Você está aqui:
Projeto dissemina cultura afro-brasileira nas escolas públicas

17.7.2017 – 14:02

A cultura afro-brasileira vai ganhar ainda mais espaço no sistema educacional brasileiro. A Fundação Cultural Palmares, instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), em parceria com o Ministério da Educação (MEC), municípios e estados, começa a levar para as escolas públicas do país um debate sobre as principais questões relacionadas à história e cultura negras, por meio do projeto Conhecendo nossa História: da África ao Brasil.Interna-SITE-palmares-Conhecendo-nossa-Historia

Por meio do projeto, que tem o objetivo de levar conhecimento aos estudantes sobre a contribuição do continente africano na construção da identidade e desenvolvimento nacional, estão sendo distribuídos 40 mil kits educativos para alunos e professores em 16 cidades do Brasil. O material inclui o livro O que Você Sabe sobre a África?, que narra a trajetória do povo afro-brasileiro, e uma revista de palavras cruzadas Passatempo com a mesma temática.

Nesta terça-feira (18) e quarta-feira (19), multiplicadores do projeto participam em Brasília, das 8h às 17h, na sede da Fundação Palmares (Setor Comercial Sul, Quadra 02, Ed. Toufic, 4º andar, sala multimeios), de uma capacitação para aplicarem os conteúdos do kit. Em geral, esses multiplicadores são servidores do quadro das secretarias de Educação municipais, principalmente professores, com experiência curricular com a cultura e a história afro-brasileiras. Cabe a eles disseminar o Conhecendo nossa História: da África ao Brasil para professores e gestores da rede pública.

“Desejamos que esses profissionais entendam a proposta do projeto, que vai além do kit. Queremos que eles façam uma leitura crítica desse material didático e que estimulem seus alunos a refletirem e a dialogarem sobre questões que nos atingem. Nossa intenção é estimular uma rede de debates por todo o país que nos ajude a pensar em políticas públicas destinadas à população afro-brasileira, reduzindo desigualdades históricas”, destaca o presidente da Fundação Palmares, Erivaldo Oliveira.

Para 2018, a Fundação Palmares já planeja ampliar o número de municípios atendidos. A medida está de acordo com a Lei nº 9394/96 (com a redação dada pelas Leis nº 10.639/2003 e nº 11.645/2008), que estabelece a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileira, africana e indígena.

Municípios contemplados

O projeto piloto contempla estados das cinco regiões do país, assim distribuídos:
• Nordeste: Bahia (Salvador e Santo Amaro da Purificação), Alagoas (Maceió e União dos Palmares) e Paraíba (Campina Grande e João Pessoa)
• Norte: Amapá (Macapá)
• Sudeste: Rio de Janeiro (São Gonçalo, a confirmar; e Paraty), Minas Gerais (Belo Horizonte e Ouro Preto) e Espírito Santo (Vila Velha e Cariacica)
• Sul: Rio Grande do Sul (Porto Alegre e Pelotas) e Santa Catarina (Florianópolis)
• Centro Oeste: Mato Grosso do Sul (Campo Grande)

Serviço
Assessoria de imprensa da Fundação Palmares: (61) 3424-0164
Fonte: ASCOM MinC

 

Chapada dos Veadeiros sedia encontro apoiado pelo MinC
14.07.2017 – 19:41
Começa neste sábado (15/7) e vai até 30 de julho o 4º Encontro de Lideranças e Comunidades Quilombolas do Estado de Goiás, no município de Alto Paraíso de Goiás (GO), na Chapada dos Veadeiros. O Ministério da Cultura (MinC) está apoiando o evento com R$ 200 mil, por meio do Instituto Federal de Goiás, um dos organizadores do encontro de quilombolas. “O objetivo do encontro é reunir comunidades tradicionais num ambiente de diálogo, com a participação de representantes do poder público e de pesquisadores”, diz o coordenador-geral de Cultura e Educação da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do MinC, Egerton Neto.
A previsão é que 210 moradores de remanescentes de quilombos se reúnam durante duas semanas para trocar experiências e promover a cultura popular. O evento será paralelo ao 17º Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, que ocorrerá no mesmo local e período, com a participação de povos indígenas, pesquisadores e representantes do governo federal.
Haverá debates sobre a situação e os desafios das comunidades tradicionais, além de festividades, exposições, oficinas e feiras. Será discutida, entre outras questões, a ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.
Kalunga
O encontro de quilombolas terá foco nas expressões culturais e nas demandas dos moradores do Sítio Histórico Kalunga, considerado o maior território quilombola do Brasil, segundo o coordenador do 17º Encontro de Culturas Tradicionais, Juliano George Basso. Neste sítio, que tem 200 mil hectares, estão localizados remanescentes de quilombos na região da chapada.
Parte da programação ocorrerá na chamada aldeia multiétnica, incluindo uma festa tradicional dos povos do Alto Xingu (Dança do Peixe). Haverá feira de sementes, oficina de vídeo, exposição de imagens de aves e palestras sobre agrotóxicos e desafios dos povos indígenas.
Basso considera que os Encontros são enriquecedores tanto para os povos tradicionais quanto para os turistas que visitam a região. “É um momento de troca de saberes. Os visitantes têm acesso a manifestações tradicionais que não costumam ser muito divulgadas, pois ainda sofrem grande preconceito por parte das sociedades urbanas. A gente aprende muito”, diz Basso.
O município de Alto Paraíso de Goiás fica a 230 quilômetros de Brasília (DF) e a 420 quilômetros de Goiânia (GO).
Fonte: Assessoria de Imprensa – Ministério da Cultura
MAB promove curso sobre História e Cultura Indígena e Afro-brasileira

O Museu da Abolição (MAB), em Recife (PE), deu início na última terça-feira (11) ao curso de extensão “Tópicos da História e Cultura Indígena e IMG_0966Afro-brasileira”. A iniciativa tem como objetivo subsidiar professores dos níveis fundamental e médio das redes municipal e estadual para o ensino da temática, cuja obrigatoriedade é prevista pelas Leis 10.639/03 e 11.645/08.

O curso, que será desenvolvido em duas temporadas – entre os meses de abril a junho e de agosto a novembro – é resultado de parceria colaborativa do MAB com professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e da Secretaria de Educação do Estado.

A primeira aula abordou o tema “Identidade Nacional”, com o Prof. Dr. Edson Silva, do Colégio de Aplicação/UFPE. “O curso apresentou uma demanda surpreendente, tendo suas 50 vagas preenchidas no mesmo dia de sua divulgação”, explica a diretora do MAB, Maria Elisabete Arruda.

As aulas acontecerão no museu quinzenalmente com carga horária de 4h cada, abordando um tema a cada encontro. Serão conferidas declarações de participação a cada encontro e certificados para os inscritos que participarem de 75% da carga horária total do curso.

Para os próximos encontros também serão oferecidas 50 vagas por aula. A próxima edição, no dia 25 de abril, vai abordar o tema “Os Índios no Brasil Colonial”, com o Prof. Carlos Fernando Santos. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail mab.educativo@museus.gov.br.

Texto e Fonte: Ibram

Salvar

Colegiado aprova Plano Setorial para as Culturas Afro-Brasileiras

sexta-feira,

Em reunião realizada na última terça-feira (10), o Colegiado Setorial de Culturas Afro-Brasileiras, do Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC) do Ministério da Cultura (MinC), aprovou o Plano Setorial para as Culturas Afro-Brasileiras.

Este Plano, segundo Igor dos Prazeres, diretor-substituto do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro, da Fundação Cultural Palmares, “é mais um instrumento em prol da política para as culturas afro-brasileiras, na tentativa de firmá-la como política de Estado.”

O Plano Setorial também eleva o Colegiado de Culturas Afro-Brasileiras ao patamar dos demais colegiados que integram o CNPC e que se encontram mais consolidados. A partir de suas diretrizes e metas serão desenvolvidas as ações para as culturas afro-brasileiras.

Arthur Leandro, membro do Colegiado Setorial, destacou que, apesar da demora para sua aprovação, é preciso celebrá-la, pois as políticas que promovem a igualdade racial e a cultura afro-brasileira ainda são muito vulnerabilizadas.

Acesse e conheça você também o Plano.

Texto e Fonte: Tiago Cantalice/Fundação Cultural Palmares

Confira resultado preliminar do edital de Cultura Afro-Brasileira
A Fundação Cultural Palmares (FCP) divulgou nesta quarta-feira (20) o resultado preliminar  do edital de Fortalecimento do Sistema Nacional de Cultura (SNC), o Cultura Afro-Brasileira. Foram selecionadas 19 iniciativas que têm como intuito estimular a promoção das artes e expressões culturais afro-brasileiras nas áreas de artes cênicas, música e manifestações tradicionais e populares, arte urbana e de periferia.
Apesar da classificação de 19 projetos, apenas 13 serão premiados, com um valor total de aproximadamente R$ 3 milhões. Os demais serão conveniados de acordo com a desistência ou inviabilidade de celebração de convênios com os primeiros seguindo a ordem de classificação da lista de espera.
Entre os dias 11 e 15 de abril, uma comissão de avaliação analisou cada um dos 44 projetos habilitados. Muitos deles foram desclassificados pela ausência de formulário dos projetos ou por estarem em desacordo com edital.
As propostas preveem o fomento de projetos e programas que contribuam com a proteção e a promoção da diversidade de manifestações culturais de grupos e comunidades tradicionais, estimulando, inclusive, a transmissão de conhecimentos e práticas culturais para as novas gerações e o reconhecimento identitário da comunidade em suas relações com outros grupos socioculturais.
Foram considerados setes critérios para seleção: relevância (contribuição à proteção e à promoção da diversidade de manifestações culturais); contribuição à equiparação dos direitos e ao fortalecimento de garantias de proteção e promoção da igualdade; promoção do conhecimento; impacto territorial; sustentabilidade; acesso; e incentivo à economia criativa e solidária e participação social.
Categorias
O edital é dividido em três categorias, sendo uma delas voltada para municípios com até 50 mil habitantes; outra para municípios com população entre 50.001 habitantes e 200 mil habitantes e, por fim, outra categoria voltada a municípios com mais de 200 mil habitantes. Não houve, entretanto, projetos suficientes para a classificação da primeira categoria. Os valores foram redistribuídos, atendendo a quatro projetos na primeira categoria, cinco na segunda e quatro na seguinte.

Recursos

De acordo com a Palmares, o prazo para a interposição de recurso da fase de classificação será encerrado na próxima segunda-feira (25), dois dias úteis após a divulgação do documento no Diário Oficial da União – algo que deve ocorrer nesta quinta-feira (21).
A interposição de recurso deverá ser dirigida à Comissão de Avaliação e Seleção do Edital de Fortalecimento do Sistema Nacional de Cultura e realizada por meio de um formulário próprio, enviado para o e-mail palmares.snc@cultura.gov.br. Não serão analisados recursos enviados de e-mails distintos daqueles cadastrados no ato da candidatura.
Fonte:Assessoria de Comunicação/Ministério da Cultura