Você está aqui:
Cadastro de informações quilombolas

A Fundação Cultural Palmares (FCP), com o objetivo é mapear informações socioculturais, políticas, religiosas e produtivas das comunidades remanescentes de quilombo certificadas, lança o Cadastro Geral de Informações Quilombolas.

Cadastro será construído a partir das informações registradas pelas próprias comunidades em um questionário virtual, que poderá ser respondido até junho de 2018, por meio de um computador ou até mesmo de um smartphone com acesso à internet.

As informações colhidas auxiliarão a FPC a elaborar projetos estruturantes para estas comunidades, bem como ter uma visão mais abrangente da realidade de cada uma delas.

Recomendamos, por fim, que o preenchimento do questionário seja feito por uma liderança da comunidade, vinculada ou não à direção de sua associação, mas que detenha as informações necessárias. Do mesmo modo, ressaltamos que cada comunidade deve responder somente uma vez ao questionário, por isso, sugerimos fortemente que as respostas sejam revisadas com cuidado antes de serem enviadas.

Para responder o questionário, acesse o link https://goo.gl/forms/32WrwfST8rdpzhM83

Fonte: Fundação Palmares

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meta 02 – 100% das Unidades da Federação (UFs) e 60% dos municípios com dados atualizados no Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC)

02100% das Unidades da Federação (UFs) e 60% dos municípios com dados atualizados no Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC)
Obter e divulgar informações atualizadas sobre a área cultural de todos os estados e de 3.339 cidades do Brasil (60%)

As informações atualizadas sobre cultura são importantes para o desenvolvimento da política cultural no Brasil e contribuem para o acompanhamento do Plano Nacional de Cultura (PNC) e dos Planos Territoriais.

Reunir e divulgar informações da área cultural são objetivos do Sistema Nacional de Informações e Indicadores de Cultura (SNIIC). A atualização das informações é também de responsabilidade de estados e municípios que aderem ao Sistema Nacional de Cultura (SNC), conforme explicado na Meta 1.

Por meio do SNIIC os cidadãos poderão acessar:

  • o Mapa da Diversidade Cultural (Meta 3);
  • o Calendário Nacional de Eventos Culturais – com agendas periódicas ou fixas de festivais, bienais, feiras, fóruns e encontros em todo o país – e abrangendo todos os segmentos culturais;
  • o acompanhamento da execução do PNC e de planos municipais e estaduais;
  • outros serviços que poderão ser oferecidos pela sociedade, por meio da plataforma pública na internet, que trabalhará no modelo de “dados abertos ao cidadão”.

Para conhecer os objetivos do SNIIC e seu funcionamento, acesse o blog do Sistema. A Plataforma de cadastramento e consulta está acessível em sniic.cultura.gov.br .


Como esta meta está sendo medida

– Pelo número de Unidades da Federação (UFs) e de municípios que alimentam e mantém atualizado, anualmente, o SNIIC com informações sobre a gestão pública de cultura (elementos do Sistema, equipamentos públicos, número de servidores, orçamento etc), em relação ao total de UFs e municípios.


Situação da meta

Em 2016, 25 Unidades da Federação e 498 municípios inseriram, no SNIIC, informações sobre os órgãos públicos gestores de cultura.

Fonte: Subsecretaria de Gestão Estratégica e Coordenação-Geral de Infraestrutura Tecnológica (CGTEC)

Obs .: Obs.: Os resultados são ordenados para contar apenas uma vez cada município que seja retornado na pesquisa. Além disso, a metodologia utilizada para a extração das informações foi a seleção dos objetos culturais adicionados no SNIIC, por meio de um agente com natureza jurídica relacionado a uma das opções a seguir: Administração Pública Direta e Indireta Estadual; Municipal e Distrital.

Como o Registro Aberto da Cultura (RAC), do SNIIC, foi lançado em 2013, só foi possível iniciar a aferição a partir de 2014. Data de atualização: 31/12/2016.

Data de atualização: 31/12/2016

 

Fonte: Mapas Culturais


O que foi feito em 2016 para alcançar esta meta

O MinC, em parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG), deu início ao Grupo de Trabalho Ontologias da Cultura. Ele conta com a participação de até 6(seis) representantes convidados de órgãos públicos gestores de cultura, sendo 3 (três) indicados pelo Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura e 3 (três) indicados pelo Fórum dos Secretários e Dirigentes de Cultura das Capitais e Regiões Metropolitanas; e até 6 (seis) representantes da sociedade civil, indicados, preferencialmente, pelo Conselho Nacional de Política Cultural. Apesar de ser denominado GT do Glossário da Cultura, por ser o termo utilizado na legislação do SNIIC, o objetivo desse GT é a construção de uma ontologia que auxiliará, entre outras coisas,  na padronização dos conceitos associados a dados e informações culturais.

Além disso, o MinC promoveu a capacitação de 132 Gestores e Desenvolvedores da Plataforma Mapas Culturais.

Saiba mais:

  • sobre o Sistema Nacional de Indicadores e Informações Culturais (SNIIC), clique aqui.
  • sobre a Plataforma de Integração e Monitoramento do Sistema Nacional de Cultura (SNC), clique aqui.

Veja todas as metas que também estão nos temas : , , ,

Ver mais metas marcadas com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícias Relacionadas

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meta 03 – Cartografia da diversidade das expressões culturais realizada em todo o território brasileiro

03Cartografia da diversidade das expressões culturais realizada em todo o território brasileiro
Produzir um mapa das expressões culturais e linguagens artísticas de todo o Brasil

O mapa pretende revelar a diversidade cultural em todo o território nacional, completando o que já existe de mapeamentos, estudos e pesquisas sobre a diversidade cultural brasileira.

A cartografia da diversidade cultural brasileira deve abarcar as especificidades culturais de cada estado e todas as expressões do patrimônio artístico e cultural brasileiro (material e imaterial). Isso significa que serão mapeadas tanto as expressões das linguagens artísticas (teatro, dança, circo, artes visuais, música, entre outras), como aquelas de grupos sociais representantes de vários segmentos de nossa diversidade. Entre esses segmentos estão: povos de terreiro; povos indígenas; ciganos; culturas populares; imigrantes; lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs); mulheres; pessoas com deficiência ou transtornos psíquicos; mestres de saberes e fazeres tradicionais; crianças, jovens e idosos.

O levantamento cartográfico será constantemente atualizado no Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC).

 


Como esta meta está sendo medida

Publicação, em meio digital, do mapa interativo e colaborativo da diversidade das expressões culturais em território brasileiro no âmbito do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC) com informações de, ao menos, 70% dos municípios de cada unidade da federação.


Situação da meta

Em 2016, a quantidade de municípios com informações no SNIIC era de 5.431 municípios.

Fonte: Mapas Culturais/ Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC)

Data de atualização: 31/12/2016

OBS: O DF não foi considerado na tabela por não possuir municípios.


O que foi feito em 2016 para alcançar esta meta

Em 2016, o MinC desenvolveu a Rede da Economia Criativa do Brasil (ReCria), que é uma plataforma colaborativa que, além de articular os Observatórios Estaduais da Economia Criativa (OBECs) e as Incubadoras integrantes do programa Brasil Criativo, tem como proposta ser um ambiente interativo para artistas, pesquisadores, agentes culturais e seus segmentos criativos, integrando, assim, sociedade, estado e setor produtivo.

Além disso, em parceria com a UFG, deu início ao Grupo de Trabalho Ontologias da Cultura cujo objetivo principal é a padronização dos conceitos associados a dados e informações culturais.O grupo conta com a participação de representantes convidados de órgãos públicos gestores de cultura e representantes da sociedade civil.

No âmbito da capacitação, o MinC promoveu a capacitação de 132 Gestores e Desenvolvedores da Plataforma Mapas Culturais.

O Iphan, em parceria com a UFPA, desenvolveu o projeto Mapa Etno-Histórico de Nimuendajú. Esse mapa documenta a diversidade social e cultural do território nacional e adjacências, reunindo mais de 900 referências bibliográficas e etnográficas sobre os povos indígenas, desde o século XVI até meados do século XX.

 Saiba mais:


Veja todas as metas que também estão nos temas : 

Ver mais metas marcadas com as tags:  .

Notícias Relacionadas

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meta 07 – 100% dos segmentos culturais com cadeias produtivas da economia criativa mapeadas

07100% dos segmentos culturais com cadeias produtivas da economia criativa mapeadas
Mapear as cadeias produtivas de todos os segmentos da economia criativa

A economia criativa é um setor estratégico e dinâmico, tanto do ponto de vista econômico como social.Suas atividades geram trabalho, emprego, renda e inclusão social.

A economia criativa é composta das atividades econômicas ligadas aos segmentos – de acordo com definição da Unesco – como patrimônio natural e cultural, espetáculos e celebrações, artes visuais e artesanato, livros e periódicos, audiovisual e mídias interativas e design e serviços criativos.

Cada segmento cultural tem uma ou mais cadeias produtivas, isto é, sequências de etapas de produção até que o produto esteja pronto e colocado à venda. As etapas podem ser realizadas por diferentes agentes econômicos, sempre relacionados uns com os outros como elos de uma corrente. Quando se observam a economia e as cadeias produtivas, podem-se destacar as potencialidades dos segmentos culturais para ganhos econômicos e sociais.

 


Como esta meta está sendo medida

Número de segmentos – definidos pela Unesco – com estudos e mapeamento de identificação de sua(s) respectiva(s) cadeia(s) produtiva(s) realizados em relação ao total de segmentos.


Situação da meta

É importante ressaltar que existem seis setores criativos nucleares definidos pela UNESCO, sendo eles: a) patrimônio natural e cultura; b) espetáculos e celebrações; c) artes visuais e artesanato; d) livros e periódicos; e) audiovisual e mídias interativas; e f) design e serviços criativos. Sendo que eles se desdobram em um total de 26 atividades associadas. É importante ressaltar que a cadeia mapeada da música se encontra dentro da macrocategoria “Espetáculos e celebrações”, o carnaval se encontra em “espetáculos e celebrações”, o design se encontra em “design e serviços criativos”, os museus se encontram em “patrimônio natural e cultural”, e jogos digitais se encontram em “Audiovisual e mídias interativas”.

Em 2016, o percentual de alcance da meta, em relação ao ano de 2020, foi de 83%.

*Baseado em projeção sugerida pela Secretaria de Articulação e Desenvolvimento Institucional (SADI/PNC)

**Cadeias produtivas mapeadas: “Cadeia Produtiva da Economia da Música” (Antonio Carlos Alkmim et al, 2005); “Cadeia Produtiva da Economia do Carnaval” (Prestes Filho, 2009); “Mapeamento da Indústria Brasileira e Global de Jogos Digitais” (USP, 2014); “Mapeamento estratégico para a inserção do design nos grandes eventos esportivos no Brasil – Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016 (Competitiveness, 2012)” e “Museus e a dimensão econômica – da cadeia produtiva à gestão sustentável” (Ibram, 2014).

Obs.: estão sendo considerados, para fins de cálculo desta meta o número de segmentos com estudos/mapeamento de identificação de ao menos uma de suas cadeias produtivas realizados em relação ao total de segmentos definidos pela Unesco (patrimônio natural e cultural, espetáculos e celebrações, artes visuais e artesanato, livros e periódicos, audiovisual e mídias interativas, design e serviços criativos) 

Fonte: Secretaria da Economia da Cultura (SEC)

Data de atualização: 31/12/2016

Atividades associadas aos setores criativos nucleares – UNESCO (2009)


O que foi feito em 2016 para alcançar esta meta

O MinC contratou consultoria técnica especializada para desenvolver estudo analítico e comparativo das seis linguagens (artes visuais, circo, dança, literatura, música e teatro) definidas na Política Nacional das Artes. Das seis linguagens propostas para mensuração, a cadeia econômica da música já está mapeada e tem proposta de política para catalisar o segmento.

Em relação à cadeia produtiva da música, o MinC realizou ciclo de debates com agentes do setor musical brasileiro para desenvolvimento de um programa voltado à economia da música brasileira.

Cabe destacar também que a Funarte mapeou o segmento da dança em oito capitais do país. O trabalho foi desenvolvido no âmbito do grupo de pesquisa Proceda (Processos Corporeográficos e Educacionais em Dança), vinculado à Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Saiba mais:

    • sobre o Observatório Brasileiro da Economia Criativa, clique aqui.
    • sobre o Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, clique aqui.
    • sobre o mapeamento da cadeia produtiva do design, clique aqui.
    • sobre o Mapeamento da Indústria Brasileira e Global de Jogos Digitaisclique aqui.

 


Veja todas as metas que também estão nos temas : 

Ver mais metas marcadas com as tags: 

Notícias Relacionadas

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meta 41 – 100% de bibliotecas públicas e 70% de museus e arquivos disponibilizando informações sobre seu acervo no SNIIC

41100% de bibliotecas públicas e 70% de museus e arquivos disponibilizando informações sobre seu acervo no SNIIC.
Disponibilizar informações na internet sobre o acervo de 100% das bibliotecas públicas e 70% dos museus e arquivos

É fundamental divulgar na internet dados sobre livros, obras de arte, documentos e os outros acervos de bibliotecas públicas, museus, arquivos ou centros de documentação. Dessa forma, é facilitado o acesso de toda a sociedade ao conteúdo dessas instituições, o que também contribui com a difusão da informação sobre a cultura no país.

Pretende-se que essas informações sobre cultura sejam divulgadas por meio do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC). O SNIIC é uma plataforma na internet que permite integrar os sistemas de informações existentes, criar novas bases de dados e compartilhar a informação pública de forma transparente.

 


Como esta meta está sendo medida

– Pelo número de bibliotecas com acervos inventariados e informações disponibilizadas em plataforma integrada ao Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC), em relação ao total de bibliotecas cadastradas no mesmo sistema.
– Pelo número de arquivos públicos, centros de documentação e arquivos privados de interesse público – que estejam de acordo com o Decreto 4.073/2002- com acervos inventariados e informações disponibilizadas em plataforma integrada ao Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC), em relação ao total de arquivos cadastrados no mesmo sistema.
– Pelo número de museus que disponibilizam informação sobre seus acervos em plataforma integrada ao Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC), em relação ao total de museus cadastrados no mesmo sistema.


Situação da meta

Em 2016, o percentual de alcance da meta, em relação ao ano de 2020, foi de 28%.

*Censo Fundação Getúlio Vargas (FGV)

**Dados serão coletados pela PAM – Pesquisa Anual de Museus, o qual alimenta o CNM. Compreende-se que o CNM esteja contemplado no SNIIC

*** Ressalta-se que todas as bases de dados estão disponibilizadas na Internet, porém com diferentes porcentagens de acervo catalogado. Inclui: Bibliotecas Rui Barbosa, São Clemente e Maria Mazzetti; os arquivos Institucional, Pessoais e Pessoais de escritores Brasileiros; o acervo do Museu e as bases da Biblioteca digital e Iconográfica.

Obs.: O Ibram não enviou os dados da meta, em relação ao ano de 2016, por este motivo os dados foram replicados com base nos de 2015

Fonte: Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural (SCDC) e Fundação Casa de Rui Barbosa (FCBR)

Data de atualização: 31/12/2016

 


O que foi feito em 2016 para alcançar esta meta

A FCRB disponibilizou todas as suas bases de dados na internet, porém com diferentes porcentagens de acervo catalogado. A coleção geral da Biblioteca da FCRB (livros, Folhetos, recortes de jornal, etc.) está 95% inventariada, assim como 100% das obras raras.

São 08 centros de documentação que incluem: Bibliotecas Rui Barbosa, São Clemente e Maria Mazzetti; os arquivos Institucional, Pessoais e Pessoais de escritores Brasileiros; o acervo do Museu e as bases da Biblioteca digital e Iconográfica.

Saiba mais:

sobre o Registro Aberto da Cultura, clique aqui.


Veja todas as metas que também estão nos temas : 

Ver mais metas marcadas com as tags: 

Notícias Relacionadas

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *