Você está aqui:
Secretaria Especial da Cultura e FBB discutem projetos para Estação Cidadania

Ricardo Braga conversou com diretor executivo da Fundação Banco do Brasil sobre projetos de educação para a unidade de Brumadinho (MG)

Da esquerda para a direita, Ricardo Braga, Paulo Nakamura e Rogério Biruel (Foto: Clara Angeleas/Ministério da Cidadania)

Brasília/DF – O Ministério da Cidadania e a Fundação Banco do Brasil vão desenvolver em parceria projetos de educação profissionalizante na Estação Cidadania de Brumadinho, em Minas Gerais. A parceria foi debatida em reunião entre o secretário especial da Cultura, Ricardo Braga, o secretário de Difusão e Infraestrutura Cultural, Paulo Nakamura, e o diretor executivo da fundação, Rogério Biruel.

Localizadas em regiões de alta vulnerabilidade social, as Estações Cidadania reúnem, em um só espaço, ações de cultura, esportes, assistência social e capacitação profissional, além de políticas de prevenção à violência. A unidade do município mineiro possui três mil metros quadrados, nos quais abriga uma praça, um Centro de Referência de Assistência Social (Cras), além de biblioteca, sala de informática, cineteatro e quadra poliesportiva.

A Estação Cidadania de Brumadinho integra o pacote de medidas para recuperação do município, a chamada Aliança por Brumadinho, coordenada pelo Ministério da Cidadania. “São iniciativas que estão ajudando a alavancar novamente Brumadinho e dar uma condição de vida melhor para aquela população. A Estação Cidadania é quase um reflexo do Ministério da Cidadania, porque nós temos agora o Esporte, a Cultura e o Desenvolvimento Social. Hoje, uma Estação Cidadania é uma integração desses principais pilares”, ressalta Nakamura.

Entre as empresas parceiras da Aliança por Brumadinho está a Fundação Banco do Brasil. Na reunião com os secretários do Ministério da Cidadania, realizada na quinta-feira (10), o diretor Rogério Biruel afirmou que a instituição vai contribuir para a recuperação do município, ofertando profissionalização à comunidade que vive no entorno do local. O objetivo, segundo ele, é ampliar as oportunidades da população no mercado de trabalho.

“É um projeto de basicamente disponibilizar cursos de educação profissionalizante para a população que fica na região da Estação Cidadania e tentar contribuir, de alguma maneira, para melhorar as habilidades das pessoas e as oportunidades de empregabilidade”, relata.

Dentro do projeto proposto pela Fundação Banco do Brasil, devem ser ofertados cursos de informática, artesanato, música e educação financeira, entre outros. As aulas serão ministradas na própria Estação Cidadania, localizada no bairro Cohab.

Aliança por Brumadinho – Trata-se de um pacote de medidas que visa a reconstrução do município, a recuperação da atividade econômica e o resgate da autoestima da comunidade, com ações nas áreas de desenvolvimento social, educação, saúde, cultura, esporte, infraestrutura, meio ambiente e segurança.

Por Renata Garcia

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estação Cidadania leva esporte, cultura e assistência social a moradores de Teresina

Foto: Rafael Zart

Teresina, capital do Piauí, ganhou neste sábado (31) uma Estação Cidadania, espaço que integra programas e ações culturais, práticas esportivas e de lazer, formação e qualificação profissional, serviços socioassistenciais e políticas de prevenção à violência. Localizado no Vale do Gavião, região de alta vulnerabilidade econômica e social, o espaço recebeu investimento de R$ 3,7 milhões do governo federal, por meio do Ministério da Cidadania.

Presente à solenidade de inauguração, que contou com a participação maciça de moradores da região, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, destacou que espaços com as Estações Cidadania contribuem para a geração de oportunidades nas áreas do esporte, da cultura e do desenvolvimento social. “A Estação Cidadania garante aos jovens das famílias mais pobres, das periferias, um espaço para praticar atividades esportivas e culturais fora do horário da escola”, afirmou. “Está cheio de talento adormecido que, se não tiver um espaço deste, nunca irá despertar. Além disso, é muito importante para a prevenção da violência e do uso de drogas”, defendeu.

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, comemorou a inauguração do espaço. “É uma alegria muito grande receber esta Estação Cidadania tão bonita, que vai atender todo o Vale do Gavião. Esse equipamento, para nós, é fundamental porque permite que os jovens da comunidade possam ter um espaço para lazer, atividades esportivas e culturais, para que possam completar a educação que já é feita em sala de aula”, destacou. Cerca de 100 mil pessoas vivem no entorno da Estação.

O secretário especial adjunto da Cultura do Ministério da Cidadania, José Paulo Soares Martins, destacou que um dos principais diferenciais das Estações Cidadania é a possibilidade de unir ações de cultura, esportes e assistência social. “É muito importante podermos trabalhar a comunidade de forma integrada em temas que certamente trazem um impacto importante na formação da cidadania, principalmente de crianças e jovens, mas também de outros segmentos da população, inclusive idosos”, afirmou.

Ex-jogador de futebol da seleção brasileira, o secretário nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social do Ministério da Cidadania, Washington Stecanela Cerqueira, ressaltou a importância de as Estações Cidadania estarem localizadas em regiões de alta vulnerabilidade econômica e social. “São exatamente áreas como esta que nós temos de atacar. Dar a oportunidade do esporte para as crianças, tirando das ruas, livrando da drogadição, da bandidagem, é um avanço, tem uma importância muito grande”, comentou.

Estrutura

A Estação Cidadania Professor Carlos Said conta com um ginásio poliesportivo com arquibancada para até 181 lugares e estrutura para prática de esporte de alto rendimento, área de apoio (administração, sala de professores, vestiários, chuveiros, enfermaria, copa, depósito e sanitário público), academia e estruturas de atletismo.

Moradora do Vale do Gavião, Gracilene Santos acredita que a Estação Cidadania trará diversos benefícios para a população. “Vai ser muito proveitoso, vai estimular bastante os jovens. Estávamos precisando de uma estrutura como esta para desenvolver nossas crianças. Aqui não tinha nenhum tipo de atividade para elas, era preciso ir para outro bairro. Então estou muito feliz e agradecida”, afirmou.

Em 2019, além de Teresina, já foram inauguradas 11 Estações Cidadania no país: Araçatuba (SP), Arujá (SP), Brumadinho (MG), Canindé (CE), Canoas (RS), Cariacica (ES), Floriano (PI), Ponta Grossa (PR), Porto Alegre (RS), Tanguá (RJ) e São Vicente (SP). A meta é inaugurar cerca de 60 Estações até o fim do ano.

“A cada inauguração, a gente vê realmente que há um benefício imediato. A curto prazo, já vemos a criançada utilizando mesmo antes da abertura oficial. A médio prazo, temos uma série de iniciativas que o Ministério da Cidadania está trazendo. E, a longo prazo, é possível garantir uma vida melhor, por exemplo, para uma criança que tiramos da rua ou para jovens que participam de programas de empreendedorismo”, destaca o secretário de Difusão e Infraestrutura Cultural do Ministério da Cidadania, Paulo Nakamura.

Centro de Convivência da Pessoa Idosa

Também na capital piauiense, o ministro Osmar Terra participou da inauguração do Centro de Convivência da Pessoa Idosa. A unidade possui laboratório de informática, auditório e refeitório. Localizado no Conjunto Jatobá, o centro, que recebeu investimento de R$ 630 mil do governo federal, vai promover oficinas de artesanato, palestras, rodas de dança e canto, entre outras atividades. Cerca de 80 mil pessoas vivem no entorno do local.

No país, mais de 8 mil Centros de Convivência atendem cerca de dois milhões de pessoas. Desses, mais de 413 mil são idosos, o que representa 19,7% do total. Nesses espaços são ofertados os Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, que trabalham para fortalecer o convívio familiar e comunitário, a melhoria da qualidade de vida das pessoas idosas e sua inclusão social, prevenindo o isolamento e outras situações de risco.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ministério da Cidadania capacita gestores de Estações Cidadania
Evento em Aparecida de Goiânia reuniu representantes de 11 unidades de seis estados. Objetivo é trocar informações para melhor gestão das Estações

publicado: 09/08/2019 19h49, última modificação: 09/08/2019 19h49
Foto: Divulgação

A Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania reuniu, nesta quinta-feira (8), em Aparecida de Goiânia (GO), representantes de 11 Estações Cidadania localizadas em seis estados do Brasil. O evento teve o objetivo de capacitar os gestores das unidades em relação à implantação dos equipamentos, ao planejamento da gestão e a manutenção e sustentabilidade das atividades. O encontro também foi palco de intercâmbio de experiências e de debates sobre os principais desafios encontrados no dia a dia dos equipamentos.

Estiveram presentes ao evento, denominado 4º Ciclo de Ativações Regionais das Estação Cidadania, 65 participantes dos grupos gestores de Estações Cidadania localizadas nos municípios de Trindade, Senador Canedo, Valparaíso de Goiás, Jataí e Aparecida de Goiânia (2), em Goiás; Ituiutaba e Patrocínio, em Minas Gerais; Luís Eduardo Magalhães, na Bahia; São Felix do Xingu, no Pará; Queimados, no Rio de Janeiro; e São Paulo (SP).

“O evento foi muito bom porque, além de conhecer os representantes dos grupos gestores de diversas praças, foi possível trocar informações e conhecimentos e cada um pôde aprender um pouco com as experiências dos outros”, destacou o secretário de Difusão e Infraestrutura Cultural do Ministério da Cidadania, Paulo Nakamura.

“O ciclo de ativação busca aprimorar o trabalho realizado nas Estações Cidadania. Esse intercâmbio é importante para identificarmos erros, deficiências, ouvirmos sugestões de melhoria que possam ser implantadas nas demais estações, inclusive nas ainda não inauguradas”, completou.

O secretário de Cultura e Turismo de Queimados, Marcelo Lessa, que integra o grupo gestor da Estação Cidadania do município, parabenizou o Ministério da Cidadania pela realização do evento. “Tivemos a oportunidade de conhecer a realidade de outras Estações Cidadania e de conhecer pessoas que acreditam que, por meio desse equipamento cultural, podemos transformar a vida das pessoas, agregando cultura, esporte, descobrindo talentos e ajudando a inseri-los no mercado de trabalho”, afirmou.

“A Estação Cidadania transforma a localidade em que está inserida, porque onde há cultura e incentivo para as pessoas desenvolverem suas capacidades, a tendência é a diminuição da violência. Espero que haja mais encontros como este para que possamos trocar experiências e aprendizados”, ressaltou.

Sobre as Estações Cidadania

Localizadas em regiões de alta vulnerabilidade social, as Estações Cidadania reúnem ações de cultura, esportes, assistência social e capacitação profissional, além de políticas de prevenção à violência, em um único espaço. Em 2019, 11 Estações Cidadania já foram inauguradas. A gestão do local é compartilhada entre as prefeituras e a comunidade, com a formação de um grupo gestor composto pela sociedade civil organizada, moradores e secretarias municipais.

Até o momento, já foram inauguradas 200 Estações Cidadania no Brasil. No total, está programada a construção de 329 Estações em 311 municípios do País, o que corresponde a um investimento de R$ 817,6 milhões, sendo R$ 725,06 milhões da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania e R$ 92,54 milhões de contrapartida das prefeituras municipais.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CEUs promovem cidadania em comunidades carentes pelo Brasil

Centros de Artes e Esportes Unificados contribuem para redução de 16% na taxa de evasão escolar e 8% nas chances de homicídio; melhoria da segurança pública, saúde e infraestrutura local, mostra pesquisa da UFPE

(publicado: 26/02/2019 11h32, última modificação: 01/03/2019 20h24)

Após iniciar atividades físicas no CEU de Ceará-Mirim (RN), Élida de Sena melhorou a saúde e conseguiu engravidar da filha Eloah (Fotos: Clara Angeleas/Ministério da Cidadania)

Há sete anos, Élida Simony Silva de Sena, de Ceará-Mirim (RN), teve uma trombose e ouviu do médico que teria dificuldade em andar e que nunca poderia ser mãe. Sua realidade mudou quando conheceu o Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU) e começou a praticar exercícios por meio do Projeto Viver Bem. “As atividades físicas mudaram muito a minha vida. As dores foram embora. E, ao contrário do que diziam os médicos, consegui engravidar e, graças a Deus, está aqui a Eloah, minha filha, com muita saúde”, comemora.

Assim como aconteceu com Élida, os CEUs estão transformando a realidade e garantindo cidadania a moradores de mais de 180 comunidades carentes distribuídas por todo o Brasil. Pesquisa realizada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) de fevereiro a novembro de 2018 mostra melhorias em indicadores educacionais, de segurança pública e de saúde em comunidades onde já foram inaugurados CEUs. Depoimentos de frequentadores e dirigentes dos centros também revelam aumento da qualidade de vida, aperfeiçoamento da infraestrutura local e mais oportunidades para as regiões atendidas e seus habitantes.

Segundo a pesquisa da UFPE, as escolas localizadas próximas aos CEUs registraram redução média de 16% na taxa de evasão escolar no Ensino Fundamental e de 15% no Ensino Médio e as comunidades onde estão os centros tiveram queda de 8% nas chances de homicídios. Além disso, os CEUs contribuíram para a redução de 1,3 ponto percentual nas internações por hipertensão e infarto.

A pesquisa da UFPE foi feita com base em informações de diversas bases de dados nacionais, como as do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), comparando, por exemplo, municípios com perfis semelhantes e o que mudou desde a entrada dos CEUs nessas localidades. Também foram entrevistados gestores dos CEUs inaugurados. Em uma segunda etapa, serão divulgados indicadores sobre o efeito dos CEUS na inserção dos moradores das regiões atendidas no mercado formal de trabalho e retornos salariais e os reflexos nos indicadores de bem-estar social, como iluminação pública, e crescimento econômico, entre outros.

Vitalidade

“O CEU é a casa acolhedora da família humilde. Mudou a qualidade de vida das pessoas da comunidade. Esta região, antes, era uma zona vermelha, um campo de prática de violência. Hoje, é um lugar onde as crianças vêm, jogam bola, frequentam a biblioteca, pegam gosto pela leitura. Ou seja, aprendem, praticam esporte e não ficam ociosos. O CEU é tudo na vida dessas comunidades”, destaca o coordenador do CEU de Ceará-Mirim (RN), Múcio Vicente de Oliveira.

Os CEUs têm incentivado várias crianças a tomarem gosto pela leitura

Em Breves, na Ilha de Marajó (PA), uma antiga usina, onde tinha muita criminalidade e uso de drogas, deu lugar ao CEU. A mudança na comunidade foi radical. “O centro agregou valores muito importantes à nossa comunidade. Temos neste espaço projetos de saúde, vacinação, atividades culturais, como danças, e esportivas, como caratê, futebol, vôlei e handebol”, destaca Mário Vale, funcionário da prefeitura e frequentador do CEU. “Quando o Estado se faz presente, tudo melhora. Agora temos mais segurança, acesso a serviços sociais por meio do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Até o comércio sentiu a diferença. Tem quiosque com lanche e os supermercados do entorno aumentaram as vendas”, completa.

Também moradora de Breves, a assistente social Marcela do Amaral Farias destaca que o CEU trouxe aos habitantes da cidade oportunidades antes inexistentes. “A gente percebe pessoas que não tinham oportunidade de ter acesso a uma sala de cinema, a uma quadra, a uma arena. E hoje a Praça CEU oferece isso”, afirma. “Muitos grupos culturais, antes sem espaço e sem visibilidade, hoje têm o CEU. A gente realmente precisava muito deste espaço”, ressalta.

O coordenador do CEU de Breves, Portuga Vieira, conta que o centro tem contribuído para a melhoria da saúde e da qualidade de vida dos frequentadores. “Temos pessoas aqui que não estão indo mais ao hospital porque estão praticando exercício. A pessoa vem, caminha, faz esporte, uma aula de dança”, exemplifica. “O CEU é um instrumento de transformação social. Antes havia muitos jovens jogados, no caminho do crime, e agora não mais”, conta.

Em Aparecida de Goiânia (GO), o CEU contribui para a melhoria da infraestrutura da região onde está localizado. “Depois da vinda do CEU, melhorou o comércio, várias lojas abriram em torno da praça. Vários comerciantes dizem que, sem o CEU, o comércio não teria vida”, conta o coordenador do Centro, Washington Arruda. “Até o transporte melhorou. Antes, praticamente não tinha transporte coletivo e agora tem uma linha rápida que passa por aqui e vai cruzando outros bairros. E as avenidas também foram ampliadas”, completa.

Professor voluntário de zumba, um exercício físico aeróbico baseado em movimentos de danças latinas, no CEU de Aparecida de Goiânia, Edson Ferreira conta que o Centro tem possibilitado que os moradores tenham contato, pela primeira vez, com algumas expressões artísticas. “Esta comunidade nunca tinha recebido um cinema. Esses dias a gente fez um festival de cinema ao ar livre. A maior parte das pessoas também nunca tinha assistido a uma peça teatral, e já foram encenadas três peças aqui no CEU. A cultura tem feito as pessoas mudarem os hábitos”, destaca.

CEUs

Construídos por meio de parceria entre o Ministério da Cidadania e prefeituras, os CEUs reúnem, em um só espaço, atividades culturais, esportivas, de lazer, de assistência social e de formação profissional, com foco em comunidades de alta vulnerabilidade econômica e social. Até o momento, foram inaugurados 186 Centros e está prevista a construção de outros 145, totalizando 331, localizados em todas as unidades da Federação. O programa prevê um investimento de R$ 816.794.780,62, sendo R$ 729.066.324,37 do Ministério da Cidadania e R$ 87.728.456,25 de contrapartida dos municípios.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MinC premia CEUs com investimento total de R$ 450 mil

05.11.2018 – 17:50

O Ministério da Cultura (MinC) publicou, nesta segunda-feira (5), o resultado final do Prêmio para Iniciativas Socioculturais desenvolvidas nos Centros de Artes e Esportes Unificados (CEUs). A divulgação foi realizada no Diário Oficial da União (DOU) e prevê investimento total de R$ 450 mil reais.

Foram classificados 58 projetos, sendo que os 30 melhores receberão a premiação, de R$ 15 mil cada. O prêmio é destinado a ações e atividades realizadas nas instalações das Praças CEUs inauguradas que beneficiem as comunidades, fortalecendo expressões socioculturais locais e regionais e promovendo a cidadania, o bem-estar e o desenvolvimento social e sustentável.

O edital definiu as seguintes categorias: Promoção da educação e da formação artística e cultural, nas mais diversas linguagens; Promoção do desenvolvimento social com intersetorialidade; Promoção da interseção entre cultura, bem-estar e saúde; Prevenção à violência; Iniciativas promovidas por jovens ou coletivos de jovens; Capacitação e qualificação para o trabalho, promoção do associativismo e da Economia Solidária.

Uma comissão técnica de seleção, composta de 12 membros (seis titulares e seis suplentes), foi responsável pela avaliação das iniciativas. Os critérios de avaliação e seleção estão disponíveis no edital. Acesse aqui o documento completo.

 

CEUS

Os Centros de Artes e Esportes Unificados integram ações culturais, práticas esportivas e de lazer, formação e qualificação para o mercado de trabalho, serviços socioassistenciais, políticas de prevenção à violência e de inclusão digital. O espaço possui biblioteca, cineteatro, laboratório multimídia, salas de oficinas, edifícios multiuso, Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e pista de skate. Os CEUs de 3 mil e 7 mil metros quadrados ainda contam com quadra coberta, playground e pista de caminhada. Foram inaugurados, até o momento, 179 Praças CEUs.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação / Ministério da Cultura

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CEUs: confira lista de habilitados por iniciativas socioculturais

3.10.2018 – 14:21

O Ministério da Cultura (MinC), por intermédio da Secretaria de Difusão e Infraestrutura Cultural (Seinfra), anuncia nesta quarta-feira (3) a lista com o resultado final das iniciativas habilitadas a participar da seleção do edital que premiará ações socioculturais desenvolvidas nas Praças CEUs (Centro de Artes e Esportes Unificados). Veja aqui a lista dos 69 habilitados.

O edital de Seleção nº 01/2018 é resultado de uma parceria do MinC com os Ministérios do Desenvolvimento Social, Esporte, Justiça, Trabalho e Saúde, e a Secretaria Nacional da Juventude da Presidência da República.

O certame é composto por cinco categorias: Promoção da educação e da formação artística e cultural, nas mais diversas linguagens; Promoção do desenvolvimento social com intersetorialidade; Prevenção à violência; Iniciativas promovidas por jovens ou coletivos de jovens; e Capacitação e qualificação para o trabalho, promoção do associativismo e da Economia Solidária.

A previsão é de premiar, no mínimo, 30 iniciativas, sendo selecionadas as cinco mais bem pontudas em cada categoria. A ideia é fortalecer as expressões socioculturais locais e regionais que promovem cidadania, bem-estar e o desenvolvimento social e sustentável das comunidades onde as Praças CEUs estão inseridas.

CEUs

Os CEUs são equipamentos públicos estatais localizados em áreas de vulnerabilidade social de cidades brasileiras, tendo como objetivo oferecer ações culturais, práticas esportivas e de lazer, atividades de formação e qualificação para o mercado de trabalho, além de serviços socioassistencias.

Há três modelos de CEUs, em lotes de 700 m², de 3 mil m² e de 7 mil m². Cada um deles prevê um investimento específico por parte da União, sendo R$ 2,71 milhões, R$ 2,02 milhões e R$ 3,5 milhões, respectivamente.

A construção dos CEUs é feita por meio de parceria entre a União e municípios. Quando inauguradas, essas praças são entregues à comunidade, passando a ser administradas por um grupo gestor formado por representantes do poder público municipal, da sociedade civil organizada (ONGs e Pontos de Cultura) e de moradores locais. Cento e setenta e nove unidades já foram inauguradas nas cinco regiões do País.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação / Ministério da Cultura

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *