Você está aqui:
Seminário debate estratégia para Núcleos de Produção Digital

Começa na tarde desta sexta-feira (17), na Cidade de Goiás (GO), o I Seminário Cinema: Formação em Rede, promovido pelo Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) em parceria com a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (MinC). O evento, que segue até domingo (19), vai discutir a formação para a linguagem audiovisual nos Institutos Federais de Educação e os resultados e projeções para os Núcleos de Produção Digital (NPDs), projeto do MinC voltado ao audiovisual. 

Parte integrante do programa Olhar Brasil, relançado pelo Ministério da Cultura em julho deste ano, os NPDs são espaços voltados à produção e à difusão do conteúdo audiovisual brasileiro. O objetivo é formar e consolidar parcerias com os estados para o desenvolvimento da atividade audiovisual, além de apoiar a produção independente, por meio do fornecimento de equipamentos adequados.

Os Núcleos incluem câmeras, lentes, cartões de memória, tripés, cases para proteção e transporte do equipamento, refletores, microfones, gravadores, softwares de edição, computadores e caixas de som. Até o momento, já foram implantados 26 NPDs em 22 unidades da Federação.

Diálogo

Um dos objetivos do seminário é promover o diálogo entre os representantes dos NPDs e o setor de formação regular, especialmente com os Institutos Federais, em função da oferta de cursos em formação tecnológica. Entre os temas a serem debatidos estão os projetos de cinema, audiovisual e educação nos Institutos Federais e a formação audiovisual nos IFs.

Durante o evento, um grupo de trabalho será formado para produzir o documento “Carta do I Seminário Cinema: Formação em Rede”. Além disso, haverá ainda apresentações de estudos de casos da Universidade Federal do Mato Grosso, do Polo Audiovisual de Cataguazes (Zona da Mata Mineira) e da Secretaria de Audiovisual do Ministério da Cultura. Além disso, uma mostra de curtas-metragens também ocorrerá durante o seminário.

Fonte: ASCOM MinC

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gramado (RS) recebe Núcleo de Produção Digital

19.7.2017 – 16:27

IMG_6457_-_Copia.JPG

João Batista da Silva e prefeito João Alfredo Bertolucci (Foto: Acácio Pinheiro/Ascom MinC)

Gramado (RS) será a segunda cidade brasileira, após Macapá (AP), a receber um Núcleo de Produção Digital (NPD) do Ministério da Cultura (MinC). O acordo de cooperação foi assinado nesta quarta-feira (19), em Brasília, pelo prefeito da cidade gaúcha, João Alfredo Bertolucci, o secretário municipal de Cultura, Allan Lino, e o secretário do Audiovisual substituto do MinC, João Batista da Silva. Parte integrante do programa Olhar Brasil, os Núcleos incluem câmeras, lentes, cartões de memória, tripés, cases para proteção e transporte do equipamento, refletores, microfones, gravadores, softwares de edição, computadores e caixas de som.

“O recebimento de um Núcleo de Produção Digital representa um avanço extraordinário na área cultural, na formação dos nossos jovens e no crescimento intelectual de toda a cidade de Gramado”, destacou o prefeito João Alfredo Bertolucci. “Temos uma ligação muito forte com a arte cinematográfica, uma vez que realizamos, todos os anos, um dos festivais de cinema mais importantes do País, o Festival de Cinema de Gramado, que neste ano chega à 45ª edição”, completou.

Nos próximos meses, serão distribuídos mais 14 NPDs em cidades a serem definidas. Os equipamentos foram adquiridos, por meio de licitação, pela Secretaria do Audiovisual e estão armazenados no Centro Técnico do Audiovisual (CTAv), unidade do Ministério da Cultura localizada no Rio de Janeiro.

Olhar Brasil

Com a distribuição dos Núcleos de Produção Digital (NPD), o Ministério da Cultura retoma o programa Olhar Brasil, lançado a primeira vez em 2005. O programa estabelece um novo pacto entre o setor audiovisual e a Secretaria do Audiovisual, com o empoderamento local, a descentralização, a democratização e a governança compartilhada da política pública para o setor.

Na última semana de setembro, a Secretaria do Audiovisual vai realizar, na Cidade de Goiás (GO), um seminário para discutir um modelo de gestão para os NPDs. “O ideal é que os Núcleos estejam abertos à comunidade e, sobretudo, que atendam à população”, afirmou João Batista da Silva. “Queremos ouvir todos os participantes do Programa Olhar Digital, todos aqueles que compõem os Núcleos Digitais, mesmo os antigos, e os institutos federais que têm curso de audiovisual. O objetivo é identificar quais são os potenciais de cada região, quais áreas precisam ser mais bem exploradas. A partir desse diagnóstico, iremos elaborar um plano de trabalho para orientar as atividades dos núcleos nesta nova fase do programa”, completou.

Os Núcleos de Produção Audiovisual devem funcionar como um centro de qualificação e de produção não comercial, fortalecendo a cadeia produtiva local. Devem ser um multiplicador de conhecimento, promovendo cursos, oficinas e palestras de aperfeiçoamento técnico para a comunidade. Poderão estar articulados com as outras políticas da Secretaria do Audiovisual, tais como o Cine Mais Cultura, projeto que estimula a formação de cineclubes e a aproximação do cidadão à diversidade cultural do país.

Fonte: ASCOM MinC

16 estados vão receber kits de produção audiovisual do MinC

14.07.2017 – 19:55

ana

Secretaria de Audiovisual formaliza a primeira entrega do Núcleo de Produção Digital (Foto: Janine Moraes/Ascom MinC)

O Ministério da Cultura, por meio da Secretaria do Audiovisual (SAv), relançou nesta sexta-feira (14), o Programa OIhar Brasil com o projeto Núcleos de Produção Digital (NPDs). O projeto consiste em entregar kits com equipamentos de produção audiovisual nas diversas regiões do País. É uma política pública de formação, produção, difusão e regionalização do audiovisual. O primeiro NPD foi entregue na tarde desta sexta para a Secretaria de Cultura do Estado Amapá. A parceria foi formalizada por meio da assinatura de um Acordo de Cooperação Técnica, firmado pelo secretário de cultura do Amapá, Giodilson Borges. Até o final do ano serão entregues mais 16 núcleos em cidades que serão definidas pela SAv.

“Esse projeto tem uma relação intrínseca com a educação e o audiovisual é utilizado como uma ferramenta de mobilização do próprio estudante. Inclusive alguns NPDs estão localizados dentro de institutos federais”, enfatizou o diretor do Departamento de Políticas Audiovisuais e Secretário substituto da SAv, João Batista da Silva. Para ele, o programa tem um enorme potencial de crescimento, especialmente entre os jovens.

A SAv promoveu uma licitação para assegurar a montagem dos kits que vão fazer parte dos NPDs, sejam dos núcleos novos ou de atualização dos já existentes. Atualmente existem Núcleos de Produção Digital em 23 Unidades da Federação, totalizando mais de 30 núcleos em todo o País. Os novos equipamentos adquiridos pelo MinC estão armazenados no Centro Técnico do Audiovisual (CTAv), unidade do Ministério da Cultura.
Seminário
Na última semana de setembro, a Secretaria do Audiovisual vai realizar um seminário na Cidade de Goiás (GO) para discutir um modelo de gestão para os NPDs. “O ideal é que esteja aberto à comunidade, e, sobretudo, atenda à população. Queremos ouvir todos os participantes do Programa Olhar Digital, todos aqueles que compõem os Núcleos Digitais, mesmo os antigos. Além desses, todos os institutos federais que têm curso de audiovisual estarão representados. O objetivo é identificar quais são os potenciais de cada região, quais áreas precisam ser melhor exploradas. A partir desse diagnóstico, iremos elaborar um plano de trabalho, que deverá orientar as atividades dos núcleos nesta nova fase do programa”, destacou João Batista.

Com a retomada do programa, o Ministério da Cultura estabelece um novo pacto entre o setor audiovisual e a Secretaria do Audiovisual, com o empoderamento local, a descentralização, a democratização e governança compartilhada da política pública. Além do tradicional mercado de filmes de longa-metragem e de curta-metragem, os criadores do audiovisual passaram também a pensar em produções organizadas para novas plataformas (internet, celulares etc.).

Cada NPD recebe equipamentos de produção e edição audiovisual digital. O Núcleo deve funcionar como um centro de qualificação e de produção não comercial, fortalecendo a cadeia produtiva local. O NPD deve ser um multiplicador de conhecimento, promovendo cursos, oficinas e palestras de aperfeiçoamento técnico para a comunidade.

Os NPDs poderão se articular com as outras políticas da SAv, tais como o Cine Mais Cultura, projeto que estimula a formação de cineclubes e a aproximação do cidadão à diversidade cultural do país; e a Programadora Brasil, que, através de seu catálogo, tem o papel fundamental de organizar e difundir os conteúdos audiovisuais brasileiros de forma qualificada.

A rede e a governança

Os Núcleos, quando implantados dentro desse novo sistema, integrarão a rede nacional dos NPDs, gerida pela Secretaria do Audiovisual, estando sujeitos ao modelo operacional da Rede, que será coordenada pelo Centro Técnico Audiovisual (CTAv). A coordenação deve articular o intercâmbio das obras audiovisuais, fomentar a formação técnica e a troca de experiências entre núcleos e, ainda, manter e disseminar um banco de informações sobre os núcleos, estimulando o acesso ao conhecimento e o aperfeiçoamento técnico do setor.

Será constituído um Comitê Gestor para cada Núcleo de Produção Digital, composto pela SAv, por entes públicos locais e sociedade civil organizada do setor cultural, em especial, audiovisual, que se estabelecerá enquanto ponto focal de discussão e articulação junto à Secretaria do Audiovisual na formulação, difusão e implementação da política audiovisual nacional. Anualmente, haverá uma reunião de alinhamento das políticas públicas do audiovisual, convocada e presidida pela SAv, com representantes de cada Comitê Gestor.

Cada Núcleo atuará de forma integrada com os pontos de exibição não comercial presentes na região (unidades do Cine Mais Cultura e outros cineclubes), formando polos de desenvolvimento do audiovisual local.  A produção audiovisual resultante deles também circulará na rede dos NPDs.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

Fonte: ASCOM MinC