: 22/01/2019 11h40)

O custo total estimado da obra de restauração da cobertura do Museu Regional de São João del-Rei é de R$ 233.360,26 (Foto: Ibram)

O Museu Regional de São João del-Rei, que integra a rede Ibram em Minas Gerais, deu início a obras de restauração de sua cobertura. Contratada por meio de licitação aberta em dezembro passado, a obra abarcará o telhado do edifício principal do museu e de sua biblioteca, que funciona em prédio contíguo.

A intervenção inclui a recuperação da estrutura do telhado com substituição de parte das peças, que deverão copiar fielmente as existentes. Prevê ainda a limpeza e reassentamento de telhas cerâmicas e assentamento de novas telhas artesanais no mesmo material e modelo, além de limpeza de forro e calhas, imunização do madeiramento da cobertura e impermeabilização da laje.

O objetivo é enfrentar pontos de gotejamento e ocorrência de entupimento no escoamento de águas pluviais da cobertura do prédio histórico. O custo total estimado da obra é de R$ 233.360,26. A previsão é de que a intervenção física dure cerca de 120 dias.

Por conta das obras, o Museu Regional de São João del-Rei ficará fechado à visitação durante o período. A sala de exposições de curta duração mantém seu funcionamento até o dia 10 de fevereiro, quando se encerra a exposição Palavra Sólida, atualmente em cartaz. Também por conta das obras, o acervo que compõe a exposição de longa duração do museu será desmontado e realocado, garantindo a segurança das peças.

O museu

Aberto à visitação em 1963, o Museu Regional de São João del-Rei funciona em casarão do séc. XIX que foi residência do comendador João Antônio da Silva Mourão (1806-1866), importante comerciante da cidade no período final da produção de ouro. O museu expressa o cotidiano da região nos séculos XVIII e XIX, retratado em móveis, utensílios, meios de transporte, imagens religiosas e pinturas. Saiba mais.

 

Instituto Brasileiro de Museus (Ibram)
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *