Você está aqui:
Largo Dom João e Praça Sagrado Coração de Jesus, em Diamantina (MG), serão requalificados

Dois importantes espaços públicos de Diamantina (MG), o Largo Dom João e a Praça Sagrado Coração de Jesus serão totalmente requalificados. Localizados no limite do Centro Histórico da cidade, que é reconhecido como Patrimônio Mundial, eles receberão investimentos de R$ 8 milhões do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia do Ministério do Turismo. As obras, que serão executadas pela Prefeitura Municipal, terão início na próxima quarta-feira, dia 15 de julho.

A proposta da intervenção é promover a readequação da área, unificando os dois espaços, visando oferecer mais qualidade de vida para os moradores e a melhoria da ambiência urbana. Serão implantados nova infraestrutura (incluindo aspectos hidrossanitários e luminotécnicos), equipamentos urbanos, sinalização e paisagismo. O espaço também passará a ter as condições necessárias para receber eventos públicos de grande porte, diminuindo a sobrecarga no Centro Histórico.

Investimentos no Patrimônio Cultural de Diamantina

O Largo Dom João e a Praça Sagrado Coração de Jesus estão, atualmente, separados pela linha férrea da Estação Ferroviária, em área de preservação complementar ao conjunto urbanístico e arquitetônico de Diamantina. A obra de requalificação urbanística é parte de uma série de investimentos e ações conduzidas pelo Iphan na cidade, que inclui também a requalificação da Praça JK, concluída em 2017, e a restauração do Casarão dos Orlandi, que está em execução. Nos últimos anos, cerca de R$ 4,6 milhões foram investidos pela autarquia federal na cidade, em obras que contam com a parceria da Prefeitura Municipal.

O conjunto de Diamantina foi tombado pelo Iphan em 1938 e reconhecido pela Unesco, como Patrimônio Mundial, em 1999. A cidade chegou a ser, ainda no século XVIII, o maior centro de extração de diamantes do mundo, o que refletiu na sua evolução e formação do espaço urbano, emoldurado pela Serra dos Cristais. Ainda hoje seu Centro Histórico encontra-se bastante íntegro, com monumentos e marcos significativos da passagem do tempo – desde os primeiros anos de ocupação até as obras de Oscar Niemeyer no século XX.

Mais informações para a imprensa

Assessoria de Comunicação Iphan
comunicacao@iphan.gov.br
André Brasil – andre.nogueira@iphan.gov.br
(31) 3222-2440

www.iphan.gov.br

www.instagram.com/IphanGovBr | www.facebook.com/IphanGovBr
www.twitter.com/IphanGovBr | www.youtube.com/IphanGovBr

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Igreja de Itapanhoacanga, em Minas Gerais, será restaurada

Importante bem tombado individualmente pelo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e representante singular da arquitetura religiosa de Minas Gerais, a Igreja Matriz de São José de Itapanhoacanga, em Alvorada de Minas (MG), será restaurada. As obras são frutos de um Termo de Compromisso firmado entre o Iphan e a Anglo American no valor de R$ 4 milhões.

Serão executadas obras civis e serviços de elementos artísticos, além de implantação de sistema de proteção de descargas atmosféricas, alarme e proteção a incêndios, hidrossanitário e sonorização. A previsão é de 24 meses para a entrega da igreja totalmente restaurada à comunidade.

Construída em 1785 como capela filial da Matriz da Vila do Príncipe (atual município de Serro), a Igreja ostenta belas pinturas decorativas de Manuel Antônio, compondo‐se de 12 painéis que representam cenas da vida de São José e da infância de Jesus. Tombada em 1972, a igreja passou por obras de restauração entre os anos 1999 e 2000.

O povoado de Itapanhoacanga, que pertencia ao antigo distrito do Serro do Frio, passou a pertencer ao município de Alvorada de Minas em 1962. Por muito tempo foi antigo pouco no Caminho dos Diamantes e da Estrada Real, que ligava o Serro a Ouro Preto.

Mais informações para a imprensa

Assessoria de Comunicação Iphan
comunicacao@iphan.gov.br
André Brasil – andre.nogueira@iphan.gov.br
(31) 3222-2440

1 Comentário

  1. Jordane

    Este é o sonho d todos da comunidades ver está obra comcuida pois é muito triste ver uma marco da cidade sendo consumida pelo tempo e ninguém fazer nada pelo lugar parabéns pela iniciativa

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Igreja Matriz Espírito Santo

A cidade de Jaguarão (RS) encerra o ano de 2019 em festa. Nos próximos dias, a população receberá o resultado de duas importantes obras de restauração: a Igreja Matriz do Divino Espírito Santo e o Mercado Público Municipal. Juntas, elas somam investimentos de R$ 13,5 milhões advindos do Governo Federal, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), gerando benefícios para toda a região.

A primeira a ser entregue será a restauração e ampliação da Igreja Matriz do Divino Espírito Santo, localizada na Praça Dr. Alcides Marques. Todo o templo recebeu intervenções, com a recuperação de toda a parte interna, altares e áreas administrativas, além da construção de um novo salão paroquial e memorial histórico. A obra foi executada pela Prefeitura Municipal e teve o apoio da Paróquia do Divino Espírito Santo, recebendo recursos de mais de R$ 8 milhões do Iphan.

Construída em estilo eclético, em 1846, a Igreja Matriz é um dos marcos no núcleo formador de Jaguarão. Após três anos fechada para as obras de restauração, será reaberta ao público na próxima sexta-feira, dia 20, às 20h, em evento com extensa programação religiosa e cultural, incluindo apresentações musicais e uma benção no local. Para encerrar a solenidade, os sinos da Igreja serão tocados ao mesmo tempo que os das demais capelas ao Divino Espírito Santo na região.

Mercado Público MunicipalJá no dia 26 de dezembro será a vez de o Mercado Público reabrir as portas. A edificação de estilo colonial, construída entre 1864 e 1867, é representativa do assentamento urbano no território de fronteira, já que se encontra em local estratégico na divisa entre o Brasil e o Uruguai, e foi, durante anos, símbolo do comércio entre os dois países. A obra de restauração contemplou todo o edifício, com a realização de serviços como restauro das coberturas e dos forros, pintura geral, estabilização estrutural e a implantação de um Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio e de Sistema de Proteção contra descargas atmosféricas.

A obra, executada pela Prefeitura Municipal, com recursos de R$ 5,3 milhões do Iphan, também propõe a retomada dos usos do local, com a instalação de restaurantes e lojas de artesanato e outros produtos. Ao todo, são sete espaços disponíveis para comercialização, sendo que três deles já estarão ocupados no dia da reabertura do Mercado. A proposta é que, assim, o espaço retome sua importância na dinâmica econômica e cultural da cidade, atraindo moradores e turistas para a região do Centro Histórico.

Investimentos no Patrimônio Cultural
O conjunto histórico e paisagístico de Jaguarão é protegido pelo Iphan, por meio do tombamento, desde 2011. Ele inclui uma série de edificações, a exemplo do Mercado e da Igreja Matriz, que vêm sendo conservadas como parte do simbólico Patrimônio Cultural Brasileiro no Rio Grande do Sul, representativas da história e da formação do Estado. Nesse sentido, nos últimos anos, o Iphan tem feito uma série de investimentos no local, somando recursos de R$ 14,3 milhões já investidos em obras e projetos. Além das duas obras que estão sendo concluídas agora, o Teatro Esperança também foi restaurado pela instituição. No Estado como um todo, esses recursos já alcançam quase R$ 38 milhões, incluindo intervenções nas cidades de Porto Alegre, Pelotas e São Miguel das Missões.

Serviço:
Entrega da restauração da Igreja Matriz do Divino Espírito Santo
Data:
20 de dezembro de 2019, às 20h
Local: Praça Alcides Marques, nº 35 – Jaguarão/RS

Entrega da restauração do Mercado Público Municipal
Data:
26 de dezembro de 2019, às 19h
Local: Rua General Marques – Jaguarão/RS

Assessoria de Comunicação
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)

comunicacao@iphan.gov.br
Déborah Gouthier – deborah.gouthier@iphan.gov.br
(61) 2024-5516 – 2024-5533
www.iphan.gov.br
www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Região dos Sete Povos das Missões (RS) é certificada como Patrimônio Cultural do Mercosul

A Certificação foi realizada em São Miguel das Missões. Evento também contou com abertura de exposição que narra história da região

São Miguel das Missões/RS – As Missões Jesuíticas Guaranis, Moxos e Chiquitos, em São Miguel das Missões (RS), foram certificadas como Patrimônio Cultural do Mercosul. Os ministros da Cultura do Mercosul participaram da entrega do certificado, nesta segunda-feira (11), durante solenidade em São Miguel das Missões. O bloco é formado por Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina. Na ocasião, foi lançado o Dossiê da Tava – que oficializa a certificação – e realizada a abertura da “Exposição 7 Povos: Retratos de um Território”.

Foto: Mauro Vieira/Ministério da Cidadania

A região missioneira representa a cultura e a identidade do Rio Grande do Sul. É uma das localidades que recebe foco do governo federal para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida das cidades brasileiras, por meio de seu Patrimônio Cultural. Na solenidade, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, comemorou o reconhecimento do Mercosul. “Receber o título de Patrimônio Cultural do Mercosul abre as portas para que se criem políticas públicas entre os países do bloco e se consigam recursos públicos para investir e fazer com que todo esse patrimônio seja preservado e desenvolvido”, observou.

Em fevereiro deste ano, foi autorizado início das obras de requalificação urbanística em torno do sitio arqueológico. Na solenidade, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, destacou o potencial turístico e cultural da região. “Nós estamos juntando três atividades em uma: atividade de reconhecimento cultural, reconhecimento turístico, porque vai possibilitar um incremento do turismo, e de desenvolvimento econômico. Para a região noroeste do estado, isso é muito importante. Talvez seja o maior passo que vai se dar na direção de acelerar o desenvolvimento econômico nos próximos dez anos”, declarou Terra.

Entre as melhorias, estão previstos um novo pavimento de pedra, ciclovias com pavimento rígido, calçadas com pavimento de concreto e telas de aço, acessibilidade, trilhas, paisagismo e a requalificação de três praças. A melhoria da infraestrutura urbana deve também melhorar as condições de habitabilidade, drenagem e tráfego.

Dossiê da Tava

Na cerimônia, o ministro Osmar Terra, atual presidente pro tempore do Mercosul, recebeu o Dossiê da Tava, que reúne os estudos que levaram a região das Missões ao reconhecimento do Mercosul. A titulação representa o reconhecimento da presença ancestral dos povos Guaranis no território Yvy Rupá, organizados em uma rede étnica formada por aldeias, caminhos e locais sagrados que hoje integram o Brasil, a Argentina e o Paraguai.

A Tava é um documento de referência para a memória e a identidade do povo Guarani. Construída e habitada por seus ancestrais a pedido de sua divindade, Nhaderu, o lugar sagrado foi registrado pelo Iphan como Patrimônio Cultural do Brasil e, em 2018, foi reconhecido como Patrimônio Cultural do Mercosul.

Parceria

O ministro da Cultura do Paraguai, Rubén Capdevila, também recebeu o documento. A partir desta terça-feira (12), ele assume a presidência Pro Tempore do Mercosul. Em fala, ele ressaltou querer manter o trabalho que vem sendo executado e apoiou o reconhecimento das Missões como Patrimônio Cultural do Mercosul. “Nós queremos seguir nesta mesma linha de quiçá concretizar a rota das Missões jesuíticas. Devemos continuar trabalhando juntos, todos os países. Este é um reconhecimento das raízes comuns que temos, países do Mercosul, e também da potencialidade que temos para trabalhar em conjunto e desenvolver circuitos turísticos e culturais”, destacou.

Além da 46ª Reunião de Ministros de Cultura do Mercosul, que será realizada na terça-feira, em Porto Alegre, também será realizada na capital gaúcha a 34ª Reunião de Ministros e Autoridades de Desenvolvimento Social (RMADS).

Perspectiva

O prefeito de São Miguel das Missões, Puranci Barcelos dos Santos, também participou da cerimônia promovida pelo Ministério da Cidadania, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Para ele, esta segunda-feira é um dia de celebrar o passado e refletir sobre o futuro das Missões. “Continuo acreditando muito nas Missões, como também acredito muito nesse apoio, tanto do ministro Osmar Terra, pelo governo federal, do governo do estado, na questão da liberação de recursos, de investimentos e de oportunidades para as Missões realmente se tornarem um grande potencial na questão do turismo”, declarou.

Exposição 7 Povos

À tarde, houve também a abertura da “Exposição 7 Povos: Retratos de um Território”, que traz fotografias, documentários, documentos antigos, mapas interativos e mais. A mostra é fruto de um projeto de cooperação internacional entre Iphan, Unesco e Ministério das Relações Exteriores, por meio da Agência Brasileira de Cooperação.

O resultado é uma experiência interativa que faz o visitante viajar pelos Sete Povos das Missões. São obras que despertam os sentidos e provocam uma viagem pelo território das Missões Jesuíticas Guarani e sua paisagem cultural, bens reconhecidos como Patrimônio Cultural Brasileiro, do Mercosul e Mundial.

Região das Missões

As Missões Jesuíticas Guaranis integram bens culturais que envolvem Brasil e Argentina. São compostas por cinco sítios arqueológicos remanescentes dos povoados implantados em território originalmente ocupado por indígenas durante o processo de evangelização promovido pela Companhia de Jesus nas colônias da coroa espanhola na América, nos séculos 17 e 18.

A região foi cenário e testemunha da ocupação do território e das relações culturais estabelecidas entre os povos nativos, na maioria do grupo étnico Guarani, e missionários jesuítas europeus. No Brasil, estão localizadas do sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo, conhecido como ruínas de São Miguel das Missões. No lugar, a céu aberto, todas as noites o espetáculo Luz e Som narra essa história.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania

Informações para a imprensa:
(61) 2024-2266 / 2412
www.cidadania.gov.br/imprensa

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Casa de Anita Garibaldi, na cidade de Laguna (SC), é reaberta ao público após restauração

Cerimônia contou com a presença do ministro da Cidadania, Osmar Terra. Mais de R$ 610 mil foram investidos pelo Ministério da Cidadania

publicado: 30/08/2019 19h00, última modificação: 04/09/2019 15h21
Foto: Rafael Zart/Ministério da Cidadania

Nesta sexta-feira (30), data em que se celebram os 198 anos do nascimento de Anita Garibaldi, a cidade de Laguna, em Santa Catarina, recebeu um presente em homenagem a uma de suas mais célebres cidadãs. A Casa de Anita reabriu as portas, após ser completamente restaurada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia vinculada ao Ministério da Cidadania. Com a restauração, o espaço se consolida como importante equipamento cultural de Laguna, fomentando a economia criativa por meio da valorização do turismo e da memória local.

Presente à cerimônia de reabertura, o ministro da Cidadania, Osmar Terra destacou a importância de se preservar a memória de Anita Garibaldi e de outros brasileiros relevantes para a história do País. “A Anita simboliza muito para os brasileiros, para os italianos. É a heroína dos dois mundos, uma pessoa particularmente extraordinária, que tinha uma vida simples, que foi modificada por um encontro, e que transformou muito a história do Brasil, da Itália e do Uruguai também”, afirmou.

“Nós precisamos contar mais essas histórias, o Brasil tem que ter orgulho, o nosso cinema, a nossa arte tem que estar voltada para as pessoas extraordinárias que nasceram aqui, que construíram este País em que nós vivemos e que contribuíram tanto para o mundo”.

O prefeito de Laguna, Mauro Vargas Candemil, agradeceu o apoio do Ministério da Cidadania na restauração do patrimônio municipal. “Esta obra tem importância bastante significativa, já que aqui é um marco histórico da nossa Laguna. Essa contribuição do Iphan, com recursos do governo federal, vai engrandecer o patrimônio histórico aqui do nosso município e, mais ainda, levar o nome de Anita Garibaldi como heroína de dois mundos”, afirmou.

O Iphan investiu mais de R$ 610 mil na recuperação total do edifício histórico, construído em 1711. Além disso, a Casa de Anita recebeu estrutura para implementação do museu, como condições de acessibilidade, climatização, iluminação e equipamentos multimídia e de comunicação visual, contribuindo para a difusão da história e do legado da heroína catarinense.

Também estiveram presentes ao evento, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, o diretor do Departamento de Projetos Especiais do Iphan, Robson de Almeida, a superintendente do Iphan em Santa Catarina, Liliane Nizzola, além de representantes do Instituto Cultural Anita e de uma comitiva italiana.

Uma casa para celebrar Anita Garibaldi

A Casa de Anita é um dos espaços mais visitados no Centro Histórico de Laguna, protegido pelo Iphan como Patrimônio Cultural Brasileiro. Localizada na Praça Vidal Ramos, a edificação foi residência de várias famílias da cidade catarinense. Entre elas, a família Mendes Braga, que confeccionava vestidos de noiva e emprestava um dos cômodos da casa para que as moças se vestissem para casar na Igreja Matriz de Santo Antônio dos Anjos. Foi o que aconteceu com Ana Maria de Jesus Ribeiro, a Anita, na ocasião de seu primeiro casamento, com Manoel Duarte de Aguiar.

Quatro anos mais tarde, quando completou 18 anos, ela conheceu o italiano Giuseppe Garibaldi, com quem se casou novamente e viveu o resto da vida. Ao lado dele, integrou importantes movimentos políticos, como a Revolução Farroupilha e o processo de unificação da Itália, tornando-se, então, conhecida como Anita Garibaldi, heroína, revolucionária e símbolo de coragem. Anita faleceu em 1849, em Ravenna, na Itália, aos 27 anos. Em 1978, a casa de Laguna foi aberta ao público como Casa de Anita, um pequeno museu com móveis de época e objetos que fizeram parte da história da cidade e da personagem célebre.

Investimentos em Santa Catarina

A intervenção no espaço que honra a memória de Anita é parte de uma série de ações que vêm sendo feitas pelo Ministério da Cidadania em Santa Catarina. Em Laguna, foi entregue ainda este ano a obra de restauração da Casa Candemil, que sedia o Arquivo Público Municipal. Outras seis obras estão em execução: a primeira etapa da requalificação urbanística do Centro Histórico e as restaurações do Clube União Operária, da sede da Sociedade Musical Carlos Gomes e do Clube Blondin, somando investimentos de R$ 12,4 milhões, além do Complexo Ferroviário e do Clube do Congresso Lagunense, que contam com outros R$ 4,41 milhões provenientes do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD). Na cerimônia de entrega da Casa de Anita, também foi assinada a ordem de serviço para início da obra do Complexo Ferroviário, que conta com recursos de R$ 2,4 milhões e será a primeira obra do Ministério da Cidadania com recursos do FDD.

“O Ministério da Cidadania está investindo muito no patrimônio histórico. Só aqui em Santa Catarina, estamos trabalhando com o horizonte de R$ 16 milhões. Estamos com recursos do Fundo de Defesa Direitos Difusos, provenientes de pagamentos de ações judiciais em todo o Brasil. Conseguimos R$ 300 milhões no total e Santa Catarina é, proporcionalmente, o estado que vai ter mais obras. Laguna vai ser um lugar particularmente privilegiado nessa caminhada de recuperação do nosso patrimônio”, destacou Osmar Terra.

Os investimentos do Ministério da Cidadania nos patrimônios da cidade não vão beneficiar apenas os 50 mil habitantes do local. O município é um dos mais importantes polos turísticos do estado, chegando a receber mais de 200 mil turistas durante o período de férias e festas de final de ano. Visitantes de todo o Brasil e também de países como Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile passam por Laguna todos os anos.
As festas religiosas também atraem muitos turistas, como a de Santo Antônio dos Anjos, padroeiro de Laguna.

História

Muito antes de sua fundação oficial, em 1676, Laguna serviu de referência para a assinatura do Tratado de Tordesilhas entre Portugal e Espanha. Os países estabeleceram uma linha imaginaria, 370 léguas a oeste do Arquipélago de Cabo Verde, passando ao Norte por Belém do Pará, e ao Sul por Laguna. As terras situadas a Leste do meridiano ficaram com Portugal.
De acordo com alguns mapas, o território português no Brasil começava próximo onde atualmente se encontra Belém (PA) e descia em linha reta até perto de Laguna (SC).

No século XVIII, a região foi um posto da coroa portuguesa, auxiliando no desbravamento e na defesa do território durante as disputas por terra com a Espanha. Nesse período também ocorre a chegada dos imigrantes açorianos, cujas tradições e cultura são mantidas até hoje entre os lagunenses.

Para conhecer outros investimentos realizados pelo Ministério da Cidadania em museus e patrimônios históricos brasileiros, acesse: cultura.gov.br

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania
Com informações do Iphan

 

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Potencial turístico cultural no Brasil é apontado por escritório da ONU
Diagnóstico prévio foi apresentado pelo coordenador residente do Sistema das Nações Unidas no Brasil, Niky Fabiancic, ao secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires

publicado: 07/08/2019 18h21, última modificação: 07/08/2019 18h22
Foto: Clara Angeleas/Ministério da Cidadania

As atividades do Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS) no Brasil foram apresentadas, na manhã desta quarta-feira (7), para o secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires. Braço operacional da Organização das Nações Unidas (ONU), o escritório está presente no Brasil desde 2012, trabalhando com a formulação e gestão de projetos em diversas instâncias, inclusive culturais, como a restauração, construção e reconstrução de museus e outras instituições.

O Unops foi apresentado pelo coordenador residente do Sistema das Nações Unidas (ONU) no Brasil, Niky Fabiancic. Também participaram do encontro com o secretário Henrique Pires e o secretário de Infraestrutura Cultural do Ministério da Cidadania, Paulo Nakamura, a gerente do Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS) no Brasil, Claudia Valenzuela, o arquiteto do UNOPS, Sylvio Farias, e a coordenadora de Cultura do Escritório da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Isabel de Freitas Paula.

Na avaliação dos representantes da ONU, o Brasil tem grande potencial turístico em razão do número de patrimônios mundiais, o que pode ser incrementado a partir de parcerias que promovem planejamento estratégico. Ainda foi destacada a importância da valorização de atividades culturais e da economia criativa para impulsionar o turismo. Fabiancic defendeu a necessidade de se pensar em planos de sustentabilidade e de manutenção para eventuais edifícios e locais restaurados. Caso contrário, há o risco de deterioração por falta de uso.

O secretário Paulo Nakamura observou que, em reuniões com municípios interessados na construção de equipamentos culturais, tem sido ressaltada a necessidade de manutenção e preservação, com detalhamento dos recursos necessários para esta finalidade.

Investimento do governo federal

Por meio do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD), foram direcionados recursos da ordem de R$ 200 milhões para a restauração e modernização de diversos equipamentos culturais, como as fundações Casa de Rui Barbosa e Biblioteca Nacional – entidades vinculadas ao Ministério da Cidadania –, museus e edifícios tombados.

Ligado ao Ministério da Justiça, o Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD) utiliza os recursos provenientes de condenações judiciais, multas e indenizações para financiar projetos de instâncias federais, estaduais e municipais que visem a reparação de danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico. A seleção de projetos ocorre por meio de edital e é feita pelo Conselho Gestor do FDD.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *